Arquivo para meditação

Paciência e meditação

Posted in Comportamento with tags , , , , , , , , , , , on abril 28, 2014 by Psiquê

689967_69

 

Confesso que paciência não é muito meu forte, mas é uma virtude que preciso buscar. Há algum tempo, estava praticando meditação, o que ajudava um pouco a aplacar minha ansiedade. Nos últimos meses, não pus muito em prática esse exercício e minha ansiedade tem, como consequência, provocado reações no organismo que não são muito agradáveis. Tensões musculares, dores, lesões, alergias.

O caminho é voltar a praticar essas e outras alternativas que  aumentam a paz e a tranquilidade. Recomeçarei pela meditação, pelo contato com a natureza, busca de momentos de reflexão e calma e é claro aprofundar minha prática de yoga.

Que venha um momento mais calmo e tranquilo.

Namastê!

Cultivando o equilíbrio

Posted in Comportamento, Curiosidades with tags , , , , , , , , , , , , , , on abril 5, 2013 by Psiquê

2602125

Na série de buscas pelo meu autoconhecimento, acabei descobrindo o blog da Jeanni Pilli – http://equilibrando.me/. Claro que esta busca envolve diversos caminhos, buscas, tentativas, mas o blog citado trata do aspecto da saúde mental e da meditação, como um destes caminhos. Aparentemente o blog é novo, mas parece ter vindo envolto numa gama de tão boas e interessantes intenções de troca, que merece ser visto, degustado, admirado, experimentado.

Sua descrição parece resumir bem esta sensação:

“O equilíbrio pode nos devolver o tempo que pensamos não ter. Pode nos permitir dar a quem está ao nosso lado o que temos de mais precioso: a nossa presença. Não tem como comprar, ninguém pode nos dar de presente, mas podemos cultivá-lo. Esta é a nossa grande aventura!”

A busca pelo entendimento e pelo bom funcionamento da mente, seja através do seu esvaziamento, seu aperfeiçamento, seu entendimento, ou o que for, é uma constante em minha vida.

Um dos tantos artigos que me chamou a atenção foi o Meditação, entender ou aprender, talvez por eu ainda não entender o funcionamento da meditação, mas sentir uma vontade de conhecer…

Marcos Rojo, autor do artigo em questão destaca algumas “definições” de meditação:

“Algumas definições de meditação me dão a entender que são baseadas em análises enquanto outras me parecem retratar experiências. Por exemplo:

“Meditação é o voltar para casa”. Esta definição nos remete à sensação que temos quando voltamos para casa depois de um dia difícil, numa noite fria. Para o autor desta definição, a sensação de aconchego, segurança e acolhimento, são comparáveis às sensações obtidas na prática de meditação.

“Meditação é estar aonde a mente está”. Em outras palavras, é estar por inteiro, estar disponível, não deslocar a mente para o passado ou para as fantasias do futuro, é prestar atenção naquilo que se está fazendo. Ou seja, faça o que tem que ser feito com todo seu empenho, envolvendo-se por inteiro, ainda que a tarefa seja simples. Isto também é uma forma de meditação.

“Meditação é um relaxamento de pensamentos e sentimentos”. É como se estivéssemos num lugar onde não precisássemos disfarçar sentimentos. Estamos tão à vontade e tão seguros que não precisamos fingir, podemos ser autênticos, especialmente com a gente mesmo.

“Meditação é um silêncio momentâneo que ás vezes aparece”. Esta é para mim uma das definições mais honestas. Ficamos muito tempo sentados, para sentir, de vez em quando, algo por pouco tempo, mas que já é o suficiente para nos motivar a continuar com a prática. O texto de Patanjali, não fala de quantidade de meditação, mas da qualidade. Podemos ter experiências muito curtas e muito marcantes. Podemos ver uma imagem ou uma cena rápida que nos impressiona para o resto da vida.”

E a conclusão do mesmo é o aspecto mais interessante de todos. Para Rojo, estas definições nos ajudam a entender o que será que devemos sentir quando meditamos, mas só aprenderemos com as nossas sensações individuais.

Curiosamente, todos os dias passamos pelo estado de mente sem pensamentos (samadhi), só que dormindo. Neste momento de sono profundo a mente está quieta, mas, nós não estamos conscientes, então não experimentamos. Se não houve experiência, não houve mudança de comportamento e acordamos iguais, descansados, mas, iguais. Por outro lado, se pudermos sentir o prazer de um estado onde não sentimos falta de nada, não temos medo de nada, não precisamos provar nada para ninguém e onde tudo está correto, ainda que seja por alguns segundos, acredito que seremos outros depois desta experiência.

Tranquilidade

Posted in Comportamento with tags , , , , , , , , , , , , , , , on fevereiro 3, 2013 by Psiquê

333477547377793674_DyUVwPMZ_c

No mês passado tirei 4 curtos, porém deliciosos, dias de férias, ocasião em que fiquei hospedada em um Hotel Fazenda, com direito a massagem relaxante, sauna e piscina. Aparentemente, ‘luxos’ bem modestos e simples, mas que fizeram uma enorme diferença em minha vida…

Venho de jornadas muito tensas e pesadas de trabalho e parar um pouquinho para não pensar em nada e relaxar, por mais que tenha sido por apenas alguns dias, levam à reflexão sobre a necessidade de simplesmente se dar um tempo.

Resolvi, desde então a cada 15 dias dar um upgrade nas minhas massagens estéticas, incluindo uma sessão de massagem relaxante, cuidando da coluna, dos pés, do relaxamento…

Chego agora a cogitar a possibilidade de também incluir minutinhos de relaxamento diários para tentar diminuir a tensão geral do dia a dia.

Esses pequenos momentos dedicados ao nosso próprio bem estar não têm preço e trazem uma mudança profunda nas prioridades do nosso cotidiano.

Se você conhece técnicas simples de relaxamento e descanso, partilhe conosco.

Um beijo e boa semana!

Meditação

Posted in Comportamento, Curiosidades with tags , , , , , , , , , , , on outubro 22, 2011 by Psiquê

João Marcelo Oliveira Machado Olhares 8

Hoje, folheando o livro Osho – Meditação – a primeira e última liberdade -, me deparei com vários trechos que resumem ideias bastante interessantes e simples, porém grandiosas.

Uma delas é sobre a solidão: como natureza interior!

“A solidão é uma flor, um lótus florindo no seu coração.

A solidão é positiva, é saúde. É alegria de ser você mesmo. É a alegria de ter seu próprio espaço.” Muitas vezes eu não entendo, como a maioria das pessoas não consegue ficar em sua própria companhia, procurando sempre uma fuga de si mesmo, quando na verdade estar em sua própria companhia é fundamental para o processo de crescimento pessoal.

Outro ponto interessante do livro, é a “lição” de que meditação é muito mais simples do que se prega por aí: “Qualquer coisa pode ser meditação”

“Este é o segredo: desautomatize-se. Se podemos desautomatizar as nossas atividades, então tudo na vida se torna uma meditação. E aí qualquer coisa, por mais insignificante que seja, como tomar banho de chuveiro, fazer uma refeição ou conversar com um amigo, tudo se transforma em meditação. A meditação é um potencial, uma capacidade que temos e que pode ser projetada ou transferida para qualquer coisa. Não é uma ação específica. Há pessoas que pensam dessa forma, acreditando que a meditação seja um ato isolado em que você se senta de frente para o leste, repete determinados mantras, queima um pouco de incenso, faz isso e aquilo num determinado momento e de uma determinada maneira, acompanhados por determinados gestos. A meditação não tem nada a ver com isso. Todas essas são maneiras de automatizar a meditação e a meditação é contra a automatização. Portanto, enquanto estiver atento, qualquer atividade poderá ser uma meditação e você poderá aproveitar algum movimento imensamente.”

O som do silêncio…

Posted in Comportamento with tags , , , , , , , on fevereiro 8, 2008 by Psiquê

jean-paul-nacivet-4.jpg

Foto: Jean Paul Nacivet

Como já dizia o poeta, ministro e cantor, Gilberto Gil: “Se eu quiser falar com Deus, tenho que ficar a sós. Tenho que apagar a luz, tenho que calar a voz.”

Estava eu,  pensando nas vantagens do silêncio, dado que tentava fechar um projeto e precisava disputar a atenção dos meus neurônios com o martelo da obra do vizinho, o som da televisão na sala e os festejos de carnaval. Acabei esbarrando em um exemplar da revista Estilo Natural que tratava do Som do Silêncio.

Há algumas noites, principalmente quando preciso trabalhar até tarde com o computador, deito e minha mente não cansa de falar, falar, falar. Apesar do silêncio no quarto, os sons da mente se afogam entre tantos estímulos internos e o sono se torna um prazer raro e difícil. É por essas e outras que tenho pensado em meditar, em parar um pouco e deixar minha mente acalmar e falar comigo. Nós não temos o hábito de ‘ouvir’ o silêncio.

“E como podes ver, ainda falo demasiadamente, e isto é sinal de que não sou sábio, porque a virtude se adquire no silêncio.” Umberto Eco.

Nesse mundo repleto de estímulos inquietantes, resta-nos clamar: PARE, PRESTE ATENÇÃO, OUÇA, REFLITA. Muitas vezes, ouço amigos dizerem que quando estão em casa sozinhos ligam a TV, o som, o computador, pois não conseguem ficar em silêncio. Já parou para pensar quantas coisas é possível entender, encontrar dentro de si mesmos quando ficamos em silêncio e nos damos a chance de ouvir nosso interior? Nossos sonhos? Nossos desejos? Nossos medos?

Eckhart Tolle, autor do livro O Poder do Silêncio alerta: “Sempre que houver silêncio a sua volta, ouça-o. Isso significa: apenas perceba-o. Preste atenção nele. (…) A verdadeira inteligência atua silenciosamente. A calma é o lugar onde a criatividade e a solução dos problemas são encontradas. A sabedoria vem da capacidade de manter a calma e o silêncio interior. Com o silêncio vem a benção: paz”.

Portanto, convido-os a silenciar, nesse mundão barulhento e veloz, para tentarmos compreender melhor a nós mesmos e aos outros. Beijo!

“Cada gota de silêncio é a chance para que um fruto venha a amadurecer.” Paul Valéry