Arquivo para comércio

L’Apollonide

Posted in Comportamento, Erotismo with tags , , , , , , , , , , , , , , , , on abril 9, 2012 by Psiquê

Eu estava há semanas na expectativa de ver L’Apollonide no cinema, mas uma série de desencontros quase me fez perder tal oportunidade… Ontem, quando já sem esperanças saía do Estação Sesc Rio, onde a sessão das 18h45 não existia mais, fui, apenas como por insistência, ao Estação Sesc Botafogo, e, eis que me deparo com ele lá, em cartaz às 19h40. Confesso que fiquei muito feliz e me dispus a esperar mais de 1 hora pela sessão.

Como amante da estética do final do século XIX e início dos anos XX, não podia deixar de assistir ao filme. As cenas são lindas, os espartilhos e roupas deslumbrantes, uma sensualidade a flor da pele. E aqui estou eu, admirada. Confesso que o filme me surpreendeu, não esperava que fosse uma análise social da prostituição e que além de encantar com suas imagens, faz uma crítica e uma abordagem fantástica. A começar pelo padrão com que as prostitutas se referem ao seu trabalho ao chamar os clientes: “Vamos fazer comércio?”.  Trata-se de uma relação econômica, com análise social sobre as perdas e ganhos de cada uma, bem como a visão delas sobre seus clientes e dos mesmos sobre elas. Recomendo!

Quem mais já falou sobre o filme:

Às Moscas

Festival Cannes

Trailer

Sobre ser feliz…

Posted in Comportamento with tags , , , , , , , , , , , on maio 28, 2008 by Psiquê

Photo by Rudi Mentaer

Hoje, lendo a Revista UMA deste mês, li a entrevista com a psicóloga Márcia Tiburi (do Saia Justa, GNT), aliás a melhor de todas as apresentadoras daquele programa (que particularmente acho chato!). Ela acaba de lançar o livro Filosofia em Comum – para ler junto (Editora Record). Obviamente, ainda não li o livro, mas é dela uma frase na entrevista que me inspirou a escrever esse post.

” A felicidade é uma palavra que se tornou quase um jargão publicitário. ‘A chave da felicidade’, ‘A felicidade ao seu alcance’. O problema com a publicidade é que uma palavra inventada na era Hitler, é que ela tem como princípio vender; e felicidade não pode ser comprada como artefato, nem como conceito. Ser feliz deveria ser descobrir a sua forma individual de viver em harmonia com seu tempo e seu espaço. E para isso não há fórmulas“. BINGO!!! Disse tudo não? Adorei a resposta de Tiburi. Como sempre, mandou bem!

Mais adiante UMA pergunta a ela sobre a insatisfação feminina e mais uma vez Tiburi ressalta que a lógica da insatisfação não é feminina, mas está implicitamente ligada à estrutura de mercado em que vivemos.Yes! Yes! Mandou bem de novo! A insatistação eterna, é algo que nos foi estabelecido pelo modelo de sociedade fugaz, consumista e temporária em que vivemos!

Nas palavras de Tiburi: “A insatisfação é parte da estrutura de mercado na qual estamos inseridos. Não podemos nos enganar quanto a isso. Ver o universo da vida se transformando em puro comércio, nos trouxe uma ansiedade sem par. O poder não se ganha, se toma e, depois, para ser melhorado, pode ser compartilhado. E a mulher de hoje já percebeu isso”.

Quando indagada sobre como a filosofia pode ajudar as pessoas a se auto-conhecerem, Tiburi, alerta que: “A fisolosia sustenta a busca pelo autoconhecimento como meta. A meta é a própria busca, e não a certeza. Essa última é a morte da filosofia. A única certeza sobre a vida é essa procura, o processo pelo qual se passa a viver. Isso não quer dizer que há uma certeza sobre si, mas um jeito de tentar saber de si. As pessoas que procuram conhecer a si mesmas acabam descobrindo mundos externos. A riqueza pessoal de cada um vem daquilo que ele buscou. Cada um se torna o que contempla, já dizia Confúcio.”

A apresentadora ainda faz uma diferenciação entre auto-ajuda e filosofia, alertando que a primeira busca dar respostas enquanto a segunda ensina a fazer perguntas, que promovendo um exercício de incerteza leve todos a pensar por conta própria. “Com isso cada um pode conseguir liberdade e, conseqüentemente, tornar-se responsável pelo que pensa e lúcido sobre o que faz”.

Fica, então a dica de leitura e a partilha de algumas idéias de Marcia Tiburi com as quais concordo.