Arquivo para leite

Suplementação proteica

Posted in Estética e Beleza, Saúde with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on outubro 30, 2014 by Psiquê

4f854ef6326095a06e021a285871e9d4 Já escrevi aqui no Espartilho sobre os rituais diários de saúde e de beleza. Algumas decisões que tomamos diariamente, para, no longo prazo, ‘ou no conjunto da obra’, conseguirmos resultado.

Há anos tenho procurado optar por uma vida saudável, com alimentação balanceada, prática frequente de exercícios físicos, etc. Meus treinos têm sido mais frequentes, pelo menos desde 2011, quando iniciei trabalho com personal trainer na academia em que frequentava. Hoje sou adepta do treinamento funcional, mais eficaz, mais dinâmico e eficiente. Também sob orientação de um personal trainer [quem quiser uma boa dica, confira Alex Avelino]  meu treino funcional é feito em média 4 vezes por semana [quando consigo treino 6 vezes], fora de academia [eu detesto o ambiente de academia, acho que já deu para notar, né?], mas num ritmo muito intenso e prazeroso. Há profissionais que usam seus estúdios abertos ou fechados, treinam na praia, parque, etc. Eu, por exemplo, adoro treino ao ar livre!

Tenho adotado uma série de procedimentos para viver uma vida mais saudável:

  1. Alimentação vegetariana/vegana sem radicalismos, mas com boas escolhas alimentares de segunda à sexta, na medida do possível.
  2. Ingestão de suco verde 1 vez ao dia;
  3. Treino de segunda a sexta ou de segunda a sábado quando dá;
  4. Yoga –  2 a 3 vezes por semana.
  5. E agora estou em busca de um bom nutricionista para organizar minhas escolhas alimentares nos horários ideais.

Novidade: Uma das novas minhas medidas diárias é a ingestão de uma barrinha de proteína após o meu treino [comecei hoje] , pois reconheço que minha alimentação está aquém do meu gasto energético e minha busca por definição com os treinos físicos. Confesso que não busco um shape muito exagerado, e sim magro e definido, mas até isso requer muita disciplina e boas escolhas.

Encontrei uma matéria que saiu na página Minha vida em 2009, mas que parece interessante no que diz respeito aos benefícios das barrinhas proteicas. Barrinhas de proteínas melhoram até treino aeróbico – veja quando consumir e descubra a quantidade ideal na sua dieta.

“Pensando em obter mais resultados no treino, você pensa logo nas barrinhas de proteína como reforço na dieta. O nutriente, indispensável para o funcionamento do organismo e especialmente necessário no metabolismo de quem deseja aumentar os músculos, está presente nas carnes (brancas e vermelhas), nos peixes, nos ovos e no leite.

[como minha alimentação tem sido mais deficitária destes ingredientes proteicos, a ingestão de barras e complementação proteica tem sido importante. Como ainda tenho resistência aos shakes e esperarei uma consulta ao profissional de nutrição, iniciei a complementação com a barrinha pós-treino] Mas, como a recomendação diária é alta (um grama de proteína por quilo de peso nos indivíduos sedentários), nem sempre as refeições conseguem dar conta deste total. “Nesses casos, a suplementação é indicada e não apresenta contra-indicações“, afirma a nutricionista Ana Paula Mendonça, [que na época em que o artigo foi escrito, trabalhava na Clínica Gênesis]. A seguir, ela dá dicas para você tirar proveito máximo das barrinhas de proteína (não confunda com as de carboidratos, usadas para reposição energética) e diferencia o produto da versão em pó, também bastante popular entre quem pratica exercícios. Elas são para todo mundo. As barras de proteínas, assim como outros suplementos alimentares, devem ser vir de apoio para a sua dieta (não importa se você faz exercícios ou não). No entanto, não deixe de conferir os rótulos e ver se a quantidade de calorias de cada unidade está dentro das suas necessidades diárias. Vale lembrar que a composição das barrinhas também apresenta carboidratos e gorduras e que o valor calórico médio chega a 200kcal. Treino aeróbio também queima proteína. A prática de exercícios aeróbios, mesmo que em menor proporção do que a musculação, também contribui para um catabolismo proteico. Portanto, o consumo adequado de proteínas ajuda o organismo a poupar as reservas deste nutriente, estimulando a perda de gordura corporal. Isso mesmo: consumidas dentro das proporções diárias recomendadas, as barras de proteína podem ser utilizadas para quem faz apenas exercícios aeróbicos. Consuma após o treino. O momento da oferta do nutriente ao músculo é de extrema importância no resultado do treino. Durante todo o dia o músculo é submetido a diferentes fases de um ciclo de crescimento muscular. Existe a fase energética, a fase de recuperação e a fase de crescimento. Se as barrinhas forem pensadas como recurso para o aumento da massa, o ideal é comer logo após o treino de musculação (quando o organismo precisa do nutriente para se refazer das microlesões causadas pelas séries). No dia de folga também pode. As barras de proteína podem ser consumidas em dias que não há treino, porque oferecem nutrientes de que nosso corpo precisa para funcionar adequadamente. Pense em uma unidade como substituição do lanche da manhã ou da tarde e não deixe de observar a quantidade de calorias que ela acrescenta na sua dieta. A proporção ideal entre carboidratos, proteínas e gorduras. As relações de gordura, carboidrato e proteína variam muito de uma marca para outra, facilitando adequação às suas necessidades. Para substituição de um lanche da tarde, sem comprometer a ingestão calórica diária, as melhores opções seriam as barras que têm, em média, 10-20g de proteína, 15-30g de carboidrato e 5-7g de gordura.

d893ede2cb948eaa77fa9befd2131a02Barrinhas ou proteína em pó? As pesquisas mostram que ambas auxiliam na hipertrofia muscular, mas só devem ser usadas quando as recomendações dietéticas não são alcançadas. Dentre as proteínas em pó, podemos destacar a albumina, o proteinato de cálcio e a whey protein:

  • Albumina: é a proteína da clara do ovo. Indicada para os iniciantes na musculação.
  • Proteinato de Cálcio: proteína da soja. Indicada para os atletas e praticantes de atividade física que não comem a proteína de origem animal.
  • Whey Protein: é a proteína de soro do leite, tem ótima digestibilidade. Encontramos whey protein em três diferentes formas: isolada, concentrada e hidrolisada. Quanto mais rápida a proteína é digerida, maior o poder de síntese e absorção da proteína, proporcionando a recuperação muscular e o ganho de massa magra com maior rapidez e eficiência.
  • Whey Protein isolada: pura, não tem mistura de outro tipo de proteína.
  • Whey Protein concentrada: maior quantidade de proteína por porção.
  • Whey Protein hidrolisada: de mais fácil absorção em relação às demais, pois é pré-digerida.

As proteínas concentradas em barra são práticas de fácil transporte e consumo, uma opção para quem não tem como bater os shakes de proteína em pó. A diferença básica é que as barras contêm um pouco mais de carboidrato e levam mais tempo para serem absorvidas.

Batendo a proteína em póPara facilitar a digestão e absorção o ideal é bater as proteínas em pó com água. A adição de uma fruta ajuda na recuperação muscular pós-treino, porque oferece carboidratos.

Proteínas para vegetarianosAs barrinhas de proteína levam em sua composição leite, ou proteína do soro do leite. Algumas marcas também associam leite de soja. Indivíduos ovolactovegetarianos devem dar preferência aos suplementos que possuem apenas proteínas da soja na composição, como o proteinato de cálcio. [comprei uma que é feita do leite de soja]

Resultados mais rápidosA hipertrofia muscular ocorre quando as taxas de síntese proteica são maiores que as taxas de degradação proteica corporal. O aumento da síntese proteica depende de um treinamento adequado, em volume e frequência, de períodos de descanso, de perfil hormonal favorável (maior liberação de hormônios anabólicos e menor liberação de hormônios catabólicos) e, principalmente, de uma oferta adequada de nutrientes que estejam envolvidos na hipertrofia muscular (como as proteínas).

O consumo das barrinhas pode auxiliar nos resultados e na performance do praticante de atividade física, porém associada a outros componentes da dieta e um programa de treinamento adequado que inclua séries de exercícios suficientemente intensos e períodos de descanso. Calcule a quantidade diária que você deve consumir.

O consumo proteico recomendado para pessoas sedentárias saudáveis varia de 0,8 a 1,0g de proteína/kg de peso corporal. Praticantes de musculação e atletas devem ter um consumo médio de 1,2 a 1,8g de proteína/kg de peso corporal. A quantidade proteica necessária para o atleta deve ser oferecida durante todo o dia dentro de um percentual que varia de 15-20% do valor calórico total da dieta, ou seja, uma pessoa sedentária pesando 70kg deve consumir diariamente de 56 a 70g de proteína por dia. Já em um atleta ou praticante de atividade física, esta quantidade pode variar e 84 a 126g por dia. O excesso no consumo de proteínas pode causar sobrecarga hepática e renal, órgãos envolvidos no metabolismo deste nutriente.”

Intolerância à Lactose

Posted in Saúde with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , on junho 15, 2009 by Psiquê
Артём Зеленовский

Артём Зеленовский

Resolvi falar sobre esse probleminha que aflige muitas pessoas, inclusive eu sofro dessa intolerância. Aqui reunirei algumas dicas que podem ser úteis.

Primeiro vamos entender o que é a INTOLERÂNCIA À LACTOSE e como diagnosticar:

O QUE É LACTOSE E LACTASE?

A Lactose é o açúcar do leite, um dissacarídeo que com a ação da enzima lactase, tranforma-se em dois monosacarídeos: glucose e galactose. Estes carboidratos simples, após formados, são facilmente absorvidos pelo corpo. No entanto, a falta ou deficiência na produção da lactase faz com que a lactose chegue até o intestino grosso sem ser absorvida pelo organismo. Ela é fermentada por bactérias causando gases e sintomas típicos de indigestão.

QUAIS SÃO OS SINTOMAS DA INTOLERÂNCIA À LACTOSE?

Os sintomas mais comuns são a diarréia (ou à vezes constipação), distensão abdominal, gases, náusea e sintomas de má digestão. A severidade dos sintomas dependerá da quantidade de lactose ingerida assim como da quantidade de lactose que seu organismo tolera.

COMO SABER SE VOCÊ TEM INTOLERÂNCIA À LACTOSE?

Em primeiro lugar é muito importante ressaltar que existem níveis de intolerância, pois a quantidade de enzima lactase produzida pelo corpo varia de pessoa para pessoa. Algumas pessoas possuem uma deficiência mínima na produção da enzima, ao passo que outras não a produzem. Isto irá afetar o seu nível de intolerância.

QUAIS SÃO OS TIPOS DE EXAMES EXISTENTES?

1. Tolerância à lactose: a lactose depois de digerida produz duas moléculas: a glicose e a galactose. Para fazer este teste o paciente ingere em jejum um líquido com dose concentrada de lactose e durante duas horas obtem-se várias amostras de sangue para medir o nível de glicose, que reflete a digestão do açúcar do leite. Se a lactose não é quebrada, o nível de glicose no sangue não aumentará e, conseqüentemente, o diagnóstico de intolerância à lactose será confirmado. Este exame não é indicado para crianças pequenas.

2. Inalação de hidrogênio: este exame mede a quantidade de hidrogênio expirado, que em situações normais é bem pequena. O quadro é diferente quando as bactérias do intestino grosso fermentam a lactose (que não foi digerida) e produzem vários gases, incluindo o hidrogênio, que por sua vez é absorvido e chegando aos pulmões e é exalado. Para fazer o exame, o paciente ingere uma bebida com dose concentrada de lactose e o hidrogênio expirado é medido em intervalos regulares. Níveis elevados de hidrogênio indicam uma digestão inadequada da lactose. Este exame não é indicado para crianças pequenas. Se um bebê ou criança muito pequena manifesta sintomas de intolerância à lactose aconselha-se trocar o leite de vaca pelo de soja e observar os sintomas.

3. Deposição de ácidos : trata-se de um exame indicado tanto para crianças pequenas como para crianças maiores. A lactose não digerida é fermentada pelas bactérias do intestino grosso e produzem ácido láctico e ácidos graxos de cadeias curtas e ambos podem ser detectados em uma amostra de deposição.

4. Exame Genético: este é um exame novo, que promete ser a melhor forma de diagnosticar a intolerância à lactose pois é rápido e não produz sintomas desagradáveis como no caso do exame de ingestão de lactose. Neste exame o paciente retira uma pequena amostra de sangue e seu DNA é estudado para verificar se há mutação em relação à produção da enzima lactase. O resultado sai em 5 dias.

COMO TRATAR A INTOLERÂNCIA À LACTOSE

Não existe cura para a intolerância à lactose, mas é possível tratar os sintomas limitando, ou em alguns casos, evitando produtos com leite ou derivados. Muitas pessoas com IL conseguem ingerir leites deslactosados e outros produtos com baixo teor de lactose sem sentir os sintomas da intolerância à lactose. Com o passar do tempo e uma adaptação aos hábitos alimentares, cada pessoa aprenderá sobre quais alimentos lácteos poderá ingerir sem sentir sintomas.

Uma outra opção bastante comum é o uso de cápsulas de lactase, um suplemento alimentar que auxilia na digestão da lactose.

REPOSIÇÃO DE CÁLCIO

Uma das maiores preocupações para pessoas com intolerância à lactose é adotar uma dieta que suplemente os nutrientes encontrados no leite, principalmente o cálcio. Cerca de 70% do cálcio da alimentação humana vêm do leite e seus derivados. Por esta razão, é importante, na medida do possível, manter uma dieta com ingestão de pelo menos alguns produtos lácteos, mantendo uma quantidade que seja bem tolerada pelo seu organismo. Além disso, é importante a orientação de um nutricionista para auxiliá-lo na readequação de seus hábitos alimentares.

Referências:

Tulla H. Lactose Intolerance. Journal of the American College of Nutrition, Vol. 19, No. 2, 165S–175S (2000). Fonte:  Sem Lactose

O site Sem Lactose é uma excelente ferramenta de apoio àqueles que sofrem dessa intolerância. Além de trazer dicas de produtos sem lactose, traz receitas especiais e muito mais.

Minha perdição, queijo minas, segundo o portal Sem Lactose, existe a versão livre dela, veja aqui. Olha a lista de alimentos com lactose, com baixo teor de lactose e sem lactose aqui. Veja também as receitas do site.

Outras matérias interessantes:

Todo tipo de queijo contém lactose?

Como saber se pães tem lactose?

Leites com baixo teor de lactose

Como identificar nos rótulos?

Percentual de lactose em produtos lácteos

LISTA DE PRODUTOS LÁCTEOS – PORCENTAGEM MÉDIA DE LACTOSE

  • Leite integral / semi-desnatado /desnatado – 4,9%
  • Leite com lactose reduzida a 90% – 1,0%
  • Chantily – 2,9%
  • Iogurte integral – 4,5%
  • Leite condensado – 12,3%
  • Sorvete elaborado com leite – 5,7%
  • Manteiga – 0,9%
  • Margarina elaborada com leite – 0,5%
  • Leite em pó desnatado – 51,3%
  • Leite em pó integral – 37,5%
  • Soro de leite em pó – 69%
  • Queijo gorgonzola – 1,2%
  • Queijo brie – 1%
  • Queijo cheddar – 1%
  • Queijo camembert – 0,9%
  • Ricota – 3,6%
  • Queijo parmesão – 3,3%
  • Queijo mozzarella light – 3,1%

Portais Interessantes:

Alimentação Saudável

NDC – National Diary Council (Conselho Nacional de Laticínios – EUA)

Gastro.net

ABC da Saúde

Saúde na Internet

Comunidade Virtual Doenças Inflamatórias Intestinais (CVDII)

Digestive Diseases

Medicine.net

Kids Health

How Stuff Work

Nestlé

Teu corpo solto

Posted in Poesia Erótica with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on novembro 20, 2008 by Psiquê

adrianova-natalia

Photo Adrianova Natalia

Teu corpo solto

Teu corpo solto
Abandonado ao êxtase de estar
Tuas curvas
Tortuosas
Delirantes

São varridas pelo tecido

Que te envolve a pele

Que desliza em cantiga
Acalanto
Tua carne desnuda
Túrgida
Alva
Trêmula
Palpitar de fruta fresca
Teus olhos; iluminam o quarto
Tua boca tece o silêncio
Teus ouvidos segredam notas
Teus seios macios
Salientes
Calientes
Doces
Que minhas mãos envolvem
A descobrirem
Os róseos medalhões
Que tocam o céu
O céu de minha boca
Faminta
Sedenta
Tuas pernas
Colunas
Arco de flores
Roliças
Se abrem
Feito portais de mistérios
Intemporais
Leutos
Descerram
Imbecilizado vislumbro
Tua corbelha de flores
Flor de lótus
Pérola oculta
Tua Rosa que desabrocha
Tua flor que aflora
Beijo teus vermelhos lábios
Longamente
Vasculho essa mística boca
Entre doces pétalas
Dela
Extraio o néctar
Polinizo assim minha garganta
Mas o desejo
De cobri-la
De conquistá-la
Feito guerreiro
Só e derradeiro…
Numa fusão de corpos
de suor
de carne
de calor
Meu velo de couro
Devagar
Invade tua rubra taça
Tange
dilacera
deflora tua flor que aflora
Possui tuas entranhas
latente pulsa
Impulsa
Entre sussurros desconexos
E imagens a fins
Derramo o leite dos Deuses
E transbordo
Teu cálice de Amor.

Autor: Lui Bucallon