Arquivo para natureza

Eu não vim da sua costela…

Posted in Comportamento with tags , , , , , , , , , , , , , , , on maio 5, 2016 by Psiquê

Hoje pela manhã, uma imagem atravessou minha vista e me chamou muito atenção. Era uma mulher em uma passeata carregando um cartaz que dizia: “Eu não vim da sua costela, você que veio do meu útero”. Aquilo me pareceu tão incrivelmente pensado e bem escrito, porque resume uma das coisas mais essenciais para se combater o arcaico e ultrapassado machismo que impregna a nossa sociedade.

Eu não vim da sua costela

Em complemento a ideia que o cartaz suscitou, eu estava lendo uma matéria publicada na Revista Cult nº 210, de março de 2016 , sobre as percepções do feminismo. Mais precisamente a matéria que se intitula “Consciência e lutas feministas: conquistas e desafios no Brasil”,  por Mirla Cisne. Temos visto no país um crescimento dos debates e lutas em defesa dos direitos da mulher, igualdade de gêneros, combate à violência, etc. Ainda assim, muitas coisas ainda precisam ser asseguradas. Há questões básicas ainda não garantidas e apesar dos grandes avanços das leis e das conquistas, tudo parece ainda muito frágil em uma sociedade ainda com muitos traços patriarcais e machistas.

A matéria em questão elenca 5 eixos que estruturam a consciência militante feminista. O cerne da questão não é ficar bradando violentamente que as mulheres devem ter x direitos, que homens são todos iguais, ou qualquer coisa rasa deste tipo.  Fundamental é entender que vivemos sob uma estrutura  patriarcal-racista-capitalista para compreendermos a natureza  e a importâncias dessas lutas. Admitir isso é o primeiro passo para reconhecer a necessidade de mudanças.

Os cinco eixos são os seguintes:

  1. Aproximação de si: no sentido de nos reconhecermos como sujeitos e passarmos a lutar por nossa autonomia e liberdade;
  2. A experiência de sair de casa e a casa sair de dentro de nós: significa a ruptura com a naturalização da responsabilização unilateral da mulher pelo lar e pela família. “Não basta trabalharmos fora do lar quando quando continuamos sendo responsabilizadas pelo trabalho doméstico, por exemplo.”
  3. Perceber-se na outra:consiste na identificação com a outra da sua condição de opressão;
  4. Importância do grupo de militância política: possibilita o avanço da consciência de uma rebeldia ou indignação ainda desordenadas para o processo de uma organização política coletiva;
  5. Formação política associada às lutas concretas de reivindicação e de enfrentamento.

Assusta um pouco que algumas conquistas corram o risco de retroceder e outras de não avançar pelo excesso de fundamentalismo e de machismo na nossa sociedade. Já não podemos mais aceitar desigualdades e violências de gênero ou de qualquer outra natureza.

Basta!!!

Anúncios

Hoje eu quero agradecer…

Posted in Comportamento with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on setembro 9, 2014 by Psiquê

870db71a9d9996b31455e8c886be3bc3

Pode até parecer clichê, mas hoje eu só quero agradecer…

Há alguns dias de celebrar mais um ano de vida, eu me sinto verdadeiramente agraciada pela vida que tenho. Não digo que não tenho problemas, ou momentos em que não vejo o brilho das coisas…

Muitas vezes estou cansada, querendo desistir, descansar,  mudar o rumo, mas a verdade é que me sinto uma vitoriosa por cada dia vivido. Sinto-me mais forte todas as vezes que acordo quando ainda está escuro para cuidar da minha saúde e sigo em direção ao meu treino matinal, meu pilates, meu trabalho, minhas leituras, meu yoga…

Sinto-me agraciada todas as vezes em que acendo um incenso e permito que as energias fluam, desfrutando da possibilidade de sentar no sofá, fazer meu dejejum com alimentos saudáveis, que me fazem bem…

A possibilidade de viver bem esta vida e ser grata por cada dia que recebemos é uma dádiva. Para completar meus dias, eu ainda gostaria de completar ainda mais duas metas: conseguir antes dos meus treinos ou antes de deitar, meditar por alguns minutos diários – desafio que ainda não consegui cumprir, seja porque acordo muito cedo, ou porque à noite ainda não me organizei – e conseguir encaixar mais alguns dias de yoga na minha semana, pois sinto necessidade de mais tempo de prática.

Eu não consigo entender como alguém pode não conseguir enxergar as maravilhas que temos a cada dia de vida:

  • Podem ser as forças da natureza, seja pela chuva, pela linda luz da lua ou o sol maravilhoso. No último domingo, depois de meses, diante de um lindo dia de sol e não muito quente, fui à praia e confesso que foi uma experiência maravilhosa. Curtir o sol ainda que fraquinho, o vento e o som do mar;
  • Conseguir vencer diariamente do desafio da preguiça e me exercitar para diminuir o estresse, dar ao meu corpo físico e mental uma oportunidade de relaxar e liberar toxinas;
  • Alimentar-me com cuidado e amor, sabendo que tudo o que ingiro traz consequências positivas ou negativas ao meu organismo;
  • Ser atenta aos limites do meu corpo, ao cansaço, às dores físicas e às suas necessidades de descanso, massagem, repouso, carinho, sono, etc. 
  • Agradecer, agradecer, agradecer por todas as experiências pelas quais passo e passei e que me tornam esta pessoa que sou hoje;
  • Ser grata a todas as pessoas que conheci ao longo da vida e que dividiram comigo um pouco de suas percepções e experiências, fazendo com que eu pudesse enxergar todas estas maravilhas…
  • Por todas as minhas escolhas rumo a uma vida mais saudável: boa alimentação, yoga, treino funcional, pilates, livros, cinema, família, terapia, amor, o Espartilho, gratidão…

Obrigada! Obrigada! Obrigada!

Namastê!

09b6c83f55263805e62869c408e2a2bc

Impermanência

Posted in Comportamento with tags , , , , , , , , , , , , , , , on julho 30, 2014 by Psiquê

93192cbfaa3c97fb06c9e02ab3c1140d

 

Na revista Yoga Journal deste bimestre, várias reportagens sobre as mudanças e a perenidade da vida me chamaram atenção. Mas a matéria sobre a impermanência se destacou, o núcleo duro defendido no texto é a necessidade de nos adaptarmos às mudanças para envelhecermos bem e felizes.

A contemporaneidade se acostumou a resistir às mudanças do tempo e a querer eternizar a juventude, levando todos nós a uma luta contra o tempo impossível de se vencer. O tempo está aí e a única coisa que podemos fazer é lidar com ele e viver o presente. Precisamos, portanto, viver bem o momento atual, buscando o melhor do agora, para conseguirmos um amanhã mais próximo do que escolhemos hoje.

“Nada é estático, tudo muda constantemente e podemos comparar nossas vidas com ciclos naturais da natureza. Aliás, o Ayurveda preconiza há longas datas que o ser humano só terá saúde quando se conscientizar dessa sabedoria e viver conectado com os ritmos da natureza”, defende Marcia De Luca, autora do texto.

Recomendo a leitura da revista inteira.

Beijo e um ótimo dia, Namastê!

Eros e Psiquê

Posted in Curiosidades, Relacionamento, Romance with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , on julho 28, 2014 by Psiquê

Hoje este blog ganhou uma nova face, depois de longos anos, encontrei uma personagem linda que reflete parte do encantamento feminino que sempre busquei retratar aqui. Psiquê é quem escreve e compartilha seus sonhos, ideias e desejos com vocês. Claro que os mitos servem para encantar nossas vidas em termos figurado, mas a nosso modo, vamos discutindo o mundo feminino desde suas origens até os dias de hoje com todas as mudanças que a vida nos proporciona.

A história de Eros e Psique, contada por Adília Belotti

Jacques Louis David Cupido y Psique 1817

(…) Há muito, muito tempo, quando os deuses ainda viviam entre os homens, havia na Grécia um rei que tinha três filhas. Todas belíssimas, todas em idade de casar. (Por favor, recordem-se, casar naqueles tempos era o mais importante ritual de passagem, e não só para as mulheres)…

Falei que as filhas do rei eram belas, mas a mais nova delas, Psiquê, era mais do que bela. As palavras humanas não davam conta de descrever seus encantos e os milhares de pretendentes que chegavam ao reino, atraídos pela fama das irmãs, sentiam-se indignos diante dela e sequer ousavam pedi-la em casamento. O reino fervilhava, gente de todos os outros reinos vinham em romarias e se deixavam ficar pela cidade, apenas esperando ver a jovem princesa passar; músicas e poemas eram escritos em sua homenagem, mas Psiquê, no alto do castelo de seu pai, continuava solitária: nenhum homem podia se apaixonar por uma mulher bela como uma deusa…

A fúria de Afrodite
E como os deuses não costumam tolerar os arroubos divinos dos humanos… Afrodite estava mais do que furiosa! Como ousava uma mortal ser mais bela do que a própria Deusa da Beleza? “Vê, Grande Mãe da Natureza, origem de todos os elementos, observa como tu, que és a alma de todo o universo, estás dividindo as honras da majestade com uma simples mortal e como teu nome está sendo profanado pelos humanos!”, resmungava a deusa para si mesma.

Chamou seu filho – quem senão Eros – o Deus do Amor e mandou, como só mandam as mães: Psiquê deveria se apaixonar perdidamente pelo mais horrendo dos homens. E mal disse, partiu, deixando o filho com a imagem da princesa. Partiu Afrodite, solene, para o mar, onde nascera, e que se abria encantado a cada vez que a deusa tocava os pés nas brancas espumas…

O destino de Psiquê
Enquanto isso, desesperado com a situação da filha mais nova, o rei havia decidido buscar os conselhos do oráculo do deus Apolo: “Vista a princesa de luto, leve-a à mais alta rocha à beira do mar. Lá, uma serpente alada virá buscá-la e a transformará em sua esposa!”. Terrível profecia! Mas como os gregos não costumavam discutir os conselhos dos deuses, a bela Psiquê foi levada em cortejo pelas ruas para cumprir seu destino, em meio às lágrimas e à tristeza de todos.
Mas qual seria o destino de Psiquê? Sem querer – ops, como pode uma deusa fazer algo sem querer? – Afrodite não tinha apenas alterado o futuro de sua rival. Sozinho com a imagem da jovem, Eros havia se apaixonado, irremediavelmente…
Uma pausa, só para perguntar se você reconhece por detrás do cenário os temas universais que tornam esta história fascinante ainda hoje?
Mas espere só para ver… é claro que será Eros em forma de “monstro alado” que vai resgatar Psiquê acorrentada no alto do rochedo. É ele que vai tornar-se seu esposo, com uma única condição: a princesa jamais poderia ver o rosto do marido! Parece fácil, não é? Mas todas as mulheres que um dia tentaram manter casamentos ou relações à custa de varrer para baixo do tapete os aspectos sombrios do parceiro ou da relação sabem que esta é realmente uma tarefa impossível.

psique_in_garden

Curiosidade e revelação
E foi impossível mesmo para Psiquê. Embora feliz como um gato (parênteses: quer dizer, vivendo como uma rainha, rodeada de todo luxo de que precisava e com um marido amoroso que só via à noite e no escuro…) algo a incomodava. Um dia, alimentada pelas suspeitas das irmãs invejosas de sua riqueza, ela decide descobrir com quem estava realmente casada. Aproximou-se do marido e, pela primeira vez ousou olhar. E, imediatamente, apaixonou-se pelo Deus do Amor… Psiquê, aflitíssima, queria voltar atrás, fingir que nada havia acontecido, continuar sua vidinha, mas não era mais possível. A cera da lâmpada escorreu e pingou no rosto do deus adormecido…
E lá está a pobre Psiquê em prantos… Eros, indignado, vai embora sem ouvir as desculpas nem ligar para as lágrimas da esposa. E, de certa forma, é neste momento que a história começa de verdade. Porque, para recuperar o amor e a confiança do marido, Psiquê precisa percorrer um longuíssimo caminho.

A longa viagem da alma
Em grego, Psiquê significa “alma”. No momento em que conhece o esposo, a jovem se transforma em mulher, apaixona-se e precisa sair em busca de si mesmo. A história de Psiquê foi usada pelos estudiosos como analogia para a história do desenvolvimento da alma. E não são fáceis estes movimentos da alma. Assim como a jornada de Psiquê, o caminho do autoconhecimento e do amor verdadeiro é cheio de perigos, cheio de armadilhas. Nenhum herói se faz sem provar sua coragem e sua competência. Psiquê é uma história de heróis, feminina…
Quando parte em busca do amado, Psiquê está absolutamente só… mas grávida (talvez porque as mulheres, quando decidem percorrer seu caminho feminino, nunca estejam de fato sós; talvez porque toda decisão de mudança faça germinar uma semente de possibilidades). Mesmo assim, nem os outros deuses se atrevem a ajudá-la. Finalmente, é levada até a própria Afrodite que, como não poderia deixar de ser, uma vez que este é um legítimo conto de fadas, impõe à moça várias tarefas, para testá-la ou para destruí-la. As tarefas de Psiquê
Seu primeiro trabalho é separar um gigantesco monte de grãos variados em pilhas organizadas. E como não podia pedir ajuda aos deuses, Psiquê chama pelas pequenas criaturas da terra e as formigas vêm em seu auxílio. Depois desta, Afrodite manda a nora trazer a penugem de ouro que cobria a pele de uns carneiros ferozes que vagavam pelos campos. Mais uma vez, quem salva a moça é uma criatura da terra, um junco que lhe dá bons conselhos: “seja paciente, menina, aguarde o momento certo. Quando cair a noite, os ferozes carneiros não vão parecer tão ferozes, nem tão ameaçadores para quem traz em si a semente do feminino”…
Para completar a terceira tarefa, Psiquê deve trazer a água da fonte que alimenta os rios infernais, no cume de um rochedo. Desta vez, quem vem ajudar a jovem é a águia de Zeus, a pedido de Eros, que começava a sentir saudades da esposa. Afrodite dá ainda à moça uma última tarefa. A mais difícil. E se você – que está lendo – é mulher, vai concordar… Psiquê deve descer até as profundezas do mundo subterrâneo e pedir o creme de beleza de Perséfone, a rainha do Hades. Quando a moça já vem vindo de volta, quase chegando, quase vitoriosa, não resiste e abre a caixinha, na esperança de passar na pele um pouquinho só do creme mágico e tornar-se mais bela… para Eros. E no mesmo instante, é envolvida pelo sono da morte! Não, nem adianta se impacientar com a vaidade da moça.

Vaidade e “fracasso”
Erich Neumann, que conta a história no belo livro Eros e Psiquê, comenta: no momento em que escolhe o fracasso de forma tão paradoxal, Psiquê realiza seu destino feminino (lembram que eu falei que esta é uma aventura, com heróis e tudo, mas heróis femininos…). E obtém o perdão de Afrodite, que reconhece na moça que desiste de tudo por amor um pouco de si mesma.

E é um Eros que não tem mais nada do menino ferido, que busca abrigo nas pregas da saia da mãe, quem vai acordar Psiquê. Ele devolve o sono à caixinha, toca a mulher com a ponta de suas asas e diz a ela para ir cumprir sua tarefa até o final, sem medo… É ele que vai ao Olimpo solicitar a benção dos deuses para o casamento. E é ele que pede a Hermes, o deus-guia, que conduza Psiquê à sua nova e eterna morada.

Final feliz e recomeços
A história acaba como devem acabar todas as histórias: os deuses comemoram as núpcias de Psiquê e Eros com um grande banquete. Zeus oferece à jovem o néctar da imortalidade. Afrodite, a Grande-Mãe, ora terrível, ora bela, apaziguada, recebe sua nora. E juntas celebram o mistério do nascimento e do renascimento, quando Psiquê dá à luz uma menina, Volúpia… que vai ser chamada também, Deleite ou Bem-aventurança. Expressão mais do que feminina da união entre o humano e o divino…

A sutileza do encanto…

Posted in Erotismo, Poesia Erótica, Relacionamento with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , on julho 26, 2014 by Psiquê

Desire

Estava refletindo sobre a questão do encantamento, dos sentimentos, dos desejos, das sensações e o quão tênue pode ser a linha entre o encanto e a desilusão. Não há como racionalizar certas coisas…

…muitas das nossas sensações são inexplicáveis e incompreensíveis à luz da racionalidade. Observar uma foto como esta, ouvir uma música gostosa, sentir um gosto exótico, um perfume atraente, desfrutar de um toque inesperado…as válvulas que despertam o desejo podem ser das mais variadas naturezas e origens, mas a capacidade de despertar em cada um a seu modo o desejo ou o desprezo são por vezes impossíveis de explicar.

Essa é uma das razões pelas quais nós, seres humanos, somos encantadores e apaixonantes. Este meu blog é uma joia, pois permite dividir com vocês um pouco do meu encantamento com a natureza humana e nossa capacidade de encantar, desejar, apaixonar, amar…

Tenham uma noite encantada, bebam uma taça de vinho, assistam ao filme que desejarem, degustem uma comida gostosa, comam um chocolate, apreciem cada segundo que a vida pode lhes proporcionar.

Uma ótima noite de sábado a todos.

 

E chegou setembro

Posted in Comportamento, Curiosidades with tags , , , , , , , , , , , , , , , , on setembro 4, 2010 by Psiquê

Audrey Hepburn

Chegou setembro, o mês que eu mais gosto no ano.

Mês das flores, mês da primavera gostosa, mês do meu aniversário e, neste ano, completo 30 primaveras.

A natureza se apresenta com mais alegria, as caminhadas matutinas são retomadas, o inverno se despede, mas ainda refresca a temporada. Tudo em setembro é mais gostoso

O mês já começa com as ideias para comemorar mais um aniversário e, assim, celebrar  a vida… Eu amo setembro!

Encontrei um texto sobre setembro, do prof. Luiz Marins, bem bonitinho.

Setembro chegou. Ligue a sua sensibilidade.

“Setembro é um mês especial. O inverno vai acabar. Os dias vão se tornar mais longos e as noites mais curtas. A natureza começará a mostrar sua face mais bonita e exuberante. As sementes escondidas pelo inverno brotarão numa explosão de vida.

Não deixe que este mês seja para você uma simples continuação do inverno. Aproveite setembro para aumentar sua sensibilidade em relação às pessoas, em relação à natureza, em relação à vida. Aproveite setembro para pensar mais, rever suas emoções, desabrochar sua criatividade, ser mais gentil, mais polido, mais gente.

Aproveite as tardes de setembro para caminhar, cismar, jogar conversa fora, visitar parentes e amigos esquecidos pela correria, pelos afazeres, pelos invernos da vida que nos fazem recolhidos pelo frio da insensibilidade e do egoísmo.

Aproveite setembro para desenvolver em seu trabalho um clima de amizade, cordialidade, espírito de time, de união. Proponha atividades de integração e de expressão artística que aumentem a sensibilidade de todos em relação aos clientes, fornecedores, comunidade. Setembro é muito propício para iniciar trabalhos com a comunidade que poderão se desenvolver até a grande confraternização do Natal.

Enfim, não deixe setembro passar em branco. Pinte o seu setembro das cores que a natureza oferece. Abra seus olhos para ver o verde, as flores a beleza da botânica de nossos trópicos. Abra seus ouvidos para ouvir o assanhamento dos pássaros ao entardecer. Redescubra em você a sensibilidade. Lembre-se que você é gente. Você não é uma máquina a serviço da sociedade de consumo que só vê prazeres nos bens materiais e se esqueceu das pessoas, da família e começa a perder o sentido da própria vida. Faça neste setembro um exercício de desembrutecimento.

Viva setembro! E viva com toda a força do verbo viver!”

Vamos então curtir cada dia de setembro felizes e esperançosos.

Aproveite o seu setembro!

Um beijo!

Bons hábitos evitam gasto desnecessário de energia

Posted in Comportamento, Saúde with tags , , , , , , , , , on janeiro 30, 2008 by Psiquê

mulher-flor.jpg

Recentemente recebi uma mensagem sobre a importância do Feng Shui interior para o equilíbrio energético pessoal. Coincidentemente, estava vivendo um período em que a preocupação com tarefas inacabadas – que dependem de mim e outras não – estavam deixando meu corpo e minha mente extremamente cansados. Resolvi, então, partilhar com o público do Espartilho parte das dicas que constavam na mensagem, com cuidados que evitam a perda desnecessária de energia. Abaixo, algumas atitudes que podem esgotar nossas energias e os cuidados para evitá-las.

Atitudes pessoais capazes de esgotar as nossas energias:

1. Maus hábitos e falta de cuidado com o corpo: Descanso, boa alimentação, hábitos saudáveis, exercícios físicos e o lazer são sempre colocados em segundo plano. A rotina corrida e a competitividade fazem com que haja negligência em relação a aspectos básicos para a manutenção da saúde energética.

2. Pensamentos obsessivos: Pensar gasta energia, e todos nós sabemos disso. Ficar remoendo um problema cansa mais do que um dia inteiro de trabalho físico. Quem não tem domínio sobre seus pensamentos – mal comum ao homem ocidental, torna-se escravo da mente e acaba gastando a energia que poderia ser convertida em atitudes concretas, além de alimentar ainda mais os conflitos. Não basta estar atento ao volume de pensamentos, é preciso prestar atenção à qualidade deles. Pensamentos positivos, éticos e elevados podem recarregar as energias, enquanto o pessimismo consome energia e atrai mais negatividade para nossas vidas.

3. Sentimentos tóxicos: Choques emocionais e raiva intensa também esgotam as energias, assim como ressentimentos e mágoas nutridos durante anos seguidos. Não é à toa que muitas pessoas ficam estagnadas e não são prósperas. Isso acontece quando a energia que alimenta o prazer, o sucesso e a felicidade é gasta na manutenção de sentimentos negativos. Medo e culpa também gastam energia, e a ansiedade descompassa a vida. Por outro lado, os sentimentos positivos, ‘como a amizade, o amor, a confiança, o desprendimento, a solidariedade, a auto-estima, a alegria e o bom-humor recarregam as energia e dão força para empreender nossos projetos e superar os obstáculos.

4. Fugir do presente: As energias são colocadas onde a atenção é focada. O homem tem a tendência de achar que no passado as coisas eram mais fáceis: “bons tempos aqueles!”, costumam dizer. Tanto os saudosistas, que se apegam às lembranças do passado, quanto àqueles que não conseguem esquecer os traumas, colocam suas energias no passado. Por outro lado, os sonhadores ou as pessoas que vivem esperando pelo futuro, depositando nele sua felicidade e realização, deixam pouca ou nenhuma energia no presente. E é apenas no presente que podemos construir nossas vidas.

5. Falta de perdão: Perdoar significa soltar ressentimentos, mágoas e culpas. Libertar o que aconteceu e olhar para frente. Quanto mais perdoamos, menos bagagem interior carregamos, gastando menos energia ao alimentar as feridas do passado. Mais do que uma regra religiosa, o perdão é uma atitude inteligente daquele que busca viver bem e quer seus caminhos livres, abertos para a felicidade. Quem não sabe perdoar os outros e si mesmo, fica “energeticamente obeso”, carregando fardos passados.

6. Mentira pessoal: Todos mentem ao longo da vida, mas para sustentar as mentiras muita energia é gasta. Somos educados para desempenhar papéis e não para sermos nós mesmos: a mocinha boazinha, o machão, a vítima, a mãe extremosa, o corajoso, o pai enérgico, o mártir e o intelectual. Quando somos nós mesmos, a vida flui e tudo acontece com pouquíssimo esforço.

7. Viver a vida do outro: Ninguém vive só e, por meio dos relacionamentos interpessoais, evoluímos e nos realizamos, mas é preciso ter noção de limites e saber amadurecer também nossa individualidade. Esse equilíbrio nos resguarda energeticamente e nos recarrega. Quem cuida da vida do outro, sofrendo seus problemas ‘e interferindo mais do que é recomendável, acaba não tendo energia para construir sua própria vida. O único prêmio, nesse caso é a frustração.

8. Bagunça e projetos inacabados: A bagunça afeta muito as pessoas, causando confusão mental e emocional. Um truque legal quando a vida anda confusa é arrumar a casa, os armários, gavetas, a bolsa e os documentos, além de fazer uma faxina no que está sujo. À medida que ordenamos e limpamos os objetos, também colocamos em ordem nossa mente e coração. Pode não resolver o problema, mas dá alívio. Não terminar as tarefas é outro “escape” de energia. Todas as vezes que você vê, por exemplo, aquele trabalho que não concluiu, ele lhe “diz” inconscientemente: “você não me terminou! Você não me terminou!” Isso gasta uma energia tremenda. Ou você a termina ou livre-se dela e assuma que não vai concluir o trabalho. O importante é tomar uma atitude. O desenvolvimento do autoconhecimento, da disciplina e da terminação fará com que você não invista em projetos que não serão concluídos e que apenas consumirão seu tempo e energia.

9. Afastamento da natureza: A natureza, nossa maior fonte de alimento energético, também nos limpa das energias estáticas e desarmoniosas. O homem moderno, que habita e trabalha em locais muitas vezes doentios e desequilibrados, vê-se privado dessa fonte maravilhosa de energia. A competitividade, o individualismo e o estresse das grandes cidades agravam esse quadro e favorecem o vampirismo energético, onde todos sugam e são sugados em suas energias vitais. A perda de energia pessoal pode ser manifestada de várias formas, tais como:

  • falha na memória (o famoso “branco”);
  • o cansaço físico;
  • o sono deixa se ser reparador;
  • ocorrência de doenças degenerativas e psicossomáticas.

Para economizar energia – o crescimento pessoal, a prosperidade e a satisfação diminuem – os talentos não se manifestam mais por falta de energia, o magnetismo pessoal desaparece, medo constante de que o outro o prejudique, aumentando a competição, o individualismo e a agressividade, falta proteção contra as energias negativas e aumenta o risco de sofrer com o “vampiro energético”.