Arquivo para história

Vida e presente

Posted in Comportamento with tags , , , , , , , , , , , , , , , , on maio 18, 2016 by Psiquê

42dd11aec326fd2e6e4bba2852cdf018

A vida da gente é sempre uma escolha e devemos estar conscientes de que depende de nós decidirmos por caminhos que nos permitem buscar a felicidade. Existem algumas decisões que funcionam, a meu ver, como presentes que nos damos.

Nos amarmos e respeitarmos nossos limites, são os pontos mais importantes. A partir daí, estaremos mais preparados para enfrentar as intempéries da vida. Parece clichê, mas, independente de sua crença, sempre que agradecemos ao longo da vida, uma sucessão de outros motivos de gratidão parecem se suceder.

Há decisões que tomo diariamente que funcionam como um presente para mim mesma, dentre elas:

  • cuidar da minha saúde física e mental,
  • estar ao lado de pessoas que me fazem bem e que amo,
  • fazer exercícios diariamente (ainda que muitas das vezes o depois seja muito mais importante para o meu bem-estar do que o durante – afinal, sou humana),
  • conhecer e praticar yoga (atualmente pelo menos 3 vezes por semana),
  • praticar pilates,
  • me analisar e procurar, dentro das minhas limitações me conhecer e melhorar,
  • ter consciência de que uma boa alimentação e boas escolhas fazem bem ao meu organismo,
  • ler bastante, estudar e escolher bons programas que me façam aprender e refletir,
  • buscar relações equilibradas e respeitosas, procurando entender o outro e evitando pensar somente no meu lado da história,
  •  lutar por um mundo melhor e uma vida mais justa…

É obvio que nem todas as coisas que acontecem em nossa vida dependem de nós, mas grande parte delas é influenciado por nossas escolhas. E com base nisso, temos o dever que sempre tentar fazer as melhores escolhas possíveis.

 

 

Crueldade

Posted in Curiosidades with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on janeiro 28, 2015 by Psiquê
Mulheres de Ravensbrück | Foto: Getty

A BBC divulgou hoje uma matéria sobre um campo de concentração que abrigava apenas prisioneiras mulheres, relatando parte das atrocidades que elas sofriam no local. A origem da matéria se deu a partir do lançamento do livro Se isto é uma mulher escrito por Sarah Helm, que fala sobre o campo.

Leiam a seguir a matéria na íntegra e um pouco dos horrores que as prisioneiras de Ravensbrück passavam.

Auschwitz-Birkenau, Treblinka e Dachau são notórios campos de concentração do Terceiro Reich alemão que se fixaram na consciência humana por causa das atrocidades cometidas com os homens, mulheres e crianças presos neles.

Muitos outros campos são menos conhecidos, como o de Ravensbrück.

Apesar de ter sido um dos primeiros a serem abertos – em 1939, pouco antes do início da guerra, a 80 km de Berlim, em um cenário idílico na costa báltica – e um dos últimos a serem liberados – em 1945 –, este campo de trabalho e, no final, de extermínio, permaneceu às margens da história.

Ravensbrück era exclusivamente para mulheres.

No fim da Segunda Guerra Mundial, cerca de 130 mil haviam passado por suas portas.

Entre 30 mil e 50 mil morreram de fome, de exaustão, de frio ou pelos tiros e pelo gás administrados pelos guardas nazistas.

Várias internas eram judias, mas elas não eram maioria. Havia prisioneiras políticas, ciganas, doentes mentais ou as chamadas “associais” – prostitutas ou quaisquer mulheres consideradas “inúteis” pela doutrina nazista.

“Ravensbrück era uma história com a qual eu havia me deparado e me dei conta de que era quase desconhecida”, disse à BBC Sarah Helm, que acaba de publicar um livro sobre o campo de mulheres.

O livro se chama Se isto é uma mulher, uma referência ao famoso livro do escritor italiano Primo Levi Se Isto é um homem, que descreve sua prisão por ser um membro da resistência antifascista na Itália e sua experiência no campo de Auschwitz.

“Assim como Auschwitz foi a capital do crime contra os judeus, Ravensbrück foi a capital do crime contra as mulheres”, afirma Helm.

“Estamos falando de crimes específicos de gênero, como abortos forçados, esterilização, prostituição forçada. É uma parte crucial da história das atrocidades nazistas.”

Helm diz ainda que, na fase final do campo, muito depois de ter sido suspenso o uso de câmaras de gás nos campos mais ao leste da Europa, uma delas foi construída em Ravensbrück. “Eles levaram partes das câmaras desmanteladas em Auschwitz. Até esse extermínio – no qual morreram seis mil mulheres e que foi o último extermínio em massa da história do nazismo – foi, em grande medida, deixado de lado.

Selma van der Perre foi uma das internas de Ravensbrück e contou à BBC como eram os dias naquele lugar.

“Éramos despertadas a gritos às quatro da manhã. Em seguida, tinhamos que responder à chamada e nos davam café. Nos deixavam ir ao banheiro e às 05h30 tínhamos que ir trabalhar na fábrica da Siemens, onde pagavam pelas prisioneiras: nós não recebíamos o dinheiro, ele era entregue à SS (força paramilitar nazista).”

“Trabalhávamos por 12 horas e depois voltávamos ao campo. Por volta das 20h nos davam um prato de sopa e dormíamos.”

A rotina era recheada de casos de crueldade dos quais pouco se falou. Tragédias que, ao serem contadas por sobreviventes, segundo Helm, fizeram com que ela e também seus tradutores chorassem, como a descrição de uma francesa sobre como deixavam que os bebês morressem de fome.

Outros testemunhos afirmam que algumas mulheres eram “deixadas quase nuas na neve até morrerem” e outras tinham “germes de sífilis injetados na medula espinhal”.

Em seu livro, Helm também destaca as histórias de bravura e de solidariedade, como a das “77 cobaias”, que reúne ao mesmo tempo o melhor e o pior de Ravensbrück.

Em 1942, as prisioneiras passaram as ser usadas como cobaias em experimentos científicos. Em “operações especiais”, elas tinham os músculos da pele cortados e eram inseridos vidro, madeira ou terra nos ferimentos. Algumas não recebiam tratamento e outras sim, com tipos de drogas diferentes.

Os experimentos se repetiram algumas vezes, mas quando chegou o momento de esconder as provas e matar as cobaias, todo o campo conspirou para escondê-las.

“Aqueles experimentos não provaram nada para a ciência, mas, sim, para a humanidade”, escreve Helm.

Mas por que se sabe tão pouco sobre esse campo de mulheres?

“Uma das razões principais é que, depois dos julgamentos pelos crimes de guerra, que ocorreram imediatamente depois do fim da Segunda Guerra Mundial, começou a Guerra Fria, veio a cortina de ferro e Ravensbrück ficou do lado oriental – de modo que permaneceu, em grande medida, inacessível ao Ocidente”, afirma a escritora.

“Os que estavam no leste da Alemanha não esqueceram de Ravensbrück, mas o converteram em um centro de resistência comunista, de maneira que as lembranças das mulheres ocidentais e das judias desapareceu por completo da história. Também desapareceu a história das alemãs que estiveram lá no início, que é uma das mais esquecidas.”

Eram mulheres como a austríaca defensora dos direitos da mulher Rosa Jochmann, social-democrata e membro da Resistência; como Läthe Leichter, a feminista socialista mais famosa durante o período da “Viena vermelha”, entre as guerras mundiais, e como a alemã Elsa Krug, uma prostituta que praticava BDSM (sigla em inglês para Dominação, Submissão, Sadismo e Masoquismo), mas se recusou a bater nas outras prisioneiras.

“Ignorar Ravensbrück não é só ignorar a história dos campos de concentração, é também ignorar a história das mulheres”, afirma Sarah Helm.

Violências…

Posted in Comportamento, Curiosidades, Geral with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on fevereiro 10, 2014 by Psiquê

9a606f1365bc70e4060e5add70d3c2d8

Neste final de semana assisti ao filme 12 anos de escravidão. Fiquei encantada com o filme de Steve McQueen e com muita vontade de ler o livro, que conta a história real de Solomon Northup, um negro liberto que é sequestrado e vendido como escravo, condição em que passa a viver por 12 longos anos até conseguir que sua história chegasse aos ouvidos daqueles que o conheciam. Em meio a um show de interpretação do ator Chiwetel Ejiofor, o filme também conta com a atuação de Michael Fassbender,  Lupita Nyong’oBenedict Cumberbatch e produção de John Ridley e Brad Pitt. 

As cenas de violências são ‘emudecedoras’…minha garganta parecia estar sendo transpassada, quando finalmente resolvi chorar para aliviar a pressão que as cenas das agressões, chibatadas e violência proporcionam… Um verdadeiro espetáculo de filme! Não é à toa que o filme teve 9 indicações ao Oscar, dentre elas: 1) melhor filme, 2) melhor diretor, 3) melhor ator, 4) melhor ator coadjuvante, 5) melhor atriz coadjuvante, 6) melhor roteiro adaptado, 7) melhor figurino, 8) melhor montagem e 9) melhor design de produção. O filme nos faz pensar sobre o que somos capazes de fazer: fomos capazes escravizando, discriminando, segregando, ‘permitindo’ a existência de regimes ditatoriais, opressores, campos de concentração, prisões arbitrárias. Todas as diferentes formas de violência que direta ou indiretamente permitimos em algum momento da nossa história…

Eu não pensei em escrever sobre o filme aqui no blog, mas o resultado de uma manifestação aqui no Brasil me fez pensar em diversos tipos de violência que nós perpetramos diariamente uns contra os outros… Hoje faleceu um jornalista que cobria uma manifestação na cidade do Rio de Janeiro contra o aumento das passagens. Não foi a primeira vítima e não sei se será  a última…

…mas seja qual for o lado que oprime e que vitima, precisamos repensar nossas atitudes, nosso comportamento, nossos discursos e até o nosso silêncio…

Circulou na internet há pouco, depois de atestada a morte cerebral de Santiago Ilídio Andrade, um texto de autoria de Vanessa Andrade, sua filha, também jornalista:


Fica a saudade de um companheiro sereno e de um pai valente.
Meu nome é Vanessa Andrade, tenho 29 anos e acabo de perder meu pai.
Quando decidi ser jornalista, aos 16, ele quase caiu duro. Disse que era profissão ingrata, salário baixo e muita ralação. Mas eu expliquei: vou usar seu sobrenome. Ele riu e disse: então pode!
Quando fiz minha primeira tatuagem, aos 15, achei que ele ia surtar. Mas ele olhou e disse: caramba, filha. Quero fazer também. E me deu de presente meu nome no antebraço.
Quando casei, ele ficou tão bêbado, que na hora de eu me despedir pra seguir em lua de mel, ele vomitava e me abraçava ao mesmo tempo.
Me ensinou muitos valores. A gente que vem de família humilde precisa provar duas vezes a que veio. Me deixou a vida toda em escola pública porque preferiu trabalhar mais para me pagar a faculdade. Ali o sonho dele se realizava. E o meu começava.
Esta noite eu passei no hospital me despedindo. Só eu e ele. Deitada em seu ombro, tivemos tempo de conversar sobre muitos assuntos, pedi perdão pelas minhas falhas e prometi seguir de cabeça erguida e cuidar da minha mãe e meus avós. Ele estava quentinho e sereno. Éramos só nós dois, pai e filha, na despedida mais linda que eu poderia ter. E ele também se despediu.
Sei que ele está bem. Claro que está. E eu sou a continuação da vida dele. Um dia meus futuros filhos saberão quem foi Santiago Andrade, o avô deles. Mas eu, somente eu, saberei o orgulho de ter o nome dele na minha identidade.
Obrigada, meu Deus. Porque tive a chance de amar e ser amada. Tive todas as alegrias e tristezas de pai e filha. Eu tive um pai. E ele teve uma filha.
Obrigada a todos. Ele também agradece.
Eu sou Vanessa Andrade, tenho 29 anos e os anjinhos do céu acabam de ganhar um pai.”

O que deixar em 2013 e o que levar para 2014?

Posted in Comportamento with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on dezembro 20, 2013 by Psiquê

Compartilho mais um texto do site Somos todos um, sobre um tema que já falei aqui há poucos dias, mas que é sempre válido refletir, uma vez que o ano se finda e temos várias expectativas em relação ao novo que se aproxima.

74e621cfdf8bca7e4aea0f72295e34bc

Refazendo as malas: o que deixar em 2013 e o que levar para 2014?, autoria de Rosana Braga

Impossível não pensar que o Ano Novo traz consigo, mesmo que simbolicamente, uma nova chance, um recomeço, uma oportunidade de fazer diferente e melhor! Claro, os mais céticos dirão que dia primeiro de janeiro nada mais é que o dia seguinte ao 31 de dezembro. Pode até ser! Porém, no final das contas, cada dia é o que você acredita que ele seja. Então, por que não aproveitar a data para, de fato, abrir um novo capítulo na sua história?

Há quem, sabiamente, faz um planejamento detalhado, com desejos descritos nas diversas áreas da vida, tais como amor, saúde, profissional, espiritual, alimentação, corpo, entre outras. Não tenho dúvidas de que debruçar-se sobre o exercício de escrever suas metas, colocando datas para alcançá-las, é altamente eficiente para organizar a mente e facilitar o processo de realização de seus sonhos.

Há os que preferem outros rituais. Existem muitos. Desde meditar sobre as perdas e os ganhos durante o ano atual e visualizar melhorias para o ano vindouro, até pular 7 ondas na virada, comer lentilhas, fazer oferendas, assistir à Missa do Galo, doar presentes, usar calcinha nova, entre muitas outras ideias populares ou personalizadas.

Minha sugestão para um Ano Novo que realmente valha a pena tem muito a ver com as lindas dicas de Carlos Drummond de Andrade, no texto Receita de Ano Novo: “(…)para você ganhar um ano não apenas pintado de novo, remendado às carreiras, mas novo nas sementinhas do vir-a-ser; novo até no coração das coisas menos percebidas (a começar pelo seu interior) novo, espontâneo, que de tão perfeito nem se nota, mas com ele se come, se passeia, se ama, se compreende, se trabalha, (…) Não precisa fazer lista de boas intenções para arquivá-las na gaveta. Não precisa chorar arrependido pelas besteiras consumadas nem parvamente acreditar que por decreto de esperança a partir de janeiro as coisas mudem e seja tudo claridade, recompensa, justiça entre os homens e as nações, (…) Para ganhar um Ano Novo que mereça este nome, você, meu caro, tem de merecê-lo, (…) É dentro de você que o Ano Novo cochila e espera desde sempre.”

Ou seja, Ano Novo não tem a ver com perfeição ou virar tudo às avessas. Tem a ver com consciência, aprendizado. Refazer as malas para esta nova viagem da vida aproveitando o que ainda serve, o que é bonito e nos cabe muito bem, e abrindo mão do que já não serve mais, já não condiz com quem nos tornamos depois de tudo o que vivemos neste Ano que está ficando para trás.

Então, desapegue-se das crenças limitantes. Construa algumas novas, edificantes. Reescreva seu perfil. Mude de ideia, sim, se considerar que a nova é mais a sua nova cara. Não há nada de errado em se refazer de um jeito diferente. Como diz o sábio Zé Simão, “quem fica parado é poste”. E tem mais: síndrome de Gabriela (“(…) Eu nasci assim, eu cresci assim. E sou mesmo assim, vou ser sempre assim (…)” – Gal Costa) nunca levou ninguém ao oásis de si mesmo.

E no que se refere ao amor que você deseja viver em 2014, saiba que primeiro precisa acreditar, de fato e de direito, que merece! Depois, reflita sobre o que pensou, até então, a respeito de si mesmo, de seu par (ou futuro par) e sobre relacionamento ou casamento. Em geral, quem não vive o amor que deseja é porque está se comportando com base em crenças equivocadas e que servem bem mais como armadilhas e obstáculos do que como trampolim ou atraentes desse amor! Encha-se e preencha-se de alegria e entusiasmo e viva um Ano Novo de luz, paz e amor, literalmente!

Histórias íntimas…

Posted in Cultura e Arte, Erotismo with tags , , , , , , , , , , , , , , , on novembro 24, 2013 by Psiquê

97bd55918b249881a12de3f1a467cbe6

Estou chegando ao fim da leitura do meu presente de aniversário deste ano, a obra da Mary del Priore, Histórias e Conversas de Mulher, que fala de vários temas que envolvem o universo feminino ao longo da história do nosso país. Neste momento estou lendo um trecho que fala dos padrões de beleza das mulheres da nossa terra, quando da chegada dos portugueses: morenas, de cabelos longos, robustas e com o hábito de se lavar e se pentear várias vezes ao dia…

Estou ansiosa por começar duas outras obras que comprei há mais tempo, escritos pela mesma autora: Histórias íntimas, sexualidade e erotismo na história do Brasil, revelando como o erotismo mudou através do tempo e a permanência do controle sobre o prazer sexual. E o livro A Carne e o Sangue, que versa sobre detalhes íntimos do triangulo amoroso formado pelo Imperador D. Pedro I, a imperatriz Leopoldina e Domitila, a marquesa de Santos.

Quem tiver mais dicas de leituras como estas, fiquem à vontade em sugerir.

Também estão na fila de espera, algumas obras de Phillipa Gregory que mistura fatos históricos com ficção, porém com uma fórmula bem atraente a leitura. O único que já li e assisti foi história da Outra Bolena, cujo obra inspirou o filme A Outra estrelado por Natalie Portman e Scarlett Johansson.

Verdadeira Vocação

Posted in Comportamento with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on janeiro 23, 2012 by Psiquê

A revista Você S/A de janeiro de 2012 trouxe um especial sobre como fazer tudo melhor, em que uma série de nomes consagrados partilhavam a sua ‘lição’ de vida. Vários me chamaram atenção, mas eu gostei especialmente do texto atribuído a Peter Buffet, autor do livro  A vida é o que você faz dela e filho do mega investidor Warren Buffet.

Como descobrir sua verdadeira vocação

“É difícil dar uma receita de como as pessoas podem descobrir a sua vocação. Mas, se eu fosse arriscar alguns conselhos, o primeiro deles seria que cada um tente descobrir a sua própria história. Quando um cantor está em um estúdio para gravar um disco, ele precisa isolar todos os barulhos que vêm de fora e ouvir somente sua voz. E é assim que precisamos fazer em nossas vidas: livrar-nos dos ruídos externos que nos impedem de ouvir a nós mesmos.

Vivemos em um mundo com tanta informação que, se pararmos para pensar, sempre temos alguém nos dizendo o que fazer. No momento em que nos livramos de toda essa pressão, ficamos mais sensíveis ao que nos é verdadeiro. É quando estamos mais conectados para ouvir a nossa vocação.

Outro ponto importante é descobrirmos o que o sucesso significa para nós. É ter uma casa grande, um carro do ano, um cargo altíssimo na empresa em que trabalhamos? Pois eu digo que dinheiro e questões exteriores não deveriam ser a medida do quanto nós somos felizes. Pelo contrário, o que conta são as experiências que tivemos, as relações que vivemos, como nos sentimos ao realizar nosso trabalho.

Todo dia que acordo de manhã, a minha definição de sucesso e bem-estar é o quanto tenho vontade de sair da cama e fazer o meu trabalho.  As pessoas costumam restringir demais a forma como planejam suas carreiras, esquecendo que, muitas vezes, é possível combinar o que amam com o caminho que vão seguir profissionalmente. Quais  são os seus sonhos de criança? O que você sempre desejou fazer e ficou pelo caminho?

Alguns sonham em ser dançarinos, mas nunca foram em frente por ser algo mais incerto, que poderia não dar segurança financeira. Então, decidem ser contadores, por exemplo, deixando o que os fazia feliz para trás. E por que não ser contador de uma escola de dança? As possibilidades são inúmeras, o que precisamos é ter em mente o que realmente nos faz feliz”. (Peter Buffet)

Esse texto é perfeito, pois trata de um dos meus pontos mais profundos de reflexão cotidiana.

Ano Novo, vida nova?

Posted in Comportamento, Curiosidades, esoterismo with tags , , , , , , , , , , , on janeiro 1, 2012 by Psiquê

Via Cheesecake Pin Up

O Ano começou novo, com uma chuvinha fina, constante. A temperatura, como no último mês de dezembro foi atípica para a estação, não tão quente quanto o de costume…

Estivemos entre um grupo pequeno de amigos, num bairro tradicional da cidade, numa celebração mais intimista. Não sei se isso vai significar alguma coisa, mas entre ‘papos cabeça’ refletimos sobre vários ícones de nossa sociedade que se conheciam no passado e se encontravam para ‘bater um papo’, ‘tomar uma cervejinha’, tal qual fazemos hoje.

Entre visões distintas de ceticismo, religiosidade, crenças diversas, superstições cada um a seu modo contribuiu para que esse fosse um momento único. Houve quem desejasse um namorado, ou enriquecer, ou correr o mundo, ou conseguir um novo emprego, ou nada…

O que importa é, como disse a aniversariante do dia, se eu estrago o meu 31 de dezembro, estou estragando o meu aniversário e o meu Reveillon e, assim, tenho duas vezes um ano começando mal rsrs. Achei engraçado, mas até coerente. Por isso que confesso que adorei o nosso novo Reveillon e espero estar sempre entre amigos nessa época.

Tenho certeza e esperança de que 2012 será um excelente ano e que a trajetória será de progresso como tem sido os últimos anos.

Um feliz e próspero 2012 que já está aí para ser vivido.

Cabe a cada um de nós escrever sua própria história!

Aprendizagem

Posted in Comportamento with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on dezembro 7, 2011 by Psiquê

Jeito de Mato – Paula Fernandes

De onde é que vem esses olhos tão tristes?
Vem da campina onde o sol se deita
Do regalo de terra que o teu dorso ajeita
E dorme serena, no sereno sonha

De onde é que salta essa voz tão risonha?
Da chuva que teima, mas o céu rejeita
Do mato, do medo, da perda tristonha
Mas, que o sol resgata, arde e deleita

Há uma estrada de pedra que passa na fazenda
É teu destino, é tua senda, onde nascem tuas canções
As tempestades do tempo que marcam tua história
Fogo que queima na memória e acende os corações

Sim, dos teus pés na terra nascem flores
A tua voz macia aplaca as dores
E espalha cores vivas pelo ar
Ah..Ah…Ah…
Sim, dos teus olhos saem cachoeiras
Sete lagoas, mel e brincadeiras
Espumas ondas, águas do teu mar
Ah..Ah…Ah…
êeh laiá ..

Essa música me inspirou, não apenas por ter a letra linda e sua sonoridade e melodia apaixonantes, mas porque esta ter sido uma semana por um lado calma, por outro atribulada pelo acúmulo de obrigações e,…

…mais uma vez, desafiadora. Uma semana em que parece difícil lidar com o ser humano, com suas fraquezas, vaidades, medos e inseguranças. Dificuldade de entender a resistência de semelhantes em contar com a ajuda do outro, por puro temor em não se sentir mais útil ou perder espaço. Confesso estar bem cansada dessas situações, apesar de consciente de que são importantes para o amadurecimento. A meu ver todas as pessoas tem seu espaço e suas virtudes podem ser mostradas, sem que a presença do novo ofusque o seu brilho.

Paciência, serenidade, fé…virtudes necessárias para enfrentar tais desafios…

Eduardo e Mônica

Posted in Comportamento, Relacionamento, Romance with tags , , , , , , , , , on junho 11, 2011 by Psiquê

Hoje fui apresentada ao vídeo da campanha da Vivo para o Dia dos Namorados. E eis que, apesar de um pouco cética em relação ao empenho do comércio em promover a data como algo mega importante e único, ao invés de lembrar que todos os dias deveriam ser dias de celebração entre os namorados…achei uma gracinha!

O vídeo é uma ótima sacada, não apenas por recuperar uma história que há 25 anos, Renato Russo nos apresentou, mas porque ilustra uma história de amor construída como a de muitos de nós.

E quem um dia irá dizer que não existe razão nas coisas feitas pelo coração…

Feliz Dia dos Namorados!

Tocando em Frente

Posted in Geral with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on agosto 31, 2008 by Psiquê

Photo by Klaus Kraiger

Acaba de aflorar em mim um espírito sertanejo, mas acho essa música linda. (Pode ser brega, mas é linda!)

Ótimo começo de semana para vocês, essa que promete ser agitadíssima, mas introduz o mês mais lindo do ano: Setembro. Mês das flores, da primavera, das esperanças, dos sorrisos, do meu aniversário, dos virginianos!

TOCANDO EM FRENTE

Ando devagar porque já tive pressa
E levo esse sorriso porque já chorei demais
Hoje me sinto mais forte, mais feliz, quem sabe
Eu só levo a certeza de que muito pouco eu sei

Eu nada sei

Conhecer as manhas e as manhãs,
o sabor das massas e das maçãs
É preciso amor pra poder pulsar,
é preciso paz pra poder sorrir
É preciso chuva para florir

Penso que cumprir a vida seja simplesmente
Compreender a marcha e ir tocando em frente
Como um velho boiadeiro levando a boiada
Eu vou tocando os dias pela longa estrada eu vou
Estrada eu sou

Conhecer as manhas e as manhãs,
o sabor das massas e das maçãs
É preciso amor pra poder pulsar,
é preciso paz pra poder sorrir
É preciso chuva para florir

Todo mundo ama um dia, todo mundo chora

Um dia a gente chega, no outro vai embora
Cada um de nós compõe a sua história
E cada ser em si carrega o dom de ser capaz
De ser feliz

Conhecer as manhas e as manhãs,
o sabor das massas e das maçãs
É preciso amor pra poder pulsar,
é preciso paz pra poder sorrir
É preciso chuva para florir

Ando devagar porque já tive pressa
E levo esse sorriso porque já chorei demais
Cada um de nós compõe a sua história
E cada ser em si carrega o dom de ser capaz
De ser feliz

Autores: Almir Sater e Renato Teixeira