Archive for the Moda Category

GRIMMER desembarca em Nova York!

Posted in Moda with tags , , , , , , , , , , , on maio 8, 2016 by Psiquê

É com muito, muito orgulho e admiração que venho anunciar uma novidade incrível na trajetória da marca da minha querida Karen Grimmer. Ela merece todas as vitórias de um caminho de sonhos e muito trabalho, mas também de muita criatividade e arte.

Se vocês ainda não sabem, a Coleção da Grimmer, inspirada no trabalho de um dos maiores paisagistas brasileiros, Roberto Burle Marx, estará à venda no Museu Judaico de Nova York, durante o período de exposição dedicada ao artista, que começa nesta semana.

Grimmer Burle

A Grimmer foi convidada a expor a sua última coleção, totalmente inspirada no mestre brasileiro da arquitetura e do paisagismo, Roberto Burle Marx, na loja do Museu Judaico de Nova York. O artista ganha exposição inédita nos Estados Unidos a partir desta sexta-feira, dia 06, e ficará em cartaz até o dia 08 de setembro. A mostra será composta por 140 obras dos acervos do Sítio Roberto Burle Marx e do escritório Burle Marx & Cia, ambos localizados no Rio de Janeiro.

As peças que estarão à venda no museu também podem ser adquiridas por meio da nossa loja online em pronta-entrega ou sob encomenda, dependendo do produto.

“Busco trazer referências artísticas ou suscitar percepções estéticas para que cada peça ganhe vida e história. Não é apenas algo belo, mas que também carrega conteúdo e valor. A estampa que desenvolvi inspirada em Burle Marx homenageia o mestre e representa uma vontade de mostrar o Rio de Janeiro de forma não convencional. Afinal, a cidade abriga importantes espaços com a sua assinatura”, afirma Karen Grimmer, proprietária e designer de estampas da marca.

Aproveitem e conheçam mais da marca aqui: http://www.grimmer.com.br/

Estilo Grimmer

Posted in Moda with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on maio 30, 2015 by Psiquê

A Grimmer é uma marca que alia criatividade ao clássico, produz bolsas, acessórios e outro produtos com estampas lindíssimas que conseguem refletir a arte e arquitetura brasileiras com criações típicas da cultura brasileira. Com estampas e modelos exclusivos, a Grimmer apresenta um produto contemporâneo e despojado.

Grimmer Bags

A durabilidade dos seus couros e de seus produtos é uma marca do cuidado com que as peças são produzidas. Atenta à arte e à arquitetura desenvolvidas no país e com estampas criadas especialmente para suas produções, suas peças são verdadeiras obras que merecem ser apreciadas.

Indico a Grimmer não apenas como consumidora, mas como admiradora do seu estilo. Caso queira acompanhar as coleções, promoções, novidades e adquirir suas peças visite: Grimmer

Grimmer 2

#Lingerie

Posted in Comportamento, Moda with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on novembro 5, 2014 by Psiquê

333477547377830852_IF6TZjyp_c

Hoje um livrinho me foi apresentado e na hora pensei no Espartilho. Trata-se de um livro sobre Lingerie, com foco no Polo de Moda Íntima de Nova Friburgo, hoje transformado no Arranjo Produtivo Local (APL) da região serrada do estado do Rio de Janeiro – Nova Friburgo, responsável por grande parte da produção de lingerie do Brasil e do Estado.

O livro intitulado #lingerie, pode ser lido aqui.

O documento, publicado pelo SENAI Moda Design é bem estruturadinho, com ilustrações fofas e traça um panorama da evolução da lingerie ao longo dos anos 1900 e 2000.

Os anos 1900, início do século XX, o uso de Espartilhos, comuns naquele momento, acabam por sofrer resistência…

1900 – “O mundo moderno da Belle Époque se mantinha vitoriano quando o assunto era o espartilho – corset em francês –, embora a própria rainha Vitória tivesse acabado de morrer. Não que os espartilhos não tivessem opositores. Apertados ao extremo com cordões e estruturados com hastes metálicas e barbatanas de baleia, restringiam enormemente os movimentos das mulheres. Médicos debatiam seus efeitos fisiológicos. O feminismo nascente o denunciava como uma injustiça social. Reformistas do vestuário, como o pintor austríaco Gustav Klimt, criavam vestes largas sem eles. Em 1906, a consagrada estilista francesa Madame Paquin propôs vaporosos vestidos império, com o corte marcado abaixo do busto. Mas foi seu conterrâneo, Paul Poiret, que entrou na história da moda como o responsável pela abolição do espartilho.”

1920 – “Com o fim da guerra, novas atitudes de afirmação social e sedução desnudaram os ombros
e as costas da mulher emancipada, e tornaram o busto achatado e baixo. A cintura marcada desapareceu, em favor de uma postura moderna provocantemente andrógina. (…) Na década em que as mulheres queriam ser modernas, e a modernidade se associava à funcionalidade, Coco Chanel criou roupas com formas geométricas em jérsei, material que até então só era usado como forro ou na fabricação de roupas de baixo. A estilista francesa não só promoveu o tecido a ícone de sua moda, como agregou elegância simples a modelitos confortáveis e fáceis de usar.

Novas transformações:

1930 – “Em contrapartida, a prática de exercícios e a busca pelo lazer ao ar livre viraram uma mania, com repercussões para a exposição das costas, em decotes profundos. Os esportes mais procurados eram a equitação, o ciclismo, o golfe e principalmente o tênis. E por baixo dos trajes esportivos, as calças imitavam bermudas em tecido bem leve. O atributo de sustentação do busto era destacado nas campanhas publicitárias de sutiãs. Mas, além de sustentarem, eles também modelavam, produzindo efeitos mais naturais, e privilegiavam a separação dos seios.”

Estes são alguns trechos do livro, que pode ser lido na íntegra quando quiserem no link acima.

Bjos, meus amores!

Hoje não!

Posted in Comportamento, Moda with tags , , , , , , , , , , , , , , , on fevereiro 4, 2014 by Psiquê

6b2e532712efee7cd10d920c9940c149

 

Além de gostar de me vestir bem e me sentir bem com o que visto, eu tenho como máxima, que diz o seguinte: em se tratando de trabalho, se você sonha se tornar chefe, vista-se como tal. A Revista Nova deste mês trouxe exatamente esta tese, em uma  matéria que fala sobre o assunto, intitulada Prazer, CEO. “(…) Não importa se trabalha fechada no escritório, atende clientes em uma loja ou passa horas na rua. Uma mulher com uma roupa elegante, unhas bem-feitas e cabelo arrumado passa confiança. As pessoas vão virar a cabeça ao vê-la e perguntar: Será essa a CEO?”.

Mas, sabe aqueles dias em que você acorda sem nenhuma vontade de ir trabalhar, sem vontade de se arrumar, querendo ficar com uma roupinha bem à vontade, com a roupa que der na telha, sem se preocupar com o comprimento da saia, o decote da blusa, o tamanho do brinco, a altura do sapato… (claro que linda, só que casual e despojada, não é?)

Eu hoje acordei assim, não precisa nem dizer que mudei de roupa quase uma dezena de vezes…e nada me agradava.

O calor não está ajudando…O sentimento de inadequação de ter que colocar uma roupa quente para esse calor insuportável…

A necessidade de estar arrumada, em função do trabalho, mas totalmente em desacordo com o clima do momento…

A sensação de se sentir observada e julgada o tempo todo…Ah, cansei. Hoje não! 

Acabei colocando um vestido que não estava nos meus planos, mas ainda com a etiqueta. E que acabou recebendo diversos elogios (sinceros ou não). O vestido, diga-se de passagem é lindo, mas minha vontade hoje era de sair de sainha, camiseta, chinelinho,  um maxi colar transado e cabelos molhados! Rsrs

Acho que quando acordamos desmotivadas ou querendo fazer algo diferente do que temos que fazer, uma força interna deixa de nos impulsionar como deveria…Diante de um quadro destes, mesmo que tenha que mudar de roupa 500 vezes, achar uma que te deixe linda, se sentindo bem, feliz, talvez ajude a mudar a cabeça!

E foi isso que fiz, tentei fazer com que a roupa me animasse a enfrentar o dia de hoje e está dando certo. Estou mais feliz e resolvi compartilhar essa experiência com vocês. Afinal, todas nós passamos por isso, não?

Moda para parecer mais jovem e moderna

Posted in Moda with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on novembro 7, 2013 by Psiquê

maquiagem1

Eu acredito que estar na moda não é seguir o que a grande mídia ou o mercado de moda diz que está valendo nos tempos atuais… Acho que estar na moda é encontrar seu próprio estilo e brincar com ele e com as diversas opções que temos por aí. Alguns gostam de um look mais vintage, outros mais monocromáticos, outros jogam com cores, com tamanhos, com listas, estampas, etc.

Imagem

O post da Juliana Parisi de hoje me encantou porque apesar de adorar looks monocromáticos e sociais, eu adoro jogar com cores também, mas prefiro trabalhar nos acessórios, nos sapatos e ousar nos detalhes. Ousar fazendo uma maquiagem bem feita, um penteado discreto e maneiro, usando um anel maior ou colorido, etc. Nem precisa falar que a Juliana sempre traz dicas bem legais, mas o post que destaquei aqui, está bem legal.

Na proposta acima, eu por exemplo teria “medo” de ousar com a mistura do listrado com o coral, mas ficou muito lindo. Recentemente eu combinei uma calça preta, com uma blusa canoa preta e branca e o colar com os sapatos e a bolsa vermelhos. Ficou o máximo e todo mundo gostou!

Imagem

Então fica a dica minha e da Juliana para ousarmos nas combinações e sair por aí feliz da vida e arrasando.

Um ótimo dia a todos.

Sapatos, uma questão de estilo…

Posted in Moda with tags , , , , , , , , , , , , , on outubro 30, 2013 by Psiquê

Imagem

O blog da Personal Stylist, Juliana Parisi, trouxe um post bem legal sobre sapatos coloridos. E a seleção de fotos de modelos combinando roupas sóbrias e discretas com sapatos coloridos, ficou o máximo, veja só aqui.

Claro que eu, como várias mulheres sou fascinada, por sapatos. E vocês já sabem disso, pois já até escrevi sobre Meu fascínio por sapatos. Mas não basta gostar de sapatos, pois a escolha das demais peças como o jeito certo de combinar, depende de uma pitada de bom gosto e senso de combinação.

Tudo tem que ser coerente com seu estilo e as combinações, a meu ver não podem ser muito exageradas. Claro que existem pessoas que gostam do exagero, eu já sou mais discreta e gosto de um toque sutil de estilo e bom gosto que dê personalidade à combinação, porém sem ser ver over e exagerado.

Mesmo assim, ainda acredito que cada um tem o seu estilo e se combina com você, vá em frente e faça o que quiser!!!

Rosa e Vermelho

Posted in Moda with tags , , , , , , on dezembro 31, 2012 by Psiquê

pinkvermelho

O blog Garotas Estúpidas soube com muito bom gosto combinar duas cores, que para mim, pareciam improváveis de se combinar: rosa e vermelho. De todos os looks que encontrei combinando as duas cores, o do referido blog é o mais acertado, mais lindo, mais chique e harmônico. Gostei e recomendo! Fica a dica.

vermelhopink

Boudoir

Posted in Comportamento, Erotismo, Moda with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , on maio 19, 2012 by Psiquê

Hoje, por acaso, fui apresentada ao ensaio boudoir ao conhecer o trabalho do fotógrafo Raoní Aguiar*, apesar de já ser uma grande admiradora dos ensaios sensuais. E como tem tudo a ver com o Espartilho, não poderia deixar de partilhar esse encanto com vocês.

O termo francês Boudoir (buduár) tem por definição toucador; quarto  de vestir adornado com requinte. O termo remonta o século XIV como um dos cômodos da suíte de uma dama em que ela se banhava e vestia. Era um ambiente privado e muito íntimo, composto de elementos femininos decorados ao gosto da mulher.

Era um local proibido para homens, e isso despertava a curiosidade e a fantasia quanto ao que acontecia ali dentro, consequentemente isso criava um certo ar de erotismo e sensualidade. Surgindo dai a fantasia e a magia que envolvem o termo boudoir, que carrega consigo a intimidade e a feminilidade.

O olhar boudoir, consiste em um estilo artístico de fotografar que retrata  momentos pessoais e íntimos onde a sensualidade, o romantismo e o glamour são a  tônica. Não importa a idade ou o tipo de corpo que você tem, o estilo boudoir é para todas as mulheres. É mais do que apenas um ensaio sensual, é uma experiência de auto-descoberta.

Quem mais já falou sobre e praticou:

Olhar de Boudoir

Raoní Aguiar

Loulou’s Boudoir

Boudoir Floripa

Fernanda Marques

La Papeterie Diva

* Raoní Aguiar, entretanto, não se limita a fotografar ensaios sensuais. Ele também faz fotografias de casamento e lançou uma promoção para dar um ensaio de casal ou boudoir. Minha torcida é que ele dê dois: um ensaio casal para minha querida prima e um ensaio boudoir adivinhe para quem? Mas como sorte não depende muito da nossa vontade, vou partilhar aqui para quem quiser concorrer.

Louis Vuitton

Posted in Curiosidades, Moda with tags , , , , , , , , , , , on fevereiro 15, 2012 by Psiquê

Apesar de não dar valor às coisas em função de sua marca, mas em função da sua qualidade e adequação ao gosto de cada um, acho que vale a pena entender um pouco do surgimento de cada ícone destes. Seu papel na história e a evolução dessa ideia de marca de qualidade. Navegando pelo blog Mundo das Marcas encontrei um post bem legal, contando a história da Louis Vuitton.

Segue um pouco de história:

“Tudo começou em 1851, quando para cada viagem do imperador francês Napoleão III, era trazido ao Palais des Tuilleries um jovem aprendiz de maleiro para embalar a bagagem da imperatriz Eugênia. O rapaz chamava-se Louis Vuitton, um suíço criado em Paris e filho de um marceneiro, que em 1854 fundou a MAISON LOUIS VUITTON MALLETIER na Rua Neuve-des-Capucines, no centro da capital francesa, próximo à famosa Place Vendôme. E mesmo depois de aberta a loja, ele ainda produzia sob encomenda produtos exclusivos e únicos, como um baú que virava cama, sob solicitação de um explorador europeu; outro baú que virava charrete, para um viajante muito especial; e ainda, um baú flutuante para os praticantes de balonismo que volta e meia caíam no mar. No ano seguinte, a Maison transferiu a oficina e a residência familiar para a pequena cidade de Asnières-sur-Seine, localizada cerca de 30 quilômetros de Paris. Desta forma, a produção estaria mais próxima dos fornecedores da madeira que servia de estrutura para as malas. Além disso, a empresa aproveitaria do transporte fluvial para o escoamento de sua produção.

Pouco tempo depois, em 1858, ele criou as primeiras malles plates, um novo formato de baú (com tampa reta, diferentemente do utilizado na época, com tampa abaulada para permitir o escoamento da água da chuva, leve e à prova d’água), que facilitava a arrumação nos porões dos navios e o empilhamento nos trens, e o revestiu com sua assinatura em cinza. Tudo para atender às madames da época que viajavam de navio e precisavam de uma mala que pudesse ao mesmo tempo transportar de tudo e com muita classe. O material utilizado era sempre o mesmo: madeira, zinco, cobre e lonas impermeáveis. A ferramenta: seu apuro artesanal que cativou muitos ricos e nobres da época. Com o crescimento da empresa e a divulgação da marca ao redor do mundo, Georges Vuitton, filho de Louis, uniu-se ao pai a partir de 1870 para a abertura de novas lojas fora de seu país de origem, que aconteceria somente quinze anos depois…” Para saber um pouco mais, visite o blog: Mundo das Marcas.

Adorei a história. Em breve falaremos de outras marcas legais, como Chanel, entre outras.

Cores e Vibrações

Posted in Curiosidades, Moda with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on dezembro 29, 2011 by Psiquê

Ao ler o post do blog Diva Todo Dia, acabei reforçando uma tese que já defendia a despeito de algumas pessoas ao meu redor dizerem o contrário. O preto é uma cor que protege. Certa vez uma pessoa me disse que não deveria usar preto às sextas-feiras. Lembrei que na verdade os significados atribuídos às cores são convenções culturais, o preto é luto no ocidente, mas no oriente a cor do luto é branco.

Defendo, portanto, que cada um use a cor que traz a melhor vibração pessoal, que a faz se sentir melhor, mais alto astral, mais segura, mais forte, mais feliz, independente de padrões, imposições e opiniões alheias.

Vamos às cores e às ‘vibrações’, lembrando que fica a critério de cada um escolher a cor que te faz bem para passar o momento da virada.

Preto

Muitos juram que essa cor não é boa para virar o ano.

Especialistas em cromoterapia negam e dizem mais: ‘O preto serve para segurar a energia – positiva – que a pessoa esta sentindo e faz com que essa mude.

Alguns outros garantem que o preto é uma cor que garante proteção – não deixando que nada de ruim se aproxime – é como se você se fechasse para energias não bem vindas.

Branco

A cor traz purificação, paz, verdade, equilíbrio e calma.

O branco eleva as vibrações e gerencia o equilíbrio anterior.

Amarelo

Usar esta cor durante a passagem do ano é bom para atrair riqueza, dinheiro e sabedoria durante todo ano.

É uma cor fortemente ligada a intuição.

Vermelho

Paixão, energia, sedução, devoção.

Use se você está querendo atrair esses sentimentos para seu próximo ano!

Representa o chacra sexual e desperta o desejo.

Rosa

Amor, amor e amor. Também ajuda a afastar energias negativas.

É a cor da compreensão, conciliação

Muitos dizem que pelo rosa ser uma mistura do branco com vermelho a cor também representa as duas energias das cores que as deram origem, ou seja, o rosa seria bom para paz e também para a paixão.

O rosa é a cor do chacra cardíaco (fica na altura do peito) – que deixa as pessoas mais amorosas.

Verde

É a cor da harmonia. Representa a forte energia da natureza.

Verde é esperança, equilíbrio e recomeço, renova as energias. É bom para saúde e cura.

A cor atua no chacra gástrico (altura do umbigo) – traz vitalidade para o organismo.

Azul

A cor traz paz de espírito, segurança e tranquilidade.

Representa o poder, a ação e a força.

Para a cromoterapia a cor tem um efeito calmante.

Laranja

Assim como o amarelo, o laranja atrai sucesso financeiro. Ajuda nas conquistas pessoais e profissionais.

Violeta

Transmutação e liberdade! É a cor da inspiração, imaginação e estabilidade. Esta cor também eleva a auto-estima e ajuda a manter o foco de um objetivo.

Aposte na cor se quiser super mudanças para o próximo ano.

Dourado

É a cor da sabedoria e prosperidade.

Para a cromoterapia o dourado tem a mesma função do amarelo e também ativa o campo mental, a inteligência e a criatividade.

A cor estimula o chacra coronário (acima da cabeça).

Feliz 2012 para todos vocês!!!!