A difícil e gostosa arte de se relacionar…

jean-paul-nacivet-6.jpg

Ontem refletindo sobre a fase de amigos casando que estou vivendo, pensei a respeito das pessoas que reclamam que não conseguem encontrar uma companhia legal, que dê certo e que se transforme em uma relação gostosa e feliz.

Há alguns meses a revista UMA falava sobre casamento e a matéria tratava da busca por um amor ou uma aliança. Questionava as razões que levam as pessoas a casarem e refletia sobre os motivos errados que podem atrapalhar o futuro da relação. Esse não será o tema desse post, mas vale citar alguns dos exemplos de motivos errados que a mesma destacava:

  1. medo de ficar sozinha;
  2. idade avançada;
  3. busca de estabilidade financeira;
  4. vontade de ser mãe, etc.

A verdade é que gostar de estar ao lado daquela pessoa e amá-la é que deve ser o real motivo de querer casar, pois todos os outros motivos acima descritos podem e devem ser resolvidos de outra forma, do contrário não há casamento que se sustente.

O tema que me levou a escrever hoje, no entando, considera os relacionamentos em geral, mas com especial atenção aos relacionamentos amorosos. Ter um namorado (a), companheiro (a), marido (esposa) ou o que seja depende de estar disposto a ceder em uma série de aspectos. Como toda a relação social, (con) viver com o outro exige que estejamos dispostas a abdicar de algumas coisas pelo outro ou pelo bem dos dois. Enquanto quisermos encontrar alguém que só satisfaça nossas vontades individuais e egoístas a única forma de encontrar satisfação total, nessas circunstâncias, é vivendo sozinhas. Afinal, somente nós mesmas podemos satisfazer nossos desejos o tempo todo.

A vida não é assim! Claro que ninguém precisa deixar de ser quem é para ter alguém, é perfeitamente possível encontrar alguém que nos queira pelo que somos, que nos admire, que goste de estar ao nosso lado: é isso que se busca em uma relação, mas é impossível acreditar que qualquer relação possa dar certo sem que tenhamos consciência de que em algum momento tenhamos que fazer concessões.

Portanto, amigas (os) do Espartilho, o caminho é o mesmo que sempre tratamos aqui: amar-se, respeitar-se, estar segura do que se é e do que se quer, dialogar e aprender a ceder quando for necessário. Sejam felizes e até a próxima.

Anúncios

5 Respostas to “A difícil e gostosa arte de se relacionar…”

  1. O amor, amizade e respeito devem ser SEMPRE a base das relacoes amorosas, porque conviver ‘e um exercicio diario. Assim como nos esforcamos pra fazer dar certo o convivio com nossos pais, quando ainda moramos com eles, devemos manter em mente que um certo esforco as vezes tambem e necessario pra conviver com seu parceiro ou parceira.
    Devemos entretanto manter nossa individualidade e NUNCA se anular em prol do outro ou da relacao, devemos achar um balanco, um equilibrio.
    O importante ‘e que tudo isso tenha como base o amor, nao so paixao, porque esse fogo diminui, mas o amor, a vontade de dividir seus momentos, suas alegrias e tristezas com aquela pessoa e ninguem mais.
    Isso faz valer a pena todos os momentos da sua vida conjunta. Boa sorte a todos e a todas do espartilho em busca da essencia do amor, estarei torcendo por voces.

  2. Obrigada pela visita e comentário, prima. Venha sempre! Bjos!!!!

  3. Todo e qualquer relacionamento, não importando o grau de intimidade, deve ser balizado por três fatores que devem se equilibrar, a saber: Educação, Humildade e Sinceridade. Podemos até criar um pensamento que resume tudo isto assim: Um tanto de educação, outro tanto de humildade e muito de sinceridade são fundamentais em qualquer relação.

    Ao mesmo tempo, o conviver é a arte de saber quando impor e quando ceder. Em resumo: equilíbrio é o fundamental mesmo. O resto vem em conseqüência disto.

  4. alisson cesar silva barros Says:

    Todo e qualquer relacionamento, não importando o grau de intimidade, deve ser balizado por três fatores que devem se equilibrar, a saber: Educação, Humildade e Sinceridade. Podemos até criar um pensamento que resume tudo isto assim: Um tanto de educação, outro tanto de humildade e muito de sinceridade são fundamentais em qualquer relação.

    Ao mesmo tempo, o conviver é a arte de saber quando impor e quando ceder. Em resumo: equilíbrio é o fundamental mesmo. O resto vem em conseqüência disto.

  5. Como é bom gostar de alguém/
    Como é bom saber amar/
    Sentindo a presença forte/
    Pra juntos a vida trilhar/
    Sentindo juntos o gostinho/
    De um amor com carinho/
    Bem forte o amor gozar./

    ========
    //Anizio

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: