Arquivo para frio

Crueldade

Posted in Curiosidades with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on janeiro 28, 2015 by Psiquê
Mulheres de Ravensbrück | Foto: Getty

A BBC divulgou hoje uma matéria sobre um campo de concentração que abrigava apenas prisioneiras mulheres, relatando parte das atrocidades que elas sofriam no local. A origem da matéria se deu a partir do lançamento do livro Se isto é uma mulher escrito por Sarah Helm, que fala sobre o campo.

Leiam a seguir a matéria na íntegra e um pouco dos horrores que as prisioneiras de Ravensbrück passavam.

Auschwitz-Birkenau, Treblinka e Dachau são notórios campos de concentração do Terceiro Reich alemão que se fixaram na consciência humana por causa das atrocidades cometidas com os homens, mulheres e crianças presos neles.

Muitos outros campos são menos conhecidos, como o de Ravensbrück.

Apesar de ter sido um dos primeiros a serem abertos – em 1939, pouco antes do início da guerra, a 80 km de Berlim, em um cenário idílico na costa báltica – e um dos últimos a serem liberados – em 1945 –, este campo de trabalho e, no final, de extermínio, permaneceu às margens da história.

Ravensbrück era exclusivamente para mulheres.

No fim da Segunda Guerra Mundial, cerca de 130 mil haviam passado por suas portas.

Entre 30 mil e 50 mil morreram de fome, de exaustão, de frio ou pelos tiros e pelo gás administrados pelos guardas nazistas.

Várias internas eram judias, mas elas não eram maioria. Havia prisioneiras políticas, ciganas, doentes mentais ou as chamadas “associais” – prostitutas ou quaisquer mulheres consideradas “inúteis” pela doutrina nazista.

“Ravensbrück era uma história com a qual eu havia me deparado e me dei conta de que era quase desconhecida”, disse à BBC Sarah Helm, que acaba de publicar um livro sobre o campo de mulheres.

O livro se chama Se isto é uma mulher, uma referência ao famoso livro do escritor italiano Primo Levi Se Isto é um homem, que descreve sua prisão por ser um membro da resistência antifascista na Itália e sua experiência no campo de Auschwitz.

“Assim como Auschwitz foi a capital do crime contra os judeus, Ravensbrück foi a capital do crime contra as mulheres”, afirma Helm.

“Estamos falando de crimes específicos de gênero, como abortos forçados, esterilização, prostituição forçada. É uma parte crucial da história das atrocidades nazistas.”

Helm diz ainda que, na fase final do campo, muito depois de ter sido suspenso o uso de câmaras de gás nos campos mais ao leste da Europa, uma delas foi construída em Ravensbrück. “Eles levaram partes das câmaras desmanteladas em Auschwitz. Até esse extermínio – no qual morreram seis mil mulheres e que foi o último extermínio em massa da história do nazismo – foi, em grande medida, deixado de lado.

Selma van der Perre foi uma das internas de Ravensbrück e contou à BBC como eram os dias naquele lugar.

“Éramos despertadas a gritos às quatro da manhã. Em seguida, tinhamos que responder à chamada e nos davam café. Nos deixavam ir ao banheiro e às 05h30 tínhamos que ir trabalhar na fábrica da Siemens, onde pagavam pelas prisioneiras: nós não recebíamos o dinheiro, ele era entregue à SS (força paramilitar nazista).”

“Trabalhávamos por 12 horas e depois voltávamos ao campo. Por volta das 20h nos davam um prato de sopa e dormíamos.”

A rotina era recheada de casos de crueldade dos quais pouco se falou. Tragédias que, ao serem contadas por sobreviventes, segundo Helm, fizeram com que ela e também seus tradutores chorassem, como a descrição de uma francesa sobre como deixavam que os bebês morressem de fome.

Outros testemunhos afirmam que algumas mulheres eram “deixadas quase nuas na neve até morrerem” e outras tinham “germes de sífilis injetados na medula espinhal”.

Em seu livro, Helm também destaca as histórias de bravura e de solidariedade, como a das “77 cobaias”, que reúne ao mesmo tempo o melhor e o pior de Ravensbrück.

Em 1942, as prisioneiras passaram as ser usadas como cobaias em experimentos científicos. Em “operações especiais”, elas tinham os músculos da pele cortados e eram inseridos vidro, madeira ou terra nos ferimentos. Algumas não recebiam tratamento e outras sim, com tipos de drogas diferentes.

Os experimentos se repetiram algumas vezes, mas quando chegou o momento de esconder as provas e matar as cobaias, todo o campo conspirou para escondê-las.

“Aqueles experimentos não provaram nada para a ciência, mas, sim, para a humanidade”, escreve Helm.

Mas por que se sabe tão pouco sobre esse campo de mulheres?

“Uma das razões principais é que, depois dos julgamentos pelos crimes de guerra, que ocorreram imediatamente depois do fim da Segunda Guerra Mundial, começou a Guerra Fria, veio a cortina de ferro e Ravensbrück ficou do lado oriental – de modo que permaneceu, em grande medida, inacessível ao Ocidente”, afirma a escritora.

“Os que estavam no leste da Alemanha não esqueceram de Ravensbrück, mas o converteram em um centro de resistência comunista, de maneira que as lembranças das mulheres ocidentais e das judias desapareceu por completo da história. Também desapareceu a história das alemãs que estiveram lá no início, que é uma das mais esquecidas.”

Eram mulheres como a austríaca defensora dos direitos da mulher Rosa Jochmann, social-democrata e membro da Resistência; como Läthe Leichter, a feminista socialista mais famosa durante o período da “Viena vermelha”, entre as guerras mundiais, e como a alemã Elsa Krug, uma prostituta que praticava BDSM (sigla em inglês para Dominação, Submissão, Sadismo e Masoquismo), mas se recusou a bater nas outras prisioneiras.

“Ignorar Ravensbrück não é só ignorar a história dos campos de concentração, é também ignorar a história das mulheres”, afirma Sarah Helm.

6 maneiras “curiosas” de perder peso

Posted in Comportamento, Saúde with tags , , , , , , , , , , , on agosto 13, 2014 by Psiquê

2990796

A matéria que compartilho aqui foi publicada pela revista Marie Claire, sob o título “Conheça 6 maneiras nem um pouco convencionais (mas com base científica) para perder peso

Algumas destas dicas são no mínimo curiosas, mas legal compartilhar com vocês. Trata-se de uma série de dicas supostamente comprovadas cientificamente que ajudariam na perda de peso. Como estes cuidados são parte integrante do cotidiano de muitos de nós, não custa tentar aprofundar ou pôr em prática aqueles que ainda não tentamos.

Vamos às dicas da matéria:

1. Cheirinho
Cheirar (sim, cheirar!) hortelã com frequência pode ajudar a diminuir a fome e, consequentemente, a ingestão de calorias, por um estudo realizado em dezembro. Pesquisadores da Universidade Wheeling Jesuit, nos EUA, relataram que voluntários que cheiraram óleo de hortelã a cada duas horas, durante cinco dias seguidos, sentiram menos fome e ingeriram menos calorias do que o habitual.

2. Alerta da louça
Comer em um prato vermelho contribui para você comer menos. Um experimento realizado pela Universidade de Parma, na Itália, ofereceu pipoca, chocolate e creme para as mãos em pratos vermelhos, brancos e azuis. Os participantes comeram menos e usaram menos creme quando os produtos estavam dispostos na louça vermelha. Uma possível explicação é que a cor lembra proibido ou perigoso, induzindo as pessoas a serem mais cautelosas. (Será?)

3. Dinheiro ou cartão?
Pagar suas refeições em dinheiro pode ajudar você a economizar calorias. A Universidade Cornell, nos EUA, analisou como os estudantes de 2.314 escolas públicas pagam suas contas. Nas escolas que aceitam dinheiro, 42% dos alunos escolheram comidas saudáveis. Já nas que só aceitam cartão apenas 31% fizeram escolha semelhante. E mais: as crianças que usam dinheiro compraram 20% a mais de vegetais frescos que seus pares.

4. Chocolate
Não se sabe por que, mas um estudo garante que comer chocolate está relacionado a índices mais baixos de gordura abdominal. Isso vale inclusive quando os pesquisadores consideram outros fatores que podem influenciar os níveis de gordura dos participantes, tais como a frequência com que eles se exercitam e quão saudável eram suas dietas em geral. Cerca de 1.500 adolescentes, acima de 17 anos, relataram o que comeram por dois dias não consecutivos e, depois, foram medidos, pesados e analisados. A conclusão: dietas ricas em chocolate estavam ligadas ao menor crescimento abdominal. (Opa!)

5. Dormir no frio
Uma pesquisa analisou 31 pessoas saudáveis, parte dormiu em quartos a 18ºC e a outra, a 24ºC. Aqueles que passaram a noite no ambiente mais frio perderam 7% a mais de calorias que os outros. Isso porque o corpo precisa gastar energia para manter a temperatura estável. Não se sabe, porém, como o organismo compensa essa queima, talvez você sinta mais fome. Vale lembrar que não adianta se enfiar debaixo de várias cobertas nem vestir um pijama quentinho. Você só vai perder calorias se aguentar o frio. (Xiiii!!!!)

6. Fotos de comidas saudáveis
Não apenas a ingestão, mas as imagens de frutas e vegetais podem ajudar na perda de peso. Estudiosos dividiram 69 mulheres (algumas em dieta e outras, não) em dois grupos: ao primeiro foram oferecidas fotos de alimentos saudáveis, como frutas e produtos diet; e, ao segundo, imagens de coisas que lembravam comidas, como um sol que parecia uma laranja. Aos dois grupos foram servidos lanches. O que aconteceu? Quem não estava de dieta comeu a mesma quantidade, independente das fotos. Mas as que estavam de dieta e viram fotos de alimentos de baixa caloria comeram menos do que aquelas que viram objetos. Os pesquisadores acreditam que as imagens funcionam como um lembrete visual sutil de suas metas para a perda de peso.

Maneiro!

Posted in Geral, Selos, Memes, Mimos e Prêmios with tags , , , , , , , , , , , , , , , on agosto 9, 2009 by Psiquê

selinho2

Esse selinho eu não recebi, eu vi no blog da minha querida Patricia Caetano, que o recebeu de outra querida, a Rafaela Panisset. Ganhei da Pat Caetano um outro selinho que postarei em breve. Obrigada querida.

1. Você é casada?
Sim.

2. Você tem filhos?
Ainda não.

3. Fuma?
Não. Graças a Deus, tenho horror ao cheiro!

4. Bebe?
Esporadicamente. Preferência: espumante, vinhos, drinks gostosos, caipvodka, etc.

5. Tem compulsão por algum tipo de comida?
Não.

6. Prefere calor ou frio?
Calor, mas não muito.

7. Prefere doce ou salgado?
Depende da hora.

8. Qual é a sua profissão?
Jornalista…Internacionalista…quero explorar para o mundo todo!

9. Último filme que viu?
Não me lembro…

10. Qual foi o dia mais feliz da sua vida?
São tantos…

Indico os seguintes blogs:

Amante das Imagens

Patricia Figueira

Mulheres 3.0 plus

Mente Inquieta

Pela luz dos olhos teus

Posted in Poesia Erótica with tags , , , , , , , on julho 9, 2008 by Psiquê

By Fashion Kein Akt

Pela luz dos olhos teus

Quando a luz dos olhos meus
E a luz dos olhos teus
Resolvem se encontrar
Ai que bom que isso é meu Deus
Que frio que me dá o encontro desse olhar
Mas se a luz dos olhos teus
Resiste aos olhos meus só p’ra me provocar
Meu amor, juro por Deus me sinto incendiar

Meu amor, juro por Deus
Que a luz dos olhos meus já não pode esperar
Quero a luz dos olhos meus
Na luz dos olhos teus sem mais lará-lará
Pela luz dos olhos teus
Eu acho meu amor que só se pode achar
Que a luz dos olhos meus precisa se casar.

(Vinícius de Moraes)