Arquivo para oportunidade

Tempo

Posted in Comportamento with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on agosto 30, 2015 by Psiquê

Tomasz Dziubinsk 6

Recentemente alguns amigos têm falado muito sobre envelhecer, embora ainda estejam na flor da idade. E isso tudo tem me feito pensar na importância de se viver bem cada minuto, valorizar as coisas que realmente importam e, essencialmente, ser grato pela oportunidade de viver cada dia.

Evidentemente, sinto-me privilegiada em vários pontos: ter saúde, me achar uma pessoa bonita, interessada e interessante, amar a minha vida, querer sempre mais, buscar ter uma vida com hábitos saudáveis, ser respeitosa para com o outro, lutar pela igualdade e respeito ao próximo, procurar sempre conhecer mais coisas, lugares e pessoas.

Não consigo entender como as pessoas optam por perder tempo, pensando em não deixar o tempo passar ou lamentando por sua passagem.

Nossa vida, em termos relativos, é muito curta e não faz nenhum sentido, deixar esse pouco tempo passar reclamando, lamentando ou vivendo infeliz. Quantas coisas boas podemos fazer com nossa vida. Mesmo que nem tudo dependa de nossa vontade, é de nossa inteira responsabilidade a maneira como escolhemos viver cada segundo e encarar as experiências pelas quais passamos. Podemos viver bem ou perder tempo sofrendo por não gostar das escolhas que fazemos diariamente. Para mim, definitivamente, viver assim é uma perda de tempo.

Assuma as rédeas de sua vida e seja grato pela oportunidade de viver cada novo dia, como uma nova oportunidade de viver melhor.

Let’s be grateful! Namastê.

Compartilhar

Posted in Comportamento, Conscientização, Saúde with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on novembro 27, 2014 by Psiquê

belly

Quando escolho uma prática que me faz bem, sinto um ímpeto por compartilhar com aqueles que gosto. Muitas vezes eu só o faço se houver algum estímulo ou interesse daqueles que me cercam, no intuito de não parecer inconveniente ou pedante…

Estava pensando em um tema para uma apresentação que preciso fazer para um curso e fui orientada a escolher um tema que goste bastante. Pensei em escrever sobre o yoga, mas como no meu dia a dia, em uma conversa ou outra acabo compartilhando os benefícios que esta prática trouxe para minha vida, fiquei com receio de ser repetitiva ou invasiva…

Compartilhar ideias, práticas e interesses que nos fazem bem, pode trazer ajudar a quem ouve, mas pode também parecer inapropriado se a pessoa não quer ou não acredita naquela prática. Por isso, que dentro de certos limites, podemos e devemos compartilhar sempre, respeitando o interesse do outro em ouvir – ou seja, sem imposições – e também o seu próprio tempo. Pode ser que plantemos a semente e o outro, naquele momento, não acredite ou não queira adotar aquela prática.

Mas o simples compartilhar já pode representar uma sementinha…

Eu quero compartilhar minha gratidão, por conseguir hoje, fazer escolhas mais saudáveis, mais tranquilas, mais energizantes. Eu quero agradecer pela oportunidade de me alimentar bem, de respeitar meu corpo, meus limites, meus gostos. Quero fugir de discursos que me aprisionem na ideia de que tenho que seguir padrões de comportamento e de beleza que não condizem com o meu bem-estar. Quero, ainda, refutar qualquer possibilidade de adotar hábitos que me firam e que possam ir contra aquilo que acredito ser o melhor para mim. Quero manter a fé na vida e a gratidão por tudo o que tenho e vivo, desejar sempre mais da vida, saber que meu corpo é meu templo e que tenho que amá-lo e respeitar meus limites, alimentar-me saudavelmente, ingerindo alimentos que me fazem bem, exercitar-me todos os dias – ou sempre que possível -, praticar yoga pelo menos 3 vezes por semana, beber muita água, hidratar o meu corpo, meditar, dormir bem, sorrir, amar…

Estas são algumas das minhas resoluções para este ano que finda e para os próximos…

Compartilho aqui com vocês a gratidão por estas práticas e descobertas.

2014 foi um excelente ano de mudanças.

Namastê!

7 anos de Espartilho

Posted in Curiosidades with tags , , , , , , , , , , , , , , , on novembro 14, 2014 by Psiquê

311b23f2be8d51f95351d18db3896ec1

Neste ano, o Espartilho comemora seu sétimo aniversário e eu não poderia estar mais feliz. Apesar de muita coisa ter mudado ao longo destes anos, ele esteve comigo em todas as fases e o público o acompanhou com as suas mais variadas peculiaridades.

Há seguidores que já não são tão assíduos na net, há novos e recentes leitores que descobriram alguma outra faceta do Espartilho que o atraiu. Os temas variaram, os humores e ideias também, mas o Espartilho segue como uma paixão!

Obrigada por mais um ano em minha vida! Esta é mais uma oportunidade de balanço, renovação e renascimento.

Parabéns a todas nós!

Adaptações

Posted in Comportamento with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , on abril 10, 2014 by Psiquê

Mark Avgsut

Ao iniciar novas rotinas, confesso que o medo do novo me faz pensar negativamente sobre a mudança…

…mas hoje ao explorar a novidade, os desafios, a caminhada a pé por entre as ruas, vias e multidões percebi o quão abençoada fui com a nova gama de possibilidades que me cerca…

Um mundo de opções e possibilidades que cabe a mim vê-los como oportunidades de novas conquistas e novos voos.

Fico, então, com a perfeita reflexão do estadista Winston Churchill: “Um otimista vê uma oportunidade em toda dificuldade; um pessimista vê uma dificuldade em toda oportunidade.”

Eis então a minha conclusão do dia: quantas oportunidades estão à minha porta a despeito da perda de alguns confortos…que mundo imenso me cerca repleto de opções e alternativas de crescimento a cada segundo.

Obrigada por tudo: Deus, Universo, o que quer que seja que rege esta orquestra sinfônica em que vivemos.

Simplesmente eu, Clarice Lispector

Posted in Comportamento, Cultura e Arte, Relacionamento, Romance with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on fevereiro 17, 2014 by Psiquê

1501533_576854532396549_48516457_o

Ontem fui assistir à peça Simplesmente eu, Clarice Lispector com Beth Goulart. A peça está em sua última semana de cartaz no Rio de Janeiro e depois só vai retomar a temporada em 2015 para uma grande turnê pelo Brasil e Portugal com temporadas no Rio de Janeiro e em São Paulo. Beth vai parar um pouco para fazer uma personagem de novela…uma pena! Mas agradeço por ter tido a oportunidade de assistir…foi simplesmente maravilhoso estar um pouquinho com Clarice…

1523962_583047675110568_228198466_o

Para os fãs de Clarice Lispector, como eu, é uma obrigação correr esta semana para assistir. Além de a montagem ser maravilhosa, o figurino simples e superelegante, a Beth Goulart está divina! E transmite tanto sentimento e emoção,  à altura da nossa Clarice. Para quem quiser aproveitar, as últimas apresentações desta temporada da peça Simplesmente eu, Clarice Lispector serão nesta semana:

  • Terça e Quarta (18 e 19 de fevereiro, às 21h) no  Teatro do Leblon, no Leblon;
  • Sexta, Sábado e Domingo ( 21 e 22 de fevereiro, às 21h e 23 de fevereiro, às 20h) no Teatro Eduardo Kraichete, em Niterói. 

Começar a semana com um pouco de Clarice, para mim, é profundamente inspirador, parece que tudo começa com um colorido diferente, uma leveza maior, com força para que a felicidade e as coisas que realmente importam tenham mais espaço. O nosso cotidiano pode ser um tanto quanto duro e pesado, mas tudo depende da maneira como encaramos e vivemos nossos dias.

Neste final de semana, também soube de uma perda e essa perda me fez pensar sobre a frase de uma amiga: nossa vida é um sopro! E termina de uma hora para a outra, portanto devemos viver bem, planejar menos e viver mais. Com o coração, com intensidade, com amor, com carinho e respeito por aqueles que estão a nosso redor! É preciso viver, como disse Beth, ao final da peça, com mais gentileza!

 

1559494_591924547556214_569477613_o886148_562017943880208_1875244490_o00

Abaixo algumas frases inspiradoras da Clarice:

“Desde que descobrira – mas descobrira realmente com um tom espantado – que ia morrer um dia, então não teve mais medo da vida, e, por causa da morte, tinha direitos totais: arriscava tudo.”

“Milhares de pessoas não têm coragem de pelo menos prolongar-se um pouco mais nessa coisa desconhecida que é sentir-se feliz.”

“Eu está apaixonada pelo teu eu. Então nós é.”

“Estou melancólica porque estou feliz. Não é paradoxo. Depois do ato do amor não dá uma certa melancolia? A da plenitude.”

“Mas o meu principal está sempre escondido. Sou implícita. E quando vou me explicitar perco a úmida intimidade.”

Dança e autoconhecimento

Posted in Comportamento with tags , , , , , , , , , , on dezembro 20, 2013 by Psiquê

b829898f433d70f8b8305a35c84a5a2c

Eu não costumo ter o hábito de dançar, mas gostaria porque as sensações que este hábito promove são libertadoras…

Já tive orientação de buscar a dança como terapia, mas me falta oportunidade, porém como sei que a entrega à dança proporciona um bem estar fenomenal, resolvi compartilhar com vocês o texto que encontrei no portal Somos Todos Um.

Dançar é um alimento para a alma, um alento para o espírito, autoria de Sônia Imenes

Dançar traz alegria. A verdadeira alegria de poder reconhecer e expressar, de forma simples e direta, os anseios da alma.

Dançar nos restitui os laços perdidos com nossa própria essência. Isso realmente acontece quando nos entregamos ao seu movimento como uma onda que brota espontaneamente, de uma fonte que não é racional, nem esteticamente premeditada. Quando deixamos que o movimento expresse livremente algo que é único em cada um de nós. Nesse sentido, a dança espontânea se revela como sendo uma linguagem corporal subjetiva, rica de significados. Assim, a dança se abre como um caminho maravilhoso para o autoconhecimento.

Através de exercícios de sensibilização, expressão, interação e consciência corporal, entramos em contato com nossos próprios bloqueios, herdados de uma educação e cultura voltados para a praticidade de um mundo cada vez mais alienado de nossas necessidades anímicas. Assim, aprendemos a reconhecer nossas próprias limitações, a nos libertarmos dos condicionamentos e padrões indesejados, aqueles que negam a nossa verdadeira essência e o exercício do nosso potencial criativo.

Com a dança espontânea se propõe um caminho de retorno de cada um consigo mesmo. Uma redescoberta, numa viagem, que pode começar pela percepção e refinamento dos sentidos, adentrar nas paisagens coloridas das emoções, encontrar o seu ritmo na respiração e, da integridade dos gestos, nascer uma verdadeira fonte de inspiração e renovação.

Não dê poder a quem não tem…

Posted in Comportamento with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on novembro 1, 2013 by Psiquê

08

Ontem estava bem desanimada de cumprir com minha rotina diária, cansada tanto física quanto mentalmente…tendo que lidar com picuinhas e comportamentos desagradáveis de pessoas que pensam que a vida é eterna.

Compartilhei com alguns poucos amigos íntimos minha falta de vontade de seguir em frente no compasso normal das minhas tarefas. Quis desmarcar o encontro com uma amiga,  faltar ao curso de idiomas, deixar de ir ao aniversário de outra amiga e só queria ficar sozinha, na minha. Queria cuidar dos meus amigos, dos meus afazeres pessoais e das várias coisas que acontecerão nos próximos dias e que precisam do meu apoio: aniversários, chá de panela, casamento, compra de presentes, etc.

Foi neste momento que uma dessas pessoas importantes na minha vida me disse a seguinte frase: “não dê poder a quem não tem…”. Fiquei pensando na força desta frase, pois só nós somos capazes de dar ao outro o poder de nos atingir, de nos magoar, de nos afligir, de nos tirar do sério. Se não damos a eles este poder, eles não conseguem exercê-lo. E isso tem que ser uma lembrança constante…deve nortear nossos dias para que não deixemos que os outros exerçam sobre nós um poder que não são capazes de exercer naturalmente.

A amiga insistiu para que nos encontrássemos e falamos exatamente de talentos e de como esses podem e devem ser usados para lidar com pessoas e situações desagradáveis como as da conjuntura atual, até porque tudo não passa de oportunidades de aprendizado. Ao longo da vida, em outros lugares, novas situações como essas ocorrerão e talvez, em outro momento, eu esteja mais bem preparada para lidar com as mesmas, em função desta experiência.

Tenham todos um excelente dia e lembrem-se que ninguém pode te deixar mal a não ser que você permita. Isso é difícil, é um exercício contínuo, mas é a mais pura verdade.

Yoga

Posted in Comportamento, Estética e Beleza, Saúde with tags , , , , , , , , , , , , , , , , on maio 24, 2013 by Psiquê

bc9e540030fc8ab5faaa4a04573800d9

Iniciei há quase 1 mês a prática de Yoga e posso dizer que, apesar de ainda iniciante e não conhecedora dos detalhes que a prática envolve, estou amaaannndo!

Logo a seguir, comecei a procurar informações sobre a prática e descobri que existem várias modalidades. Não entrarei em detalhes neste post, mas a que estou frequentando chama-se Yoga Integral. Em uma dessas leituras me deparei com um texto sobre ansiedade que caiu como uma luva em muitas das minhas reflexões.

O texto de autoria de Pedro Kupfer, foi publicado no site Yoga.pro.br

“Um tempo atrás vi alguém usando uma camiseta com esta inscricão: whatever the answer, the question is the same: do Yoga (“seja qual for a pergunta, a resposta é a mesma: faça Yoga”). Às vezes, tenho a sensação de que essa afirmação determina minhas ações mais além do que admito para meus amigos não-praticantes de Yoga, por aquele receio (que deve ser familiar para muitos leitores), de ser taxado de radical ou obcecado com a prática.

Quando soube que um dos temas da presente edição seria como lidar com a ansiedade, pensei que esta era uma boa oportunidade para colocar no papel alguns truques que sempre foram usados no Yoga para manter sob controle essa velha e, para muitos, incómoda presença. Assim, depois de ter escolhido o assunto desta coluna, lembrei que a ansiedade é mais uma manifestação daquele problema básico, que é ver a si mesmo como alguém incompleto. Ou seja, volto à questão da frase daquela camiseta: “seja qual for a pergunta, a resposta é a mesma: faça Yoga”.

É um fato que, conforme transcorre essa jornada que é a vida, percebemos que alguns companheiros de viagem persistentes, com os quais precisamos conviver e negociar soluções. Um desses companheiros de jornada é justamente a ansiedade. Há outros, como a raiva, a tristeza, o medo ou o remorso. Digo que estes sentimentos são nossos companheiros de jornada, pois eles, intermitentemente, se manifestam, contra a nossa vontade de mantê-los longe. Às vezes, fico ansioso porque suponho que a prática de Yoga deveria curar a minha ansiedade, mas ela não passa. Embora seja aliviada, às vezes fica como que à espreita, latente, e me surpreende quando menos o espero.

Em relação ao Yoga, posso ficar ansioso porque tenho uma expectativa sobre algo que quero que aconteça, associada ainda com a tendência a antecipar o resultado da prática. Esse tipo de expectativas, sejam associadas com resultados como a melhoria do estado geral de saúde e bem-estar, o combate ao estresse ou até mesmo a busca dos estados de iluminação, podem se tornar importantes fontes de frustração.

Agitação, bloqueio e equilíbro: rajas, tamas e sattva.

Ansiedade é sofrer por antecipação ou preocupar-se desnecessariamente com coisas que ainda não aconteceram [abro colchetes: essa é uma frase que minha professora de Yoga usa, já na hora de induzir o relaxamento]. Nesse sentido, poderíamos dizer que a ansiedade é o oposto da depressão. Desde a visão védica, uma emoção ou um pensamento que nos leve à agitação ou à ansiedade são considerados rajásicos, enquanto que pensamentos paralisantes como aqueles que conduzem ao estado de depressão são considerados tamásicos. Respectivamente, as palavras rajas e tamas significam em sânscrito ação e imobilidade.

Se a ansiedade é a dificuldade para lidar com o excesso de aprêmios no cotidiano, a depressão é a falta mais absoluta de horizontes, estímulos ou inspiração para agir. Se você for ansioso, fique feliz, pois a presença da ansiedade indica que você está longe da depressão, já que estas duas situações, ansiedade e depressão, estão em extremos opostos dentro da ordem psíquica.

Assim, se quisermos ficar distantes desses dois extremos, devemos encontrar o caminho do meio entre um e o outro. Isso é chamado sattva. Esse termo quer dizer harmonia, equilíbrio e paz. Assim, devemos considerar que existe esse caminho do meio, o equilíbrio entre deixar-se arrastar pelos estímulos, ou tornarse absolutamente indiferente a eles. Assim, a ansiedade parece estar vinculada com algumas situações pontuais, como as seguintes:

1) a vontade de que o tempo pare, ou ande mais depressa, 2) a vontade de que as pessoas ajam de forma diferente, 3) a vontade de que as coisas aconteçam de maneira distinta e, 4) a impotência sentida ao perceber que não se está no controle.

Três passos para dizer adeus à ansiedade.

O primeiro passo para se livrar da ansiedade é assumir-se como alguém que tem ansiedade. De nada adianta ficar de costas para esse sentimento. Ignorá-lo equivale a varrer o problema para baixo do tapete, ou fingir que ele não existe. O segundo passo é deixar de considerar a ansiedade um problema! O terceiro e último passo é começar a olhar para si mesmo como alguém cuja tranquilidade e felicidade não dependem do resultado das ações e que, portanto, de nada adianta se preocupar antecipadamente com elas, assim como de nada serve se lamuriar quando os frutos delas ficam aquém dos nossos desejos.

O deus Krishna diz para o príncipe Arjuna, naquele diálogo imortal que é a Bhagavad Gita, que os problemas que tanto sofrimento lhe produzem são, em verdade, insignificantes. Porém, a situação de Arjuna é grave, por onde olharmos para ela: ele se vê na contingência de guerrerar contra a própria família. A enigmática e contundente resposta de Krishna ao desespero do príncipe é: “Estás te lamentando por quem não deves lamentar-te, embora tuas palavras sejam sábias. O homem realmente sábio não tem lágrimas, nem para os vivos, nem para os mortos” (II:11). O grande professor Hermógenes já disse o mesmo, com outras palavras: “Não se preocupe com ninharias. Tudo é ninharia!”

Seja qual for o caso, cabe lembrarmos que há coisas que, inevitavelmente, estão fora da nossa alçada, que não poderemos mudar, transformar ou melhorar, por maior que seja o esforço que façamos. Como diz aquele ditado português, aquilo que não tem remédio, remediado está. Por outro lado, algumas ações que realizamos no intuito de transformar ou melhorar alguma situação, nem sempre produzem os resultados esperados. Como diz aquele outro ditado, não adianta chorar sobre o leite derramado. Se o resultado ficou aquém das expectativas, pois relaxamos, respiramos fundo, viramos a página e começamos de novo.

Veja a ansiedade como uma aliada, não como um obstáculo.

Então, se tivesse que colocar a maneira de lidar com a ansiedade na forma de uma receita de bolo diria que, canalizada positivamente, a ansiedade pode ser uma importante força de realização, colocada à serviço do seu próprio crescimento pessoal. Podemos fazer com que ela trabalhe em nosso próprio benefício. Lembre que você não é a ansiedade, nem os pensamentos que a produzem, nem as emoções que a seguem. Lembre que você é tranquilidade e paz, independentemente de estar vivendo situações de instabilidade ou incerteza.

Talvez, o principal antídoto contra a ansiedade, afora os três passos acima mencionados, seja ver a si mesmo como alguém pleno e realizado, cuja felicidade não depende da execução de quaisquer ações ou da presença de quaisquer situações ou pessoas para ser feliz. Você não pode se tornar feliz ou pleno, pois você já é plenitude e felicidade! Se Krishna disse diálogo citado acima que o “sábio não tem lágrimas, nem para os vivos, nem para os mortos”, foi para lembrar a seu amigo e aluno que existe uma ordem, e que todos nós somos parte dela.

Não somos “uma porção” de plenitude, pois concluir isso é ilógico e incorreto. Somos a própria plenitude, àquela à qual nada pode ser acrescido, e da qual nada pode ser tirado. Quando olhamos dessa forma para nós mesmos, desaparece aquela pressão, aquela insegurança, aquela vontade de que o tempo voe ou pare, aquela vontade de controlar situações ou pessoas. Assim, aceitamos com gratidão o que recebemos e temos para viver a cada dia.

O autor destas linhas, por exemplo, sempre deixa a tarefa de escrever esta coluna para o último dia do prazo combinado com as editoras. Mas, ao invés de ficar me preocupando com o tema a ser abordado, ou com o fato de perceber que os dias vão passando e o texto não está pronto, simplesmente vou surfar e/ou faço meu trabalho, enquanto espero que a inspiração venha.

Às vezes, ela aparece num relâmpago e o texto fica pronto em meia hora. Outras vezes, fico até tarde na noite do último dia para terminar no prazo. Mas, em nenhum momento me estresso com isso. Hoje mesmo surfei por três horas antes de assumir que estava na hora de começar (e terminar!) este texto. E, agora, concluo calmamente, esperando que você, amigo leitor, o desfrute, da mesma forma que eu desfrutei ao escrevê-lo. Namaste!”

Dever de casa…

Posted in Geral with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , on outubro 19, 2012 by Psiquê

Jochen van Eden

A vida é o dever que nós trouxemos para fazer em casa.
Quando se vê, já são seis horas!
Quando de vê, já é sexta-feira!
Quando se vê, já é natal…
Quando se vê, já terminou o ano…
Quando se vê perdemos o amor da nossa vida.
Quando se vê passaram 50 anos!
Agora é tarde demais para ser reprovado…
Se me fosse dado um dia, outra oportunidade, eu nem olhava o relógio.
Seguiria sempre em frente e iria jogando pelo caminho a casca dourada e inútil das horas…
Seguraria o amor que está a minha frente e diria que eu o amo…
E tem mais: não deixe de fazer algo de que gosta devido à falta de tempo.
Não deixe de ter pessoas ao seu lado por puro medo de ser feliz.
A única falta que terá será a desse tempo que, infelizmente, nunca mais voltará.
Eu li esta mensagem no perfil da Adriana Esteves e não sei se é de sua autoria, mas sei que achei essas palavras muito válidas para repensarmos a maneira como levamos a vida.
Bom final de semana a todos!

Tudo tem seu tempo!

Posted in Comportamento with tags , , , , , , , , , , , , , , , on agosto 8, 2011 by Psiquê

Katarina Ivanovska

Nada de novo aconteceu nos últimos dias em minha vida…mas eu sei que o universo está girando e cada dia é uma nova oportunidade de realização.

Claro que nos últimos anos, a minha vida tem mudado a todo o momento, o que alimenta a minha esperança de que as coisas sempre hão de melhorar! Não sei de onde vem a esperança que sempre carreguei de que as coisas sempre caminham para o melhor. Isso não quer dizer que eu não me sinta triste com várias coisas, que não me aborreça com acontecimentos cotidianos, que eu não sofra com atitudes pequenas, que eu não falhe com as pessoas. Apesar de todas as intempéries, tenho a convicção de que nossos problemas, lágrimas, dores e apertos fazem parte do nosso processo de amadurecimento e evolução.

Muita coisa boa acontece todos os dias e ao tirar desses dias, uma oportunidade de aprendizado, nutrimos a esperança de que dias melhores virão.

É bíblica a citação que resume muito bem o tempo das coisas:

  • Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo propósito debaixo do céu:
  • há tempo de nascer e tempo de morrer; tempo de plantar e tempo de arrancar o que se plantou;
  • tempo de matar e tempo de curar; tempo de derribar e tempo de edificar;
  • tempo de chorar e tempo de rir; tempo de prantear e tempo de saltar de alegria;
  • tempo de espalhar pedras e tempo de ajuntar pedras; tempo de abraçar e tempo de afastar-se de abraçar;
  • tempo de buscar e tempo de perder; tempo de guardar e tempo de deitar fora;
  • tempo de rasgar e tempo de coser; tempo de estar calado e tempo de falar;
  • tempo de amar e tempo de aborrecer; tempo de guerra e tempo de paz… (Eclesiastes 3:1-8)