Arquivo para obras

Eternamente, Frida Kahlo

Posted in Cultura e Arte, Curiosidades with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on abril 16, 2015 by Psiquê

“No tengo dolores. Solamente cansancio… y como es natural muchas veces desesperación. Una desesperación que ninguna palabra puede describir. Sin embargo tengo ganas de vivir.” Frida Kahlo

slide_359553_4010190_compressed

Frida Kahlo é, para mim e para muitos, uma inspiração…um exemplo de superação, de luta pessoal e política. Deixou sua marca em várias gerações. Recentemente o Museu Oscar Niemeyer em Curitiba, recebeu uma exposição com imagens dela, lamentavelmente não pude testemunhar, mas existem vários meios de reencontrar um pouco de sua história hoje. Se puderem assistir ao filme Frida, de 2002, parte de sua trajetória é retratada. Um pouco das tragédias pelas quais passou e superou, o relacionamento com Diego Rivera, o caso com Leon Trotsky, etc.

Eu declaro aqui minha enorme admiração por Frida.

slide_359553_4010191_compressed

“Única e intensa, Frida Kahlo pode ser considerada uma mulher a frente de seu tempo e cheia de vida – mesmo com todas as dificuldades que precisou enfrentar, desde doenças a traições – e se tornou, ao longo dos anos e até depois de sua morte, um ícone das artes e do universo feminino. Veja a seguir algumas razões para admirar Frida:

1. Viu beleza nas tragédias – irremediáveis – da vida

A inspiração de Frida para suas pinturas e fotografias, vieram de suas angústias e dificuldades em lidar com sua própria condição. Quando criança, Frida contraiu poliomielite que deixou uma lesão no seu pé esquerdo, e ganhou o apelido de ‘Frida perna de pau’. Mais tarde, em 1925, a artista sofreu um acidente em que teve múltiplas fraturas e precisou fazer 35 cirurgias. Foi nesse período, em que ficou presa à sua cama e com problemas na coluna, que começou a pintar e retratar suas angústias e frustrações em suas criações. A biógrafa Hayden Herrera, no livro “Frida – A Biografia”, cita uma fala da artista que demonstra a vontade de viver:

“Por eu ser jovem”, ela disse, “o infortúnio não assumiu o caráter de tragédia: eu sentia que tinha energias suficientes para fazer qualquer coisa em vez de estudar para virar médica. E, sem prestar muita atenção, comecei a pintar.”

2.Transformou suas deficiências em estilo

Cheias de cores e ricas em elementos florais, as roupas de Frida Kahlo viraram tendência e ícones de estilo e até ganharam exposição e livro só para elas. Enquanto, na verdade, sua autenticidade era uma forma de esconder suas deficiências provocadas pelo acidente, em 1925, e pela poliomielite que teve quando pequena, que deixou sequelas em seu pé esquerdo. Seus sapatos, inclusive, eram adaptados exclusivamente para ela, com um salto maior do que o outro para nivelar sua altura. Seus ‘corpetes’, na verdade, eram coletes ortopédicos.

3. Escolheu viver com intensidade um amor cheio de defeitos

Na maioria de suas obras, Frida se autorretratou: as angústias, as vivências, os medos e principalmente o amor incondicional que sentia pelo marido, o pintor e muralista mexicano mais importante do século 20 Diego Rivera, com quem se casou em 1929. Mesmo com uma relação complicada enquanto casal e rodeada de traições de ambas as partes, foi ele que ajudou Frida a revelar-se como artista.

4. Sofreu três abortos

Após muitos altos e baixos na carreira e na vida com Diego Rivera, Frida sofreu três abortos, enquanto tinha a esperança de ser mãe e constituir uma família completa ao lado do marido.

5. Teve uma perna amputada

Com o tempo, Frida foi ficando mais sensível e seu estado de saúde também. Em 1950, em decorrência da poliomielite que teve na infância, os médicos diagnosticaram a amputação da de sua perna esquerda, o que a fez entrar em depressão. Mesmo assim, a artista continuou a pintar: uma de suas últimas obras foi “Natureza Morta (Viva a Vida)”.

6. Viveu um romance escondido com Leon Trotsky

Amigos de revolucionários da época, Frida e Diego chegaram a abrigar um dos ícones da revolução russa em casa: Leon Trotsky, sua mulher e netos foram acolhidos pelo casal. O que é menos sabido é que Trotsky e Frida tiveram um romance que durou quase um ano e havia recém terminado quando Rivera o descobriu.

7. Era para ter se formado médica

Frida tinha um destino traçado: antes de começar sua carreira nas artes, ela cursava faculdade de medicina no México. Mas sua relação com as artes vinha desde pequena, quando, seu pai, Guillermo Kahlo, fazia pinturas autorais para passar o tempo.

8. Morreu aos 47 anos

Na madrugada do dia 13 de julho de 1954, Magdalena Carmen Frida Kahlo y Calderon foi encontrada morta dentro de casa. Ela tinha 47 anos. As últimas palavras foram encontradas em seu diário: “Espero alegre a minha partida – e espero não retornar nunca mais”. O caderno com diversas anotações secretas da artista virou livro.

9. Foi capa da revista Vogue

Em 2012, A Vogue México deixou de lado as modelos para sua capa de novembro e estampou a publicação com ninguém menos que a pintora Frida Kahlo (1907-1954). Quase 60 anos após a morte da artista mexicana, com imagem feita pelo fotógrafo Nickolas Muray, Frida estampa pela primeira vez a capa de uma revista de moda.

10.Mexer nos pertences de Diego e Frida era proibido

Após a morte da pintora, Diego Rivera exigiu 15 anos de segredo para os pertences do casal. No entanto, ele morreu três anos depois e deixou Dolores Olmedo, uma colecionadora de arte, como administradora de seu acervo e ela se recusou a dar acesso às peças até para o Museu Frida Kahlo. Somente após sua morte, em 2004, os objetos foram desbloqueados e formaram a exposição sobre as roupas e pertences de Frida nunca antes vistos pelo público.

Este texto foi escrito com base no original de divulgação da exposição no museu Niemeyer, veja aqui.

Um beijo e boa leitura.

Anúncios

Imaginação

Posted in Comportamento, Cultura e Arte with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on agosto 14, 2014 by Psiquê

3282540Uma das mais incríveis capacidades humanas é a de imaginar…

Quando vejo a fertilidade da mente das crianças, quantas histórias diferentes elas vivem e contam em fração de segundos, fico encantada…

No outro dia em uma conversa em família, meu irmão me disse: você tinha um amigo imaginário com quem conversava no caminho para a escola e eu acabava fazendo coisas imaginárias também…

…achei aquele relato engraçado, pois eu mesma não lembrava daquilo, mas sempre fui sonhadora, amante dos diários e dos caderninhos de história. A partir de então comecei a pensar no quão mágico seria se nós adultos preservássemos esta capacidade criativa da infância. Claro que existem grandes nomes, pessoas “abençoadas” que conseguem eternizar em obras de artes, textos, canções, histórias que imaginam ou que mantém em seus mundinhos internos.

Uma pena que depois de adultos, tenhamos tantos estímulos racionais e pragmáticos, que dependendo do espaço que deixemos para a criação, que nos levamos a sublimar e abandonar esta verve criativa.

“Imaginar é mais importante que saber, pois o conhecimento é limitado, enquanto a imaginação abarca o universo.” Albert Einstein

Eu desejo que a imaginação tenha sempre espaço em todas as vidas, para que possamos criar, sonhar, amar, viajar nas ideias.

Tenham uma ótima semana!

Simone de Beauvoir, uma mulher à frente do seu tempo

Posted in Cultura e Arte, Curiosidades with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on janeiro 9, 2014 by Psiquê

simone-de-beauvoir

Hoje celebramos o 106º aniversário de nascimento de Simone de Beauvoir e diante desta data, resolvi homenageá-la aqui no Espartilho. Ela nasceu em Paris em 09 de janeiro de 1908 e teve uma estreita relação com Jean-Paul Sartre ao longo da vida. Morreu em 14 de abril de 1986, aos 78 anos, de pneumonia, seis anos após a morte de Sartre. Sua vida e carreira são grande marco na filosofia e cultura mundial por ter se tornado uma importante escritora e também ser uma mulher independente. Seus restos mortais encontram-se sepultados no mesmo túmulo que Sartre no Cemitério de Montparnasse, em Paris.

Listo abaixo os 21 livros que Beauvoir escreveu:

  • A convidada (1943)
  • Pyrrhus e Cinéas (1944)
  • O sangue dos outros (1945)
  • As Bocas Inúteis (1945)
  • Todos os homens são mortais (1946)
  • Por uma Moral da Ambigüidade (1947)
  • A América dia a dia (1948)
  • O segundo sexo (1949)
  • Os mandarins (1954)
  • Privilèges (1955)
  • A Longa Marcha (1957)
  • Memórias de uma moça bem-comportada (1958)
  • Na Força da Idade (1960)
  • A força das coisas (1963)
  • Uma Morte Muito Suave (1964)
  • As Belas Imagens (1966)
  • A Mulher Desiludida (1967)
  • A velhice (1970)
  • Tudo dito e feito (1972)
  • Quando o Espiritual Domina (1979)
  • A cerimônia do adeus (1981)

Para saber um pouco mais sobre ela, visitem o blog Avec Beauvoir que faz um trabalho bem interessante reunindo informações sobre ela.

A Revista Parâmetro publicou em 2011, um texto bem interessante sobre ela, intitulado O legado de Simone de Beauvoir, cuja autoria é de Maria Pionório. Compartilho com vocês o texto:

Simone de Beauvoir sem sombra de dúvidas foi uma das figuras mais importantes do feminismo, conquanto não quisesse ser relacionada com este termo. Como afirma em A força das coisas “nunca nutri a ilusão de transformar a condição feminina, ela depende do futuro do trabalho no mundo (…) É por isso que eu evitei me fechar no que chamam de ‘o feminismo’.” (BEAUVOIR, 1963, p. 267). Dramaturga, escritora e filósofa existencialista Simone de Beauvoir juntamente com Jean-Paul Sartre foi uma das fundadoras da revista Os Tempos Modernos (Les Temps Modernes em francês) criada em 1945, periódico este que se caracterizava por suas posições radicais consideradas esquerdistas. Beauvoir publicou mais de 20 obras e seus escritos estão separados em ensaios, romances e memórias.

Dentre seus livros mais famosos não poderia deixar de citar O segundo sexo, obra que a consagrou no rol das escritoras feministas em 1949 e que causou grande reboliço no Vaticano que o colocou no index e Os Mandarins (1954) obra que lhe concedeu o disputado prêmio de literatura francesa Goncourt.

Além das obras citadas, Simone de Beauvoir publicou as seguintes obras: A Convidada (1943), O Sangue dos Outros (1945), Todos os Homens são Mortais(1946), Por uma Moral da Ambigüidade (1947), Deve-se Queimar Sade? (1955),O Pensamento de Direita, Hoje (1955), A Longa Marcha (1957), Memórias de uma Moça Bem-Comportada (1958), A Força da Idade (1960), A Força das Coisas (1963), Uma Morte Muito Suave (1964), A Velhice (1970), Balanço Final(1972), Quando o Espiritual Domina (1979), A Cerimônia do Adeus (1981), dentre outras mais cujas traduções não foram realizadas para o português.

A obra de Simone de Beauvoir não se circunscreve apenas as questões feministas de sua época, ao contrário sua obra ultrapassa o diálogo do feminismo e preocupa-se intensamente com a questão da liberdade. Em sua obra Por uma Moral da Ambigüidade, Simone afirma “(…) o indivíduo é definido apenas por sua relação com o mundo e com outras pessoas, ele só existe por transcender a si. E sua liberdade só pode ser alcançada através da liberdade dos outros.” (BEAUVOIR, 2004. p.125).

Beauvoir defende a ideia de que a liberdade não deve ser concebida como a liberdade de uns contra os outros, mas sim a liberdade de todos (o que muitas correntes do movimento feminista não entendiam). Beauvoir entendia a liberdade como um compromisso, compromisso com o outro e consigo mesmo e em uma de suas célebres frases declara “Eu existo fora de mim, e por toda parte do mundo não há uma polegada sequer de meu caminho que não se insinue num caminho alheio.”

É devido a sua abordagem crítica filosófica, como afirmam muitos estudiosos de sua obra que Simone é considerada uma mulher à frente de seu tempo. E justamente por isso é que seria um erro pensar que suas obras estão ultrapassadas. Ao contrário, quanto mais se lê Simone de Beauvoir maior é a certeza de que seus escritos ainda são essenciais para refletirmos e repensarmos nossas ações.

O legado de Simone de Beauvoir tida como pioneira do feminismo (embora não gostasse desse rótulo) influenciou de forma significativa os estudos e discussões sobre o movimento feminista, contudo penso que o conjunto de sua obra não deve ser lembrado apenas pelo advento do feminismo, mas sim pela a sua audácia em expor suas ideias e contraposições de maneira singular defendendo a liberdade de expressão, bem como os ideais existencialistas em que acreditava e praticava.

Geralmente as pessoas lembram Simone de Beauvoir associando-a apenas a uma única obra: O segundo sexo e esquecem que seus escritos contribuíram para a sociedade transcendendo a esfera do feminismo e abordando vários conceitos da vida cotidiana. Por exemplo, em Todos os Homens são Mortais, Beauvoir realiza uma profunda reflexão sobre o sentido da existência humana, em  A Velhice critica as ações da sociedade perante os idosos e em A Convidada expõe as alternativas existencialistas da liberdade, da ação e da responsabilidade individual. Talvez, uma de suas maiores heranças seja a reflexão da mulher como o “outro” e que nos dias atuais podemos alocá-la para uma concepção mais ampla. O “outro” pode ser entendido atualmente como o diferente (as diferentes etnias, o pluralismo de religiões, as diferentes opções sexuais e etc.), ou seja, quantos e tantos “outros” nós construímos ao longo de nossa história por meio de nossa cultura? Além disso, o “outro” pode ser entendido como o diferente e o igual ao mesmo tempo, o oposto de mim, dentro de mim, ou seja, o “outro” também somos nós!

Na medida em que construímos “outros” em nosso cotidiano, haja vista que o ser humano pode ser entendido como um ser multifacetário que busca incansavelmente corrigir-se para superar suas limitações. O ser humano vive em um processo contínuo de construção e como afirma Pedro Goergen “é um “ser a caminho de si mesmo” e ele é o único que pode percorrer esta estrada.” (GOERGEN, 2005, p. 84).

Está aí uma proposta interessante de estudo que merece ser mais bem abordada e porque não pelo viés da obra de Simone de Beauvoir. Enfim, Simone de Beauvoir realmente foi uma mulher à frente de seu tempo e ainda há de nascer alguém que ultrapasse a grandeza de seu legado.

Referências bibliográficas

BEAUVOIR, Simone de. Por uma moral da ambigüidade. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 2004. p.125.

BEAUVOIR, Simone de. A força das coisas. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1963, p.267.

GOERGEN, Pedro. Pós – modernidade, ética e educação. Campinas, Autores Associados, 2005, p. 84.