Arquivo para elegância

#Lingerie

Posted in Comportamento, Moda with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on novembro 5, 2014 by Psiquê

333477547377830852_IF6TZjyp_c

Hoje um livrinho me foi apresentado e na hora pensei no Espartilho. Trata-se de um livro sobre Lingerie, com foco no Polo de Moda Íntima de Nova Friburgo, hoje transformado no Arranjo Produtivo Local (APL) da região serrada do estado do Rio de Janeiro – Nova Friburgo, responsável por grande parte da produção de lingerie do Brasil e do Estado.

O livro intitulado #lingerie, pode ser lido aqui.

O documento, publicado pelo SENAI Moda Design é bem estruturadinho, com ilustrações fofas e traça um panorama da evolução da lingerie ao longo dos anos 1900 e 2000.

Os anos 1900, início do século XX, o uso de Espartilhos, comuns naquele momento, acabam por sofrer resistência…

1900 – “O mundo moderno da Belle Époque se mantinha vitoriano quando o assunto era o espartilho – corset em francês –, embora a própria rainha Vitória tivesse acabado de morrer. Não que os espartilhos não tivessem opositores. Apertados ao extremo com cordões e estruturados com hastes metálicas e barbatanas de baleia, restringiam enormemente os movimentos das mulheres. Médicos debatiam seus efeitos fisiológicos. O feminismo nascente o denunciava como uma injustiça social. Reformistas do vestuário, como o pintor austríaco Gustav Klimt, criavam vestes largas sem eles. Em 1906, a consagrada estilista francesa Madame Paquin propôs vaporosos vestidos império, com o corte marcado abaixo do busto. Mas foi seu conterrâneo, Paul Poiret, que entrou na história da moda como o responsável pela abolição do espartilho.”

1920 – “Com o fim da guerra, novas atitudes de afirmação social e sedução desnudaram os ombros
e as costas da mulher emancipada, e tornaram o busto achatado e baixo. A cintura marcada desapareceu, em favor de uma postura moderna provocantemente andrógina. (…) Na década em que as mulheres queriam ser modernas, e a modernidade se associava à funcionalidade, Coco Chanel criou roupas com formas geométricas em jérsei, material que até então só era usado como forro ou na fabricação de roupas de baixo. A estilista francesa não só promoveu o tecido a ícone de sua moda, como agregou elegância simples a modelitos confortáveis e fáceis de usar.

Novas transformações:

1930 – “Em contrapartida, a prática de exercícios e a busca pelo lazer ao ar livre viraram uma mania, com repercussões para a exposição das costas, em decotes profundos. Os esportes mais procurados eram a equitação, o ciclismo, o golfe e principalmente o tênis. E por baixo dos trajes esportivos, as calças imitavam bermudas em tecido bem leve. O atributo de sustentação do busto era destacado nas campanhas publicitárias de sutiãs. Mas, além de sustentarem, eles também modelavam, produzindo efeitos mais naturais, e privilegiavam a separação dos seios.”

Estes são alguns trechos do livro, que pode ser lido na íntegra quando quiserem no link acima.

Bjos, meus amores!

Audrey Hepburn

Posted in Comportamento, Curiosidades with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on julho 6, 2010 by Psiquê

Audrey Hepburn foi considerada, a príncípio, uma garota “alta, ossuda, de pés excessivamente grandes para se tornar uma estrela”. Mas Audrey, mesmo vivendo na época em que as baixinhas, de curvas generosas, pés miúdos e olhos claros imperavam, soube usar os seus “defeitos” como seus dons e conquistar o mundo com seu lindo rosto, sua elegância e seus profundos olhos castanhos. Segundo o estilista Givenchy, Audrey era um ideal de elegância e uma inspiração para o trabalho dele. Além de um rosto bonito, Audrey era uma mulher humilde, gentil e charmosa, que preferia cuidar dos outros a seu redor do que de si mesma. Faleceu aos 63 anos, de câncer de cólon, mas será sempre a eterna “bonequinha de luxo”.

Eleita uma das mulheres mais belas de todos os tempos, Audrey Hepburn tem sua filmografia exibida na Mostra Audrey Básica a partir de hoje no Centro Cultural Banco do Brasil, no Rio de Janeiro.

O evento é gratuito que acontece de 6 a 11 de julho. A mostra tem incío com a exibição de “A Princesa e o Plebeu”, de 1953, estreia oficial de Hepburn no cinema. Inicialmente, seria Elizabeth Taylor a atriz cotada para o papel da jovem princesa entediada com a vida dentro do palácio. Impressionado pelo teste de Audrey, o diretor William Wyler colocou-a no filme gravado em Roma, onde a “princesa” conhece o jornalista interpretado por Gregory Peck e por ele se apaixona. Nessa produção, a atriz usou pela primeira vez nas telas uma combinação fashion que a imortalizaria: sapatilhas com calças corsário.

OS FILMES

A Princesa e o Plebeu | (Roman Holiday, 1953) De William Wyler, 118 min
Sabrina | (Sabrina,  1954) De Sameul  Taylor, 114 min
Guerra e Paz | (War and Peace, 1956). De King Vidor, 208 min.
Cinderela em Paris | (Funny Face, 1957) De Stanley Donen, 103 min
Bonequinha de Luxo | (Breakfast at Tiffany’s, 1961) De Blake Edwards, 114 min
My Fair Lady | (My fair lady, 1963) de George Cukor, 173 min
Quando Paris Alucina | (Paris When It Sizzles, 1964) De Richard Quine, 110 min

Delicie-se com a extensa programação de cinema em que a figura da mulher mais bela do século XX é apresentada.
06.07 (terça)
19h30 – “A Princesa e o Plebeu” (Roman Holiday, 1953), de William Wyler

07.07 (quarta)
19h30 – “Sabrina” (Sabrina, 1954), de Sameul Taylor

08.07 (quinta)
19h30 – “Cinderela em Paris” (Funny Face, 1957), de Stanley Donen

09.07 (sexta)
19h30 – “Bonequinha de Luxo” (Breakfast at Tiffany’s, 1961), de Blake Edwards

10.07 (sábado)
15h – “My Fair Lady” (My Fair Lady, 1963), de George Cukor
18h – “Guerra e Paz” (War and Peace, 1956), de King Vidor

11.07 (domingo)
18h30 – “Quando Paris Alucina” (Paris When It Sizzles, 1964), de Richard Quine

Serviço:
CCBB – Centro Cultural Banco do Brasil – Rio de Janeiro
Rua Primeiro de Março, 66 – Centro – (21) 3808 2007
Sala de Cinema 1 – Lotação: 102 lugares

Veja também:

Audrey Hepburn – a bela do século

Mostra sobre Audrey Hepburn no Rio

Site oficial de Audrey Hepburn

Luiza Brunet

Posted in Curiosidades with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , on abril 28, 2010 by Psiquê

Luiza Brunet

Quando eu era pequena, as vizinhas da minha avó diziam que eu tinha a beleza da Luiza Brunet. Quando comecei a namorar meu marido, um casal de amigos meus se referiu a mim como “nossa Luiza Brunet”. No que diz respeito à beleza da Luiza fico lisonjeada com as comparações. A Luiza é mesmo linda e elegantérrima! Claro que tenho minhas restrições em relação a sua maneira de falar (às vezes meio chatinha) e a sua atuação em novelas (nada que um treino não ajude a melhorar), mas isso não afeta em nada sua beleza, sua discrição e elegância. Neste ano, como rainha da bateria da Imperatriz Leopoldinense ela estava um deslumbre, que corpaço!!!

Morena, com uma beleza tipicamente brasileira, Luiza nasceu no Mato Grosso, mas foi para o Rio ainda pequena. Em algumas entrevistas ela revela que a nova forma inclui caminhadas diárias na praia, musculação três vezes por semana, dieta ortomolecular, drenagem linfática e usa protetor solar no rosto direto, desde os 25 anos.

Luiza já foi até tema de livro, veja em Luiza Brunet, uma mulher brasileira. Do SENAC Rio.

Entrevistas:

Luiza Brunet, 47 anos, beleza à prova do tempo

Close: Luiza Brunet

Luiza Brunet conta o que faz para continuar linda

Outros:

Site oficial da Luiza Brunet

Perfil Luiza Brunet Feminíssima

Luiza Brunet

Setembro: Mês de Virgem

Posted in Comportamento with tags , , , , , , , , , , , , , , on setembro 9, 2008 by Psiquê

Photo by fmk photodesign

Segundo as previsões de NOVA para o signo mais feminino do zodíaco (tudo bem estou puxando brasa paraa minha sardinha!), os sinais vitais de VIRGEM (23/08 a 22/09) são:

  1. Pontos fortes: objetividade e organização;
  2. Pontos fracos: implicância e apego a detalhes;
  3. Apelo erótico: seu temperamento misterioso desperta a libido dos homens;

Atividade que precisa fazer até seu aniversário de 2009: Nos próximos meses trate de curtir a vida no que ela tem de melhor. Em 2009, você irá trabalhar bastante e ganhar mais!

Mais dicas de VIRGEM:

Você é objetiva e sente prazer em ajudar os outros. Rápida e perspicaz, tem espírito crítico e dificilmente se ilude com amigos ou com o namorado.

  • CARREIRA: Organizada, competente e perfeccionista, você nasceu para ter êxito. Tende a se sair bem como secretária, economista, administradora, veterinária, médica, farmacêutica, biológa ou nutricionista.
  • AMOR: Sua discrição e elegância atraem como ímã os homens ao redor. É que , por trás da aparente timidez, a virginiana esconde uma libido para lá de incendiária. A vida a dois correrá às mil maravilhas se você conseguir ser mais flexível e não implicar tanto com o amado.
  • CONSELHO CÓSMICO: A atitude esperta é ver além da superfície.

Chique é ser você!

Posted in Comportamento with tags , , , , , on janeiro 10, 2008 by Psiquê

amante-das-imagens-14.jpg

Via Amante das Imagens

Chique é ser você!

Foi com essa frase que a revista Gloss desse mês começou um bate-papo entre Costanza Pascolato e Mariana Weickert. O que me chamou atenção foi exatamente essa frase inicial, pois tem muito a ver com o que acredito. Não creio que haja fórmulas próprias para o “chiquê”, a modernidade, mas as pessoas devem estar de acordo com o seu próprio estilo, com aquilo que combina com si mesmo.

Nas palavras da Costanza: “O estilo é a escolha que se faz durante a vida inteira de coisas que combinam com você. Isso é ter elegância.” A dificuldade das pessoas em enxergar isso é que as leva tentar se enquadrar em padrões considerados adequados, mas que fogem completamente àquilo que combina com cada um: pode ser uma cor, um estilo de roupa, o tipo físico diferente, a personalidade: cada pessoa é única e nem tudo o que combina com um pode cair bem no outro. Personalidade é tudo e seu estilo próprio e respeito e adequação a este é que garantirá sua elegância.

A palavra, portanto, é personalidade, acompanhada de uma boa dose de auto-estima e amor próprio.  Você pode ter seu estilo único de elegância e beleza, basta olhar para si e identificar aquilo que o faz se sentir bem, leve, belo, e feliz. Fuja das imposições, busque um caminho próprio!

Obrigada por visitar o Espartilho e até a próxima.