Arquivo para câncer

Outubro é rosa

Posted in Comportamento, Saúde with tags , , , , , , on outubro 12, 2015 by Psiquê

outubrorosa_0

Como todos os anos, o Espartilho lembra que outubro é rosa

Outubro é o mês em que lembramos da necessidade de prevenção ao câncer de mama que é o que mais mata mulheres no mundo, mas que tem grandes chances de cura e superação se diagnosticado precocemente.

Visite seu ginecologista regularmente, observe-se e faça o autoexame sempre que possível.

Se você tem uma história de superação para compartilhar conosco, fique à vontade. Essa luta é de todas nós.

Namastê.

Sobre quimioterapia e beleza

Posted in Comportamento, Curiosidades, Estética e Beleza with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , on maio 25, 2015 by Psiquê
Fotos de Edu Chaves

Fotos de Edu Chaves

Na revista Marie Claire de abril, uma reportagem especial me chamou a atenção: 24 mulheres que fazem a diferença. Várias das histórias me encantaram, mas a da Flávia Flores eu quero compartilhar aqui com vocês.

“Flávia tinha 35 anos quando foi diagnosticada com um tipo agressivo de câncer de mama. Um mês depois da notícia, a catarinense submeteu-se a uma mastectomia dupla. Um dia antes de começar a quimioterapia, começou a buscar na internet dicas de como se manter bonita durante o tratamento. Frustrada com o resultado, decidiu criar uma página na internet chamada Quimioterapia e beleza, na qual passou a postar dicas para quem perdeu cabelos, cílios, sobrancelhas, por causa da doença. Mulheres de todo o Brasil e até de Portugal passaram a compartilhar o conteúdo e mandar mensagens de agradecimento. Dois anos depois e um sem quimio, Flávia dá palestras no país e no exterior e escreveu um livro que já está na terceira edição. ‘Quando o paciente está deprimido, todos no entorno ficam tristes. Com a autoestima elevada, as mulheres ganham mais apoio, confiança e a imunidade melhora’, diz Flávia. ‘Mesmo curada eu não vou desistir deste trabalho. Todos os dias mulheres recebem o diagnóstico de câncer e estarei com elas‘, complementa.

Achei emocionante e superimportante a iniciativa. Estamos juntas, Flávia. E por isso faço questão de compartilhar e divulgar sua iniciativa.

The Scar Project – Câncer de Mama

Posted in Comportamento, Conscientização with tags , , , , , , , , , , , , on setembro 29, 2014 by Psiquê

Outubro, como já falamos em outros anos é o mês dedicado ao câncer de mama, um dos tipos de câncer que mais mata entre as mulheres. Neste ano de 2014, ao invés de aderir à tão conhecida campanha Outubro Rosa, um projeto muito interessante chega ao Brasil e me chamou a atenção, merecendo destaque aqui no blog: o projeto The Scar Project do fotógrafo David Jay.

O Scar Project nasceu a partir de uma experiência pessoal de David Jay, que trabalha com moda há mais de 15 anos. Uma amiga do fotógrafo, na época com 28 anos, aceitou posar para ele mostrando o resultado da cirurgia de retirada de um dos seios. Daí em diante, outras centenas de mulheres foram clicadas e as fotos correram o mundo. O projeto busca alertar para o diagnóstico precoce do câncer de mama e angariar fundos para programas de pesquisa sobre a doença, além de ajudar mulheres que passaram por este tratamento a encarar suas cicatrizes e seus corpos.

Para fotógrafo, o projeto pode estimular o debate sobre o câncer: “As mulheres que participam da exposição mostram enorme coragem e compromisso com o projeto. Espero que este trabalho seja instigante para o público no Brasil e que eles possam se envolver um nível que ultrapasse a doença” afirma Jay.

A associada da Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama (Femama) no Rio de Janeiro, Fundação Laço Rosa, em parceria com a Niterói Mais Humana e a Prefeitura de Niterói, traz ao Brasil o fotógrafo David Jay, responsável pelo Scar Project. Neste projeto, mulheres entre 18 e 35 anos posam para a lente do fotógrafo, exibindo as cicatrizes da mastectomia (retirada total ou parcial dos seios), que realizaram como parte do tratamento ao câncer de mama. Aproximadamente cem mulheres em diversos países já foram fotografadas, porém esta é a primeira vez que brasileiras participam da ação.

As sessões de foto com David Jay aconteceram entre os dias 2 e 6 de agosto, na cidade de Niterói e o resultado poderá ser conferido no MAC (Museu de Arte Contemporânea de Niterói) à partir do dia 10 de outubro como parte das ações que integram o movimento Outubro Rosa.

A campanha que tem como lema: Câncer de Mama não é uma fita rosa, retrata mulheres que passaram pela mastectomia e procura mostrar um pouco da luta destas belas e guerreiras mulheres. Eu achei o projeto incrível e merece todo o apoio e conscientização. Precisamos incentivar o autoexame, a investigação e diagnóstico precoce da doença.

David Jay1

David Jay, consegue retratar de maneira muito mais realista a luta contra o câncer de mama, e os desafios que ele traz às mulheres.

Parabéns pelo projeto, niteroienses e cariocas, aproveitem a oportunidade de apoiar essa iniciativa!O Espartilho não poderia deixar de apoiar este projeto e levantar uma bandeira tão importante!

Quando? 10 de outubro a 02 de novembro de 2014

Onde? Museu de Arte Contemporânea de Niterói (MAC)

Endereço: Mirante da Boa Viagem, s/nº. Niterói, RJ  • Tel: (21) 2620-2400 • Fax (21) 2620-2481

As horas

Posted in Comportamento, Cultura e Arte with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on março 15, 2014 by Psiquê

115190,362,80,0,0,362,271,0,0,0,0

Hoje assisti ao filme As horas, e consegui entender as inúmeras excelentes recomendações que recebi da obra. O filme é excepcional, envolvente, emocionante e mexe com algo com o que nem sempre sabemos lidar: as emoções, os relacionamentos e a morte.

O filme fala da depressão e da maneira como se convive e se trata da mesma em diferentes cortes temporais: anos 20, anos 40 e século XXI. Um boa análise sobre a obra pode ser encontrada no site Omelete, leia As horas: o impacto da cultura na depressão.

“As três mulheres de As horas mostram o histórico de um modelo que, cada vez mais, é respeitado, embora antigo, repetido e, durante grande parte das últimas décadas, desprezado. É uma proposta de entendimento do sofrimento psíquico, uma invenção da medicina para concebê-lo, entendê-lo e tratá-lo. Parece simples, não?”

richard

“Cabe ainda uma última observação: é através do homem deprimido que estas mulheres falam. O masculino é o que age de maneira inexorável, frágil e vulnerável em seu insuportável sofrimento e visão de mundo. Com ele, saltam pela janela toda a esperança masculina de redenção e, no ato histérico de desaparecer, no dia de sua homenagem, fere a única mulher que ainda o ama e é sua amiga.”

20070803-as horas

As Horas, baseia-se no livro de Michael Cunningham, que, por sua vez, se inspirou no romance “Mrs. Dalloway” de Virginia Woolf. O enredo trata da história de três mulheres que carregam em suas vidas muitos sentimentos em comum, como a insatisfação e o fracasso.

São retratos de vidas em épocas diferentes, que se entrelaçam através de um livro, “Mrs. Dalloway”. É um filme de alma feminina, onde, nos artifícios da trama, outras mulheres se reconhecem no drama existencial de cada uma das personagens, humanizando assim o lado da ficção. Uma mulher que gostaria de ser uma personagem de um romance, uma que o escreve (a própria Virgínia Woolf), outra que o vive.

laura

Acompanhamos, dessa forma, um dia na vida dessas três mulheres. São três histórias em espaços temporais distintos, mas intercaladas na narrativa. Virginia Woolf é a escritora do livro, que afastada da vida agitada de Londres por seu marido, a conselho médico, percebe-se a cada dia, mais infeliz e amargurada. A mesma, é retratada na altura em que escreve o livro em questão, onde seus conflitos internos são repassados para a obra, inclusive o suicídio. A segunda mulher é Laura, dona de casa, esposa e mãe. Laura encontra-se desesperada dentro de um casamento onde os sentimentos são artificiais, pois embora viva num ambiente de tranquilidade e aparente felicidade, se sente vazia e cogita a morte para escapar da realidade da sua vida medíocre; ela está a ler o livro de Virgínia Woolf, o qual reforça sua ideia de evasão e suicídio. A terceira é Clarissa, uma bem sucedida editora, mulher cosmopolita do século XXI, vive um relacionamento lésbico de longa data e se identifica paradoxalmente com Mrs. Dalloway. Tudo o que Clarissa deseja no momento é que sua festa em comemoração a atribuição de um importante prêmio à obra poética de Richard, seu melhor amigo e ex-amante dê certo. Richard encontra-se debilitado pela AIDS e vive fechado em um apartamento frio e sujo. No meio dos preparativos, Clarissa pressente o vazio daquela arrumação fútil e o peso das horas.

123.tif

Uma das cenas iniciais do filme mostra as três mulheres se levantando ao amanhecer, concomitantemente, quando Virgínia escreve, Laura lê e Clarissa fala a mesma frase: “acho que eu mesma vou comprar as flores”, e uma outra cena onde vemos o suicídio de Virgínia, retratado de forma simbólica, mas muito forte. Com isso, percebemos que “cria-se logo no início da narrativa de Wollf, um paralelismo entre Celebração e desencanto, festa e morte” (AZEREDO, 2004).

O desespero das três mulheres vai crescendo com o passar das horas, horas sempre iguais, horas sem nenhuma esperança de mudança, sem nenhuma ansiedade, só a ansiedade provocada pelo nada. Solidão, infelicidade, doença, identidade e realização sexual (nas três tramas as personagens beijam outra mulher na boca), e principalmente a morte.

As lutas e sofrimentos vivenciados pelas três mulheres são universais. As horas… os momentos… as decisões que tomamos. Talvez nos encontremos nas situações extremas de cada uma das personagens; cada uma delas lutando para dar um sentido à suas existências e ser simplesmente feliz. Três mulheres presas no tempo e no espaço, nos seus próprios espaços, nas suas vidas. Ao ser levantado o tema da morte, das escolhas, da sexualidade, das decisões, vemos que as personagens descobrem que nem sempre a vida é aquela que esperamos, nem sempre as horas são diferentes. O que são essas horas até perceberem que as perderam para sempre?

A emoção limite, que nos leva a tomar decisões e fazer escolhas que modificam a nossa vida para sempre. Vale a pena assistir!

Outubro Rosa 2013

Posted in Comportamento, Saúde with tags , , , , , , , , , , , on outubro 14, 2013 by Psiquê

Imagem

Todos os anos, em outubro celebramos o mês de prevenção ao Câncer de Mama, campanha que é internacionalmente conhecida como Outubro Rosa. Já falamos sobre esta campanha aqui, em 2010, mas vale a pena voltar ao tema, dada a importância do mesmo.

Como já dissemos aqui: o combate ao câncer de mama já se faz presente há muitos anos no Brasil, poucas pessoas sabem, mas se o câncer de mama for descoberto em fase inicial, às chances de encontrar um diagnóstico precoce e aumentar as chances de cura são bem mais animadoras. Portanto o câncer de mama tem cura, mas só poderá ser feita se for em fase inicial, dai então a importância de está sempre verificando através de exames de rotina.

Abrace esta causa!

Outubro Rosa 2010

Posted in Comportamento, Estética e Beleza, Saúde with tags , , , , , , , , , , , , on outubro 24, 2010 by Psiquê

Todos os meses, jornais e agências de notícias apresentam novos estudos sobre como evitar o câncer de mama e, principalmente, de que formas tratá-lo. Em outubro, pelo terceiro ano consecutivo, a blogosfera se une para promover a Campanha Outubro Rosa, que há dez anos dedica o mês inteiro para campanhas de prevenção e conscientização, com ações no mundo todo.

Neste mês fiz, pela primeira vez, uma mamografia. Completei 30 anos e o ginecologista no check up periódico resolveu incluir  a dita cuja na listade exames solicitados. Ele alegou que apesar da importância do autoexame, a mamografia e a ultrasonografia são insubistituíveis para detectar algum nódulo ou agente estranho. Então lá fui eu fazer o exame .

Mulheres de todas as idadevisitem seu médico e façam os exames solicitados!

É possível encontrar no site Mulher Consciente e no site da FEMAMA – Federação de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da mama, algumas das programações e reflexões sobre o tema que estão acontecendo durante esse mês de outubro.

Já falamos desse movimento aqui no Espartilho em algumas ocasiões. Para quem quiser recordar:

Outubro: concientização contra o câncer de mama (2008)

Mulher consciente contra o câncer de mama: o Esparitlho apoia! (2009)

Quem também fez um post bem bacana sobre o tema e listou alguns dos blogs envolvidos nessa campanha foi a Sam Shiraishi, do A vida como a vida quer.

Quem ama cuida.

Posted in Comportamento, Saúde, Sexo with tags , , , , , , , , , , , on fevereiro 21, 2008 by Psiquê

homem.jpg

Assintindo o programa da TV Record,  Hoje em Dia acabei mudando completamente o tema do post de hoje. Resolvi escrever sobre um tema de grande importância para os homens, acreditando que o público do Espartilho – homens e mulheres – devem atentar para essa questão grave.

O doutor Paulo Egydio (urologista), foi convidado ao programa para falar sobre Próstata. Em 2008, a previsão é de 500 mil novos casos de câncer no Brasil. A maioria será de pele, em seguida serão os de próstata e de mama com 50 mil novos casos cada um. Estima-se que 1 a cada 6 homens sofram coma doença.

Pode-se diagnosticar a doença por exame de sangue e exame de toque – o que assussta muitos homens por preconceito. São 50 mil novos casos por ano diagnosticados pelo exame de toque. A cura, entretanto, pode ser alcançada em 90% dos casos, principalmente se diagnosticados em sua fase inicial. Mas para isso, é preciso ir ao médico regularmente.

O que mais me chamou atenção foi a frase do médico Paulo Egydio, em que destacou o seguinte problema: as mães levam suas filhas ao ginecologista bem cedo, mas os pais não levam os filhos ao urologista desde cedo e com isso doenças mais simples como a varicocele (varizes no testículo), por exemplo, que muitas vezes são desenvolvidas na adolescência (15% dos casos), só são detectadas muito tarde. O diagnóstico preventivo pode tratar o problema tranqüilamente sem que se chegue aos 30 anos e o homem tenha que passar por vários estresses para engravidar sua parceira, por exemplo.

O toque funciona como o toque nas mamas que as mulheres desde cedo fazem quando visitam o ginecologista. O urologista deve ser o médico de referência do homem como a mulher tem um ginecologista como médico de referência.

Outra informação que surpreendeu foi um caso em que o paciente sentia dores na coluna, tomou analgésico e quando foi ao urologista estava com câncer de próstata metastásico, pois o primeiro lugar que ele espalha é para os ossos. Só que ele nunca tinha feito exame antes.

Deve-se instituir no homem a necessidade de fazer exame urológico, mesmo sem sintomas. Para examinar testículo, varicocele e câncer, entre outros.  Vários casos de câncer de próstata no início, não apresentam sintomas e podem ser curados se detectados com antecedência.

Mulheres incentivem os homens de sua vida a visitar o urologista regularmente como nós visitamos o ginecologista. Mães/Pais levem seus filhos desde cedo ao médico, assim como levam suas filhas ao ginecologista.

Importante: a maior incidência de câncer de próstata está nos países desenvolvidos e principalmente em função de alimentação rica em gordura. Portanto, mantenham uma alimentação balanceada com pouca gordura e rica em produtos com licopeno, presente em frutas vermelhas: tomate, goiaba, melancia, etc. O selênio também previne e está presente na castanha do pará.

Para saber mais sobre: Varicocele ; PróstataInfertilidade Masculina

Adoçante: vilão ou amigo?

Posted in Estética e Beleza, Saúde with tags , , , , , , , , , , on fevereiro 14, 2008 by Psiquê

47309_29638.jpg

Esta semana fui bombardeada com alertas: olha cuidado com o adoçante artificial ele faz mal, ele engorda, ele é perigoso.

Em dezembro, depois de ler o livro Magra e Poderosa, das modelos Rory Freedman e Kim Barnquin fiquei um pouco apavorada. O livro pode ser um alerta para maus hábitos alimentares, mas é um tanto panfletário. As autoras alertam, entre várias outras coisas, para os perigos dos adoçantes artificiais e do açúcar refinado para o organismo.

Para reforçar as teses sobre os perigos desse aliado da dieta alimentar, alguns amigos “naturebas” alertaram para os benefícios de usar os açúcares naturais como o mascavo. Para piorar a imprensa divulgou recentemente os perigos do adoçante e a possibilidade deste ser um fator de engorda, é possível uma coisa dessas?

Segundo pesquisadores da Universidade de Purdue, Indiana, nos Estados Unidos, a sacarina (adoçante artificial comum em refrigerantes), pode provocar o aumento de peso, pela incitação à ingestão de quantidades maiores de calorias. O produto prepara o sistema digestivo para a ingestão de alimentos calóricos e se esses não são consumidos o organismo fica desregulado pedindo mais comida. 

A pesquisa foi realizada em ratos alimentados com iogurtes adoçados com sacarina e outros com açúcar. Os primeiros ingeriram mais calorias do que os segundos e seu aumento de peso foi superior em 20%. Susan Swithers, uma das autoras da pesquisa, revelou ainda que as experiências indicam que o aspartame e o acessulfame K podem ter o mesmo efeito da sacarina.

Há vários outros alertas contra o uso indiscriminado de adoçantes artificiais. Segundo o livro Alimentos Orgânicos de Elaine de Azevedo:

“É importante mencionar o perigo dos adoçantes artificiais ou edulcorantes – a sacarina, o ciclamato e o aspartame – cujo uso é incentivado indiscriminadamente na mídia pela indústria farmacêutica. (…) as propagandas ignoram a ação tóxica dos adoçantes artificiais e as repercussões do seu uso na saúde humana. O aspartame é uma neurotoxina, ou seja, uma droga que destrói o sistema nervoso e o cérebro. Sua molécula tem três componentes: o ácido aspártico, a fenilalanina e o metanol. O ácido aspártico causa lesões cerebrais em experiência com animais. A fenilalanina existente no aspartame é neurotóxica, quando isolada dos outros aminoácidos das proteínas. Facilita a ocorrência de ataques epiléticos e bloqueia a produção de serotonina, que é uma das substâncias existentes no cérebro para regular o sono. Níveis baixos de serotonina, além de insônia, provocam depressão, angústia e alterações no humor. O metanol, depois de ingerido, converte-se em formalteído e ácido fórmico (que compõe o veneno das picadas da formigas). O formaldeído também é uma neurotoxina de ação cancerígina e faz parte do mesmo grupo das drogas como cianeto e arsênico”.

O oncologista Dr. Juvenal Antunes Oliveira Filho, alerta que o uso constante de adoçantes artificiais pode criar problemas para o organismo, incluindo o aparecimento e agravamento de tumores em vários órgãos. Os ciclamatos foram proibidos nos EUA, mas continuam sendo vendidos livremente no Brasil.

Nos anos 70, o Ministério da Saúde brasileiro proibiu a comercialização da sacarina, quando pesquisadores norte-americanos alardearam que esse adoçante poderia provocar câncer da bexiga em ratos. O câncer de bexiga é o segundo de maior incidência dos órgãos urogenitais no público masculino, perdendo apenas para o de próstata e representando 3% do total de tumores no Brasil.

Segundo Oliveira Filho, o aspartame pode estar relacionado com o desenvolvimento da doença de Alzheimer e de tumores cerebrais, cuja incidência tem crescido significativamente, embora não exista prova concreta dessa relação em ambas as doenças (Oncocamp, 2004).

Leaderer (1991) desenvolveu estudos que mostram que o ciclamato, o aspartame e a sacarina usados em produtos light causam câncer de bexiga em cobaias.

Para saber mais sobre cada adoçante.

Não fique apavorado! Passe a usar doses controladas de adoçante, caso seu problema seja o diabetes, e siga a dieta que seu médico recomendou. Caso queira apenas controlar de peso, procure um médico e tente optar pela ingestão controlada de açúcares naturais e mel, no lugar dos adoçantes artificiais.