Arquivo para agosto, 2014

Pessoas inteiras

Posted in Comportamento, Cultura e Arte with tags , , , , , , , , , on agosto 31, 2014 by Psiquê

“Eu sou uma eterna apaixonada por palavras, música e pessoas inteiras. Não me importa seu sobrenome, onde você nasceu, quanto carrega no bolso. Pessoas vazias são chatas e me dão sono.” Clarice Lispector

4f33294b97f3be47a4f5313250ce97ab

A ciência do Yoga

Posted in Comportamento with tags , , , , , , , , , , , , on agosto 28, 2014 by Psiquê

324484cea405a12e6f5fc100a6e8ae54

Hoje ao ler no blog Yoga em Casa do Gilberto Schultz, uma matéria (de duas) publicada originalmente na revista Forbes de autoria da Alice Walton, senti ainda mais gratidão por ter tido meu contato com o Yoga no ano passado.

O meu encantamento com a prática ainda é tão forte que às vezes me pergunto porque demorei tanto tempo para experimentar…

Ainda estou muito crua em termos de conhecimento da prática, há muito a aprender, mas os benefícios são realmente enormes. Eu saio das aulas muito mais leve, tranquila e feliz.

Compartilho com vocês o texto. Espero que gostem.

Fiquem bem. Namastê, Psiquê.

Desvendando os efeitos da prática: A ciência do Yoga

“Este é o primeiro de dois textos sobre os efeitos da prática do yoga publicado no site da revista Forbes, o segundo: “A Psicologia do Yoga”, tratará especificamente das mudanças psicológicas e também será publicado em português aqui no blog em breve.”

Julgando pelo número de esteiras de yoga que tenho visto sendo carregadas em Manhattan nos últimos 15 anos, tenho certeza de que fui a última pessoa da ilha a experimentar tal modalidade. O meu relacionamento com essa prática começou há cerca de 6 meses atrás e devo admitir que eu me apaixonei – e muito – por ela. Fiquei impressionada com as mudanças que afetaram o meu corpo e, mais ainda, a minha mente. Porém, o meu lado nerd, ligado à medicina ocidental, ainda se perguntava como exatamente isso estava acontecendo. Eu podia chutar algumas hipóteses baseadas no que eu sei sobre o corpo, mas preferi falar com alguém que realmente entendesse e estudasse esse tipo de ciência.

Stephen Cope é terapeuta e diretor do Institute for Extraordinary Living no Kripalu Center for Yoga and Health em Massachusetts. Lá, ele comanda um programa intitulado “O Yoga e o Cérebro”, cujas pesquisas estudam o efeito do yoga no cérebro com ressonância magnética e outras técnicas. Cope explica que o yoga traz mudanças significativas no sistema nervoso simpático do corpo – aquele responsável por estimular ações, como de “luta ou fuga”, em resposta às situações de estresse. Todavia, como as nossas vidas hoje em dia incluem e-mails de trabalho às dez horas da noite e conversas altas no telefone da mesa ao lado, em resposta, muitas vezes, nosso corpo permanece ‘on’ quando, na verdade, não deveria permanecer. O Yoga ajuda o corpo a diminuir essa resposta ao estresse, reduzindo os níveis do hormônio cortisol, que não é somente o combustível para as nossas reações ao estresse, mas que também pode causar estragos no corpo quando está em estresse crônico. Assim, a redução do nível desse hormônio no organismo é considerada uma coisa boa.

O Yoga também aumenta os níveis de substâncias que nos fazem sentir bem, como o GABA (Ácido gama-aminobutírico), a serotonina e a dopamina, que são responsáveis por nos sentirmos relaxados e satisfeitos. Todos esses três neurotransmissores são os principais utilizados em medicamentos que controlam o humor, como antidepressivos (por exemplo, ISRSs) e ansiolíticos (anti-ansiedade). O fato do yoga estar associado ao aumento dos níveis dessas cobiçadas substâncias químicas no organismo não é nada desprezível.

Ainda há outro bônus, diz Sarah Dolgonos, doutora em medicina, que dá aulas na Yoga Society of New York’s Ananda Ashram. Ela aponta que além de suprimir a resposta ao estresse, o yoga estimula o sistema nervoso parassimpático, que nos acalma e restaura o equilíbrio depois que uma situação de estresse chegou ao fim. Quando este sistema nervoso é ativado, “o sangue é direcionado em direção a glândulas endócrinas, órgãos digestivos e circulação linfática, enquanto a frequência cardíaca e a pressão arterial são reduzidas”, diz Dolgonos. Ainda, com o sistema nervoso parassimpático em funcionamento, “o nosso corpo pode extrair melhor os nutrientes dos alimentos que comemos, e mais efetivamente eliminar toxinas, já que a circulação é aumentada. Com a ativação parassimpática, o corpo entra em um estado de restauração e cura”.

Também há um consenso que o yoga melhora o sistema imunológico, diz Dolgonos. Esse benefício provavelmente é causado devido a redução do cortisol, mencionado anteriormente: o excesso desse hormônio pode diminuir a eficácia do sistema imunológico “imobilizando algumas células brancas”. A redução do cortisol na circulação “remove a barreira para um eficaz funcionamento da função imunológica”, sendo assim, o yoga ajuda na prevenção de doenças, já que melhora a imunidade.

b5a9d0b4138e6249e9e343780d267581

Vamos então nos aprofundar ainda mais nos efeitos dessa prática no organismo (paciência comigo, isso é realmente interessante). Pesquisadores descobriam que o yoga melhora a saúde, em parte, reduzindo um grande adversário do corpo: a inflamação. A inflamação crônica, mesmo em baixo grau, é responsável por uma série de problemas de saúde, de doenças cardíacas a diabetes e depressão.

Paula R. Pullen, PhD, instrutora de pesquisa da Faculdade de Medicina Marehouse, estuda os efeitos do yoga sobre a inflamação observando o que acontece nos corpos dos pacientes com insuficiência cardíaca que se matriculam em aulas de yoga. Ela mostrou que depois de serem distribuídos aleatoriamente entre yoga ou cuidados médicos padrão, os pacientes que praticavam a atividade tiveram uma melhora significativa nos níveis de biomarcadores, como a proteína C-reativa (PCR) e a interleucina-6 (IL-6). Se seus olhos ficaram paralisados, essas descobertas são bastante notáveis, já que mostram que o yoga pode realmente afetar as mais minúsculas moléculas, aquelas que são amplamente conhecidas por prever riscos de doenças graves. Pullen realça que a redução dos níveis de inflamação no corpo é extremamente importante do ponto de vista preventivo. E o yoga pode ajudar com isso. “O yoga equilibra o organismo, o sistema hormonal e a resposta ao estresse. As pessoas tendem a pensar que o yoga está apenas relacionado com a flexibilidade, quando na verdade, no sentido fisiológico se trata mais sobre reequilibrar e curar o corpo”.

Apesar de existir a milhares de anos, a ciência Ocidental está apenas começando a entender como funcionam os efeitos exercidos pelo yoga. Sendo assim, será certamente interessante acompanhar essas pesquisas, uma vez que continuará revelando o que o yoga é capaz de fazer com o corpo e com o cérebro. Fique atento para a parte II sobre os efeitos do yoga!

Tradução: Paula Coutinho | paula.emidioc@gmail.com
Fonte: Penetrating Postures: The Science of Yoga

Ah, a sensualidade…

Posted in Comportamento, Erotismo, Poesia Erótica with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on agosto 26, 2014 by Psiquê

 a750077723b338d82b518f951df3f315

A sensualidade não tem uma fórmula, uma receita, uma técnica, um segredo…

Ela é…

Às vezes me perguntam como faço a escolha das fotos, das palavras, das ideias que divido aqui com vocês e eu simplesmente não consigo transmitir uma fórmula, pois envolve o gosto, a estética, aquilo que acho belo, que me toca, que me faz “falar” através das palavras e das imagens que escolho.

O que sempre repito é que muitas vezes a imagem vem antes do texto, ela que me inspira, que me move, que concretiza aquilo que estou pensando ou sentido.

Outras vezes, começo pelo texto, mas busco na imagem a concretização daquilo que quero compartilhar. É neste sentido que hoje venho dividir com vocês um pouquinho do que estas imagens me transmitem ou espelham aquilo que quero transmitir…

Quero falar hoje sobre a sensualidade….

Ela não está necessariamente na pose, na fórmula, no perfume….

…ela simplesmente é, seja pela olhar do admirador ou espectador, seja pela atração que o contemplador já sente. O cabelo pode estar despenteado, a camisola caindo, pode não haver roupa, pode ser uma roupinha velha e desengonçada, pode ser um batom nude ou vermelho, uma nuca de fora ou cabelo solto, uma lingerie sexy…

…não importa…

Pode ser tudo, ou pode ser nada, às vezes até o perfume em uma peça usada pode provocar aquela imagens de sensualidade que o outro evoca em você…

Enfim, tem a ver com química, com pele, com olhar, com energia, sei lá…

Sei que me impressiona e me alimenta.

Boa noite meus amores. Obrigada por virem aqui!

Ser mulher

Posted in Comportamento with tags , , , , , , , , , , , , , , on agosto 23, 2014 by Psiquê

2987683

 

Apesar de ainda vivermos algumas dificuldades, preconceitos e injustiças sendo mulheres, eu acho que uma das maiores bençãos da minha vida é ter nascido mulher e lutar pela defesa dos direitos iguais seja de vivenciar um talento, uma profissão, a divisão de tarefas domésticas, de direitos, deveres, custos, etc. Claro que há coisas intrínsecas à natureza feminina, que precisamos aceitar e outras de contemplamos e agradecemos…

Ainda assim, ter consciência da divindade de cada um de nós, da benção de poder viver esta vida tão fugaz da melhor maneira possível, buscando a harmonia, o equilíbrio, a paz, o respeito e o amor são fundamentais para viver intensamente cada minuto da melhor maneira possível.

Recentemente adquiri algumas obras interessantes sobre os estudos de gênero, ainda não os li, portanto, deixarei para postar meus comentários específicos sobre cada um depois de fazê-lo.

Um deles foi o premiadíssimo livro organizado pela Mary del Priore – História das Mulheres no Brasil e o outro do Peter N. Stearns, História das Relações de Gênero, ambos da editora Contexto.

O tema é muito interessante e merece ser cada vez mais discutido, vivenciado e naturalizado para que tenhamos cada vez menos espaço para atitudes e discursos sexistas e preconceituosos.

Tenham um lindo final de semana!

Imaginação

Posted in Comportamento, Cultura e Arte with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on agosto 14, 2014 by Psiquê

3282540Uma das mais incríveis capacidades humanas é a de imaginar…

Quando vejo a fertilidade da mente das crianças, quantas histórias diferentes elas vivem e contam em fração de segundos, fico encantada…

No outro dia em uma conversa em família, meu irmão me disse: você tinha um amigo imaginário com quem conversava no caminho para a escola e eu acabava fazendo coisas imaginárias também…

…achei aquele relato engraçado, pois eu mesma não lembrava daquilo, mas sempre fui sonhadora, amante dos diários e dos caderninhos de história. A partir de então comecei a pensar no quão mágico seria se nós adultos preservássemos esta capacidade criativa da infância. Claro que existem grandes nomes, pessoas “abençoadas” que conseguem eternizar em obras de artes, textos, canções, histórias que imaginam ou que mantém em seus mundinhos internos.

Uma pena que depois de adultos, tenhamos tantos estímulos racionais e pragmáticos, que dependendo do espaço que deixemos para a criação, que nos levamos a sublimar e abandonar esta verve criativa.

“Imaginar é mais importante que saber, pois o conhecimento é limitado, enquanto a imaginação abarca o universo.” Albert Einstein

Eu desejo que a imaginação tenha sempre espaço em todas as vidas, para que possamos criar, sonhar, amar, viajar nas ideias.

Tenham uma ótima semana!

6 maneiras “curiosas” de perder peso

Posted in Comportamento, Saúde with tags , , , , , , , , , , , on agosto 13, 2014 by Psiquê

2990796

A matéria que compartilho aqui foi publicada pela revista Marie Claire, sob o título “Conheça 6 maneiras nem um pouco convencionais (mas com base científica) para perder peso

Algumas destas dicas são no mínimo curiosas, mas legal compartilhar com vocês. Trata-se de uma série de dicas supostamente comprovadas cientificamente que ajudariam na perda de peso. Como estes cuidados são parte integrante do cotidiano de muitos de nós, não custa tentar aprofundar ou pôr em prática aqueles que ainda não tentamos.

Vamos às dicas da matéria:

1. Cheirinho
Cheirar (sim, cheirar!) hortelã com frequência pode ajudar a diminuir a fome e, consequentemente, a ingestão de calorias, por um estudo realizado em dezembro. Pesquisadores da Universidade Wheeling Jesuit, nos EUA, relataram que voluntários que cheiraram óleo de hortelã a cada duas horas, durante cinco dias seguidos, sentiram menos fome e ingeriram menos calorias do que o habitual.

2. Alerta da louça
Comer em um prato vermelho contribui para você comer menos. Um experimento realizado pela Universidade de Parma, na Itália, ofereceu pipoca, chocolate e creme para as mãos em pratos vermelhos, brancos e azuis. Os participantes comeram menos e usaram menos creme quando os produtos estavam dispostos na louça vermelha. Uma possível explicação é que a cor lembra proibido ou perigoso, induzindo as pessoas a serem mais cautelosas. (Será?)

3. Dinheiro ou cartão?
Pagar suas refeições em dinheiro pode ajudar você a economizar calorias. A Universidade Cornell, nos EUA, analisou como os estudantes de 2.314 escolas públicas pagam suas contas. Nas escolas que aceitam dinheiro, 42% dos alunos escolheram comidas saudáveis. Já nas que só aceitam cartão apenas 31% fizeram escolha semelhante. E mais: as crianças que usam dinheiro compraram 20% a mais de vegetais frescos que seus pares.

4. Chocolate
Não se sabe por que, mas um estudo garante que comer chocolate está relacionado a índices mais baixos de gordura abdominal. Isso vale inclusive quando os pesquisadores consideram outros fatores que podem influenciar os níveis de gordura dos participantes, tais como a frequência com que eles se exercitam e quão saudável eram suas dietas em geral. Cerca de 1.500 adolescentes, acima de 17 anos, relataram o que comeram por dois dias não consecutivos e, depois, foram medidos, pesados e analisados. A conclusão: dietas ricas em chocolate estavam ligadas ao menor crescimento abdominal. (Opa!)

5. Dormir no frio
Uma pesquisa analisou 31 pessoas saudáveis, parte dormiu em quartos a 18ºC e a outra, a 24ºC. Aqueles que passaram a noite no ambiente mais frio perderam 7% a mais de calorias que os outros. Isso porque o corpo precisa gastar energia para manter a temperatura estável. Não se sabe, porém, como o organismo compensa essa queima, talvez você sinta mais fome. Vale lembrar que não adianta se enfiar debaixo de várias cobertas nem vestir um pijama quentinho. Você só vai perder calorias se aguentar o frio. (Xiiii!!!!)

6. Fotos de comidas saudáveis
Não apenas a ingestão, mas as imagens de frutas e vegetais podem ajudar na perda de peso. Estudiosos dividiram 69 mulheres (algumas em dieta e outras, não) em dois grupos: ao primeiro foram oferecidas fotos de alimentos saudáveis, como frutas e produtos diet; e, ao segundo, imagens de coisas que lembravam comidas, como um sol que parecia uma laranja. Aos dois grupos foram servidos lanches. O que aconteceu? Quem não estava de dieta comeu a mesma quantidade, independente das fotos. Mas as que estavam de dieta e viram fotos de alimentos de baixa caloria comeram menos do que aquelas que viram objetos. Os pesquisadores acreditam que as imagens funcionam como um lembrete visual sutil de suas metas para a perda de peso.

Memória olfativa

Posted in Comportamento, Curiosidades with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on agosto 10, 2014 by Psiquê

2662337

Não sei se você também já parou para lembrar de uma situação passada ou de um sentimento adormecido, esquecido, vivido ou até sepultado quando sentiu um cheiro…seja de um perfume, de uma comida, de um incenso, de um tecido, ou qualquer que seja.

Isso acontece muito comigo com o desodorante e o perfume. No outro dia me  peguei comprando o mesmo desodorante que usei durante 10 dias em uma viagem e cada lembrança daquela viagem veio à tona na minha memória, uma delícia. Como em um livro estava revivendo aquela época. E interessante é que como já usei desodorantes diferentes em diversas viagens, eles estimulam a lembrança de momentos distintos.

O perfume também evoca este tipo de reação. Ao arrumar meu armário, encontrei um perfume que estava no fim e resolvi usá-lo novamente…desde a primeira borrifada, minha memória resgatou momentos vividos anos atrás quando costuma usar aquele perfume.

Fiquei encantada com o poder da memória olfativa..

Um pesquisa publicada pelo caderno Ciência do jornal Estadão falou sobre os poderes do olfato nas emoções: “…o córtex olfativo está envolvido com o sistema límbico do cérebro e com a amígdala, onde as emoções nascem e as memórias emotivas são registradas. É por isso que cheiros, sentimentos e memórias ficam tão próximos…”

O portal Neurociências em benefício da Educação, também traz um texto sobre memória olfativa bem interessante. A psicóloga e escritora Angelita Corrêa Scardua, escreve em seu blog Os Sentidos da Felicidade, um texto muito interessante sobre olfato e afeto, do qual compartilho o seguinte trecho:

“O interessante dessa relação entre cheiro, emoção e memória é que: como cada um de nós tem um cheiro próprio, e como cada interação com um outra pessoa nos provoca emoções, tendemos a associar à lembrança que temos de alguém a um odor específico. Assim, quando sentimos o cheiro que remete à emoção provocada por àquela pessoa, sentimos as mesmas emoções que tínhamos, ou temos, quando estamos com ela. Ou seja, é quase impossível dissociar cheiro de afeto!”

Às vezes pode parecer ruim e um tanto quanto saudosista retornar sentimentos e emoções do passado, mas o que venho compartilhar com vocês é a magia de perceber o quão complexos e interessantes, nós somos! Fiquei encantada em perceber essas reações na memória e no corpo, ao sentir o cheiro de um perfume.

Tenham um excelente domingo!