Arquivo para colesterol ruim

Eu só quero Chocolate…

Posted in Estética e Beleza, Saúde with tags , , , , , , , , , , , , , on março 20, 2008 by Psiquê

checkmezov-mikhail-m_chec.jpg

Photo by Mikhail Checkmezov

Para minha alegria e das companheiras chocólatras (Thaís, Mari, Adri, Gabi) lá vai uma ótima notícia que ouvi no rádio ontem: o chocolate preto (especialmente o amargo), em doses pequenas diárias, é bom para a saúde, alivia o estresse, os sintomas da TPM, cura tosses e aumenta a longevidade. Podem acreditar nisso?

Segundo estudo do King’s College, em Londres, 50 gramas de chocolate contém a mesma quantidade de flavonóides que 6 maçãs, 2 taças de vinho ou 7 cebolas. E os flavonóides foram apontados como importantes no combate aos radiciais livres, tendo propriedades essenciais que ajudam a manter a saúde cardiovascular.

O reconhecimento das propriedades do cacau não é novo. Desde o século XVI, padres espanhóis reconheciam os valores nutricionais das bebidas a base de cacau ingeridas pelos maias, como substituto nutricional. Em 2004, cientistas norte-americanos reconheceram na National Academy of Sciences que o cacau é eficaz em manter a pressão arterial baixa, o que foi constatado estudando os hábitos dos índios Kuna, na costa do Panamá. Os nativos tinham por hábito comer grandes quantidades cacau, rico em flavonóides. Ao natural os benefícios eram maiores, quando processados os produtos perdiam um pouco dessas propriedades.

A opção mais saudável é o chocolate preto, com 70% de cacau. Não adianta comer o branco, que na minha opinião nem chocolate é, pois ele não contém cacau. E os benefícios supra-citados são provenientes do cacau.

Outros benefícios creditados à ingestão moderada e diária de cacau:

  • bom para a prevenção de trombose venosa durante vôos, já que os efeitos anti-coagulantes de pequenas quantidades de chocolate (rico em cacau) são semelhantes aos da aspirina, segundo o professor Cate Keen, of the University of California;
  • reduz níveis de colesterol ruim (LDL). Estudos da Penn State University, constataram que a dieta rica em chocolates apresenta níveis de anti-oxidantes mais elevados no sangue e níveis mais baixos de colesterol LDL, o tipo que é vinculado a entupimento das artérias e doenças cardíacas;
  • melhora na pressão arterial. Estudo relatado na New York to the American Society of Hypertension revela que os flavonóides do cacau agem sobre uma enzima chamada óxido nítrico sintase (nitric oxide synthase) que ajuda a dilatar os vasos sanguíneos, melhorar as funções renais e diminuir a pressão arterial;
  • curam tosse. Segundo a Imperial College London a teobromina (theobromine), ingrediente-chave do chocolate, é três vezes mais eficiente que a codeina (codeine), usado em analgésicos e morfina, quando usado para curar tosses e resfriados. A teobromina trabalha suprimindo as atividades dos nervos vagus ou pneumogástrico que causa a tosse e ainda por cima não produz efeitos adversos nos sistemas nervoso central e cardiovascular;
  • droga do amor. Os chocolates contém a droga tryptophan, que o cérebro usa como neurotransmissor para produzir serotonina, cuja incidência no cérebro é vinculada à sensação de felicidade, satisfação. O chocolate também contém pequenas quantidades de feniletilamina (phenylethylamine), que está vinculada a sensações de atração e excitação no centro de prazer do cérebro, semelhantes aos que se atinge durante o orgasmo.

CUIDADO COM OS EXCESSOS. Claro que O CONSUMO DE CHOCOLATE deve ser combinado com hábitos saudáveis, prática de exercícios físicos, dieta balanceada, ingestão de muito líquido – aquelas coisas mais que estamos acostumadas a ver por aqui.

Lembre-se que uma barra pequena pode conter 1/4 das calorias diárias recomendadas para a dieta de uma mulher e a substância contém gorduras saturadas que contribuem para doenças cardiovasculares.

Para consumo diário sem comprometer sua dieta, prefira as variedades de chocolate preto (meio amargo) que tenham 70% de cacau sólido e verifique se contém baixos níveis de manteiga de cacau.

Fonte: Chocolate Medicine