Arquivo para emoções

Assuma o controle da sua vida!

Posted in Comportamento with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on novembro 8, 2013 by Psiquê

Imagem

“De maneira geral, qualquer indivíduo deve muito pouco ao que trouxe consigo ao nascer – o indivíduo é aquilo que faz de si mesmo” – Alexander Graham Bell

Eu recomendo fortemente a leitura do livro Metas, de Brian Tracy, o qual subestimei achando que poderia ser mais do mesmo…

Ontem recebi a recomendação de ler o 2º capítulo do livro, intitulado, Assuma o controle da sua vida. Eu realmente me surpreendi com o que li. O livro está esgotado em algumas livrarias, logo, procurei e comprei no Estante Virtual, e espero que o restante da obra me surpreenda da mesma forma.

O texto fala sobre a necessidade de assumirmos a responsabilidade sobre todas as coisas que acontecem e virão a acontecer conosco. Se quisermos que nossa vida mude, nós temos que mudar, pois só depende de nós mesmos.

Os nossos piores inimigos são nossas emoções negativas, as quais drenam nossa energia e nossa alegria de viver. E o autor recomenda, que uma das metas mais importantes para sermos verdadeiramente felizes e bem-sucedidos, é libertar-nos das emoções negativas. As emoções negativas do medo, da autocomiseração, da inveja, do ciúme, dos sentimentos de inferioridade e, em última análise da raiva são causadas basicamente por quatro fatores, lembra o autor.

1. Justificação – se você não justificar a sua negatividade, não poderá ficar com raiva;

2. Racionalização – a racionalização e a justificação exigem que você sempre identifique alguém ou alguma coisa como a fonte ou a causa do seu problema;

3. Hipersensibilidade em relação à maneira como os outros o tratam – mantenha-se acima da opinião dos outros.

4. Livre-se da propensão de culpar os outros por seus problemas.

O antídoto para todos os tipos de emoções negativas é aceitar a total responsabilidade por sua situação. (…) Assumindo total responsabilidade, é que pode começar a estabelecer e alcançar metas em todas as áreas da sua vida.Somente quando for livre, mental e emocionalmente, poderá começar a canalizar suas energias e seu entusiasmo em uma direção que aponte para a frente.”

Ninguém pode fazê-lo sentir-se inferior se você não permitir.” Eleanor Roosevelt

E o ponto mais importante: controle suas emoções!

“Para manter sua mente positiva, recuse-se a criticar, a fazer queixas e a condenar as outras pessoas por qualquer coisa. Toda vez que você critica alguém, se queixa de alguma coisa que não lhe agrada ou condena alguém por algo que tenha feito ou deixado de fazer, você desencadeia sentimentos de negatividade e raiva em si mesmo. E é você quem sofre. A sua negatividade não afeta, em absoluto, a outra pessoa.  Sentir raiva de alguém é permitir que esta pessoa controle suas emoções a distância e, não raro, a qualidade de sua vida em geral. O que é, simplesmente, uma burrice.”

Já as emoções positivas conferem poder, enquanto as negativas tiram poder.

Anúncios

Buscar o autoconhecimento…

Posted in Comportamento with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on abril 23, 2013 by Psiquê

Autoconhecimento

A matéria do portal Uol: Investir no autoconhecimento é abrir as portas para a evolução pessoal pareceu de grande valia para pensarmos um pouco sobre a busca do autoconhecimento que tanto me atrai e julgo necessária a todos os seres humanos. O texto é assinado por Rosana Faria de Freitas e traz dicas superlegais para pensarmos um pouco. Claro que cada um vai buscar seu próprio caminho, na meditação, na dança, na ioga, na natação, na terapia, uma leitura, uma viagem, um curso, mas existem ações combinadas que podem ajudar muito. Eu venho experimentando canais diversos, para buscar me conhecer melhor. Leia a matéria que compartilho abaixo e tente identificar o que mais funciona para você. No link acima, você também encontra um teste com 25 perguntas que vale a pena responder.

“Os tempos modernos trouxeram alguns termos para a ordem do dia, como qualidade de vida, sustentabilidade e autoconhecimento. Esta última palavrinha reflete a intenção do homem de buscar, no seu interior, respostas e entendimentos para várias questões de si mesmo e da vida – e, dessa forma, evoluir.

O processo é mais do que válido, na opinião de médicos e terapeutas. “Quem conhece a si mesmo tende a valorizar mais a própria vida e fortalecer sua autoestima. Consequentemente, fica mais confiante e estável emocionalmente”, acredita Juliana Bento, psicóloga da Clínica de Especialidades Integrada, em São Paulo. O crescimento pessoal permite, ainda, que se tenha mais consciência em relação às vivências e, nesse aspecto, a pessoa se frustra menos e se torna pouco vulnerável e sujeita a manipulações.

Mas, atenção: é preciso buscar conhecer não apenas nossas qualidades, para que possamos valorizá-las e desenvolvê-las, como também nossos defeitos. Assim, será possível avaliar o que incomoda e precisa ser alterado ou transformado.

“É essencial encarar limitações, medos, inseguranças. Saber a respeito de si mesmo ajuda a superar dificuldades. E, mais que isso, favorece a tomada de decisões, sejam afetivas, profissionais ou até de questões simples como planejar uma viagem, decidir o que fazer no fim de semana, que livro ler”, salienta Cynthia Boscovich, psicóloga clínica e psicanalista.

O mundo de hoje, ela explica, requer que façamos escolhas o tempo todo e muito rapidamente. A própria globalização e a forma como as mudanças ocorrem leva a isso. “Quem não está preparado, sofre com ansiedade, angústia e até depressão.”

Coragem bem-vinda

É fato: se você se conhece, tem maior controle sobre suas ações e emoções. O resultado disso é mais equilíbrio e tranquilidade no cotidiano, o que traz benefícios em todos os sentidos – na vida pessoal e profissional, no convívio em sociedade. Mas investir no autoconhecimento exige disponibilidade para enfrentar tal processo, o que nem sempre é fácil.

“Às vezes, é penoso descobrir suas fraquezas, superar seus medos, desvendar seus defeitos. Aceitar o que é mais íntimo e, propositalmente, está ali esquecido, escondido”, reflete Marcella de Carvalho Almeida, com especialização em psicologia clínica e hospitalar, que atende profissionais de saúde do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo (USP) e do Hospital do Servidor Público, também em São Paulo.

Juliana Bento concorda. “O caminho para a busca interior tem seu início no estudo da experiência humana e na ânsia por conhecimento. Essa ‘pesquisa’, no entanto, deve ser feita sem preconceitos ou limitações. É preciso abrir os olhos para se enxergar, reconhecer o que gosta e não gosta, e o que pretende mudar ou desenvolver em si próprio.”

O QUE O AUTOCONHECIMENTO TRAZ

  • Controle sobre as emoções. A pessoa entende o que está sentindo, por que teve aquela reação, o que tal comportamento lhe trará de resultados
  • Segurança. “A partir do momento em que compreendo a mim mesmo, sinto-me mais seguro diante de qualquer situação”, diz Juliana Bento
  • Independência. O indivíduo que reconhece suas habilidades e fraquezas sabe se defender melhor. E, em algumas situações, fica imune à opinião alheia e não se deixa manipular. “Como consequência, frustra-se menos e não depende da aprovação do outro para tomar decisões”, reforça Bento. Insegurança, perfeccionismo e competitividade, na opinião da psicóloga, estão relacionados à distância de si mesmo. “Quem tem dificuldade para identificar suas qualidades, vacila antes de escolher que caminho trilhar, não se acha capaz de realizar tarefas complexas e prioriza a aprovação das pessoas em tudo o que faz”
  • Possibilidade de fazer boas escolhas. Quem se conhece profundamente e controla seus sentimentos e suas atitudes, tem competência para realizar grandes conquistas
  • Autoestima. Da mesma forma que admite seus pontos negativos, quem investe no autoconhecimento também se conscientiza do que carrega de positivo
  • Tolerância e consideração às diferenças. A autoanálise leva à compreensão da diversidade e pluralidade humana – e, dessa forma, o indivíduo se torna mais condescendente em relação a amigos, familiares, colegas de trabalho. “Certamente, a pessoa adquire uma visão mais abrangente e generosa do mundo”, diz Marcella de Carvalho Almeida
  • Respeito aos próprios limites. Fica mais fácil saber até onde ir, acreditando em sua capacidade sem ultrapassar o que lhe é inaceitável em um relacionamento, por exemplo. “O sujeito se sente menos frágil e mais forte para lidar com suas particularidades”, diz Almeida
  • Postura positiva e otimismo. Sem dúvida, a autoconfiança vem a reboque do autoconhecimento. E, se a pessoa está bem consigo mesma, demonstra isso para os outros e o mundo por meio de suas atitudes positivas, sua satisfação própria, seu bem-estar geral. “Há mais paz, serenidade e alegria”, diz Almeida
  • Predisposição para mudar e evoluir. Quem está disposto a se encarar com verdade tem mais chance de não desculpar os próprios erros, e sim aprender com eles. A partir daí, busca as razões do tropeço, tenta decifrar os sentimentos que estavam por trás dele, deixa que a dor ensine
  • Qualidade de vida. “Saber trabalhar defeitos e qualidades é uma vantagem, pois criamos uma barreira que nos afasta do que não nos faz bem. E, assim, conseguimos levar a vida com mais leveza e felicidade”, finaliza a psicóloga do Instituto do Coração

Veja, agora, dicas para chegar lá.

O QUE FAZER PARA SE CONHECER MELHOR

 

  • O autoconhecimento exige uma autoavaliação. Você precisa se voltar para si mesmo e perceber suas qualidades, seus defeitos, seus limites; o que o perturba, o que liga seu sinal de alerta, o que o deixa inseguro. Enfim, abrir as portas para fazer todas as perguntas possíveis e encarar todas as respostas
  • Caso sinta necessidade, vale recorrer a uma psicoterapia individual ou em grupo. “O processo analítico auxilia muito, pois permite perceber muito a respeito de si mesmo – o que talvez fosse mais demorado ou até impossível em uma tentativa solitária. A psicoterapia possibilita discutir as diversas situações da vida e relacioná-las à história pregressa de cada um, assim como planejar o futuro”, diz Cynthia Boscovich
  • Há diversos livros que facilitam abrir esse universo interno. Conversar com pessoas que, você acredita, estão no caminho certo, pode ser ótimo para obter dicas variadas, inclusive de que leituras priorizar
  • É possível fazer alguns exercícios para se ‘explorar’ melhor. “Pontuar suas características positivas, procurando desenvolvê-las, e também as negativas, para modificá-las, pode ser um bom começo”, sugere Juliana Bento
  • Integrar grupos de estudo focados no assunto também pode ser de grande valia. “Idem para iniciativas como meditação, ioga. Afinal, o autoconhecimento é fruto da introspecção”, considera Marcella de Carvalho Almeida
  • Qualquer experiência vivida pode ser enriquecedora e promover a autoanálise. Mas, para isso, é preciso estar com as antenas ligadas e receptivas. “Não importa o que a pessoa esteja fazendo: lendo um livro, praticando uma atividade física, encarando uma aventura radical: em toda situação, é possível crescer. Nas viagens, na paternidade e na maternidade, nos relacionamentos amorosos, frente a doenças, dores, angústias. Em resumo, em tudo que tiver relação com a vida”, atesta Cynthia Boscovich
  • Vale, ainda, se observar com verdade no dia a dia. Perceber sua atuação e seus sentimentos nas pequenas coisas, fuçando dentro de si mesmo e perscrutando cada detalhe de sua personalidade

Das paixões

Posted in Poesia Erótica with tags , , , , , , , , on janeiro 10, 2013 by Psiquê

679535_28

A nudez do teu corpo
é ideia que vaga solta
no campo da fantasia,
abre portas,
ressuscita sonhos
e incendeia
as minhas emoções.

(Autoria de Ademir Antonio Bacca)

Virgem e a atenção aos detalhes

Posted in esoterismo with tags , , , , , , , , , , , , , , , , on agosto 22, 2011 by Psiquê

By Al Li

Visitando o Personare hoje, deparei-me com uma verdadeira declaração de amor ao virginiano. E como virginiana legítima, não poderia deixar de partilhar com vocês.

Virgem, segundo signo de Terra, costuma ser interpretado de maneira rasa. Fala-se em geral apenas de sua capacidade crítica, que o torna figura essencial em muitos momentos e “chata” em tantos outros. Mas resumir Virgem à crítica constitui simplismo imperdoável, uma vez que o simbolismo deste signo nos remete a tantas outras coisas tão pertinentes quanto. Além disso, reclamar da capacidade crítica virginiana é um absurdo. O astrólogo Valdenir Benedetti (1951-2009), costumava insistir num ponto que, creio, é fundamental para o entendimento de quem estuda Astrologia: nós todos temos os doze signos dentro de nós. Ou seja, você – mesmo que não seja do signo astrológico de Virgem, não tenha o ascendente neste signo, ou nenhum outro ponto planetário no sexto signo – possui Virgem em alguma zona do seu mapa astral. Todos manifestamos qualidades (e defeitos) virginianos em alguma área e em algum momento de nossas vidas. Até porque, Virgem pode ser o ascendente de nossa Revolução Solar (mapa anual) em algum momento de nossas vidas.

O que acontece é que as pessoas que nasceram com o Sol no signo trópico de Virgem (em geral, nascidas entre os dias 23/8 e 23/9 – data que varia um pouco de ano para ano) possuem as características virginianas mais destacadas. O mesmo pode ser dito por quem tem o ascendente em Virgem ou a Lua neste signo, assim como o planeta Mercúrio em Virgem – já que este signo é o da regência noturna de Mercúrio, é onde o planeta alcança a intensidade de sua força.

PODER DE QUESTIONAMENTO

É em Virgem que a consciência é instada a ser mais meticulosa, detalhista e racional. Você já parou para pensar que a maior parte dos signos é representada por animais, mas Virgem é representado por um ser humano? A ideia desta representação é ilustrar que o sexto signo zodiacal é mais racional do que motivado por impulsos emocionais. É nele que a capacidade mental da lógica atinge seu máximo. E é onde o poder de questionamento é intensificado (coisa que ocorre também com Gêmeos, seu irmão planetário). E, justamente por ser tão questionador, o virginiano típico costuma ler as descrições feitas sobre seu signo, e reclama: “eu não sou tão organizado, nem tão racional, quem me dera ser!”. Aprendi a entender esta típica reclamação virginiana como uma irritação com o fato de ele não conseguir ser tão organizado e racional quanto gostaria. Porque, afinal, ele sempre acha que poderia ser mais. A autocrítica, em Virgem, é tão ou mais poderosa do que a crítica a coisas externas.

O fato é que os virginianos típicos são por demais preocupados com a ideia de controle. Controle das emoções, conhecimento e controle do corpo (daí a preocupação com alimentação e saúde, que em alguns tipos pode beirar a hipocondria). Só que, veja só você: sempre que estabelecemos um ritual cuidadoso, estamos ativando a força-Virgem que existe dentro de nós. Quando aprendemos a escovar os dentes todos os dias, isso é Virgem. Quando analisamos um determinado fato, medimos as alternativas e pensamos nas eventuais falhas, isso é Virgem. Pessoas sem grandes ativações planetárias no signo de Virgem (e em signos de Terra) costumam ter um problema sério: não traçam planos B. Virgem os traça, e por isso muitas vezes é chamado de “chato”: porque ele pensa no que pode dar errado. Pessoas supersticiosas costumam dizer que “pensar no que pode dar errado atrai o problema”. Não é bem assim. Há uma escola filosófica muito antiga, chamada “estoicismo”, que insistia na importância de antever os males possíveis. E Virgem parece ser um dos signos que melhor entende isso. Antevendo o que pode não dar certo, planos alternativos são estabelecidos. Sem a beleza do sexto signo zodiacal astrológico, a vida seria uma sucessão de trapalhadas insolúveis. Felizmente, para todos nós, Virgem existe.

Texto de autoria de Alexey Dodsworth.

Viva o agora

Posted in Comportamento with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on junho 10, 2010 by Psiquê

Essa semana alguém muito próximo perdeu um ente querido de maneira repentina. E, ao ver sua tristeza, meu desejo era de poder fazer algo que mudasse o curso da história ou que pudesse aliviar seu sofrimento. Infelizmente, não cabe a nós humanos tentar alterar o curso da vida de alguém. Esse é um trabalho para Deus!

Coincidentemente o texto abaixo que me sensibilizou e fez refletir o quanto precisamos viver o momento presente, o agora, curtir o que já temos e agradecer por isso…

Há Momentos 

Há momentos na vida em que sentimos tanto
a falta de alguém que o que mais queremos
é tirar esta pessoa de nossos sonhos
e abraçá-la.

Sonhe com aquilo que você quiser.
Seja o que você quer ser,
porque você possui apenas uma vida
e nela só se tem uma chance
de fazer aquilo que se quer.

Tenha felicidade bastante para fazê-la doce.
Dificuldades para fazê-la forte.

Tristeza para fazê-la humana.
E esperança suficiente para fazê-la feliz.

As pessoas mais felizes
não têm as melhores coisas.
Elas sabem fazer o melhor
das oportunidades que aparecem
em seus caminhos.

A felicidade aparece para aqueles que choram.
Para aqueles que se machucam.
Para aqueles que buscam e tentam sempre.
E para aqueles que reconhecem
a importância das pessoas que passam por suas vidas.

O futuro mais brilhante
é baseado num passado intensamente vivido.
Você só terá sucesso na vida
quando perdoar os erros
e as decepções do passado.

A vida é curta, mas as emoções que podemos deixar
duram uma eternidade.
A vida não é de se brincar
porque um belo dia se morre.

Clarice Lispector

Finalmente, Mestre!

Posted in Geral with tags , , , , , , , on julho 26, 2008 by Psiquê

Photo by Lexarexa/ Via Roesje

Depois de dois anos, com um pouco de atraso, mais uma etapa cumprida – quer dizer enquanto não entregar a versão final, sei que ainda ficarei tensa -, mas finalmente ontemd efendi minha dissertação de mestrado. Nem acredito, Mestre!

Ainda faltam muitos passos pela frente, não apenas para cumprir os trâmites burocráticos dessa conquista, como para seguir até o final dessa jornada. Mas tenho certeza que, mais uma vez ,TUDO DARÁ CERTO! Estiveram ao meu lado e torcendo por mim todos aqueles que me são caros. Obrigada a todos vocês.

Um beijo a quem testemunhou a defesa e aos professores que julgaram meu trabalho também agradeço lisonjeada.

“Temos que saber aonde queremos chegar, mas não temos que nos preocupar tanto em “como” chegaremos. Basta que saibamos manter nossos pensamentos e emoções na sintonia de nossos objetivos e as oportunidades surgem, os encontros acontecem.”