Arquivo para Marie Claire

Sobre quimioterapia e beleza

Posted in Comportamento, Curiosidades, Estética e Beleza with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , on maio 25, 2015 by Psiquê
Fotos de Edu Chaves

Fotos de Edu Chaves

Na revista Marie Claire de abril, uma reportagem especial me chamou a atenção: 24 mulheres que fazem a diferença. Várias das histórias me encantaram, mas a da Flávia Flores eu quero compartilhar aqui com vocês.

“Flávia tinha 35 anos quando foi diagnosticada com um tipo agressivo de câncer de mama. Um mês depois da notícia, a catarinense submeteu-se a uma mastectomia dupla. Um dia antes de começar a quimioterapia, começou a buscar na internet dicas de como se manter bonita durante o tratamento. Frustrada com o resultado, decidiu criar uma página na internet chamada Quimioterapia e beleza, na qual passou a postar dicas para quem perdeu cabelos, cílios, sobrancelhas, por causa da doença. Mulheres de todo o Brasil e até de Portugal passaram a compartilhar o conteúdo e mandar mensagens de agradecimento. Dois anos depois e um sem quimio, Flávia dá palestras no país e no exterior e escreveu um livro que já está na terceira edição. ‘Quando o paciente está deprimido, todos no entorno ficam tristes. Com a autoestima elevada, as mulheres ganham mais apoio, confiança e a imunidade melhora’, diz Flávia. ‘Mesmo curada eu não vou desistir deste trabalho. Todos os dias mulheres recebem o diagnóstico de câncer e estarei com elas‘, complementa.

Achei emocionante e superimportante a iniciativa. Estamos juntas, Flávia. E por isso faço questão de compartilhar e divulgar sua iniciativa.

Liberdade para Sakineh Ashtiani

Posted in Comportamento, Curiosidades with tags , , , , , , , , , , , , , on agosto 26, 2010 by Psiquê

A revista Marie Claire está fazendo uma campanha em defesa da iraniana Sakineh Ashtiani, de 43 anos,  viúva, com dois filhos. que acusada de adultério, foi condenada à morte pela Justiça do seu país.

Segundo a revista, a primeira sentença decretava que ela fosse enrolada em lençóis brancos, enterrada na areia até os ombros e então golpeada com pedras “grandes o suficiente para causar dor, mas não para matar instantaneamente”. O governo de seu país reviu a pena e indicou que Sakineh não deve ser apedrejada, mas enforcada.

Entidades de direitos humanos passaram a protestar no mundo todo contra a execução. Milhares de pessoas participaram das mobilizações. O presidente Lula ofereceu asilo a Sakineh no Brasil, mas o Irã recusou a proposta.

Espartilho e Marie Claire condenam o tratamento dado às mulheres pela justiça iraniana e apoiam a campanha internacional que pede a libertação de Sakineh.

Assine também o abaixo-assinado “Free Sakineh“, que já tem mais de 200 mil assinaturas virtuais.

Faça sua parte contra esse absurdo.