Arquivo para prática

A ciência do Yoga

Posted in Comportamento with tags , , , , , , , , , , , , on agosto 28, 2014 by Psiquê

324484cea405a12e6f5fc100a6e8ae54

Hoje ao ler no blog Yoga em Casa do Gilberto Schultz, uma matéria (de duas) publicada originalmente na revista Forbes de autoria da Alice Walton, senti ainda mais gratidão por ter tido meu contato com o Yoga no ano passado.

O meu encantamento com a prática ainda é tão forte que às vezes me pergunto porque demorei tanto tempo para experimentar…

Ainda estou muito crua em termos de conhecimento da prática, há muito a aprender, mas os benefícios são realmente enormes. Eu saio das aulas muito mais leve, tranquila e feliz.

Compartilho com vocês o texto. Espero que gostem.

Fiquem bem. Namastê, Psiquê.

Desvendando os efeitos da prática: A ciência do Yoga

“Este é o primeiro de dois textos sobre os efeitos da prática do yoga publicado no site da revista Forbes, o segundo: “A Psicologia do Yoga”, tratará especificamente das mudanças psicológicas e também será publicado em português aqui no blog em breve.”

Julgando pelo número de esteiras de yoga que tenho visto sendo carregadas em Manhattan nos últimos 15 anos, tenho certeza de que fui a última pessoa da ilha a experimentar tal modalidade. O meu relacionamento com essa prática começou há cerca de 6 meses atrás e devo admitir que eu me apaixonei – e muito – por ela. Fiquei impressionada com as mudanças que afetaram o meu corpo e, mais ainda, a minha mente. Porém, o meu lado nerd, ligado à medicina ocidental, ainda se perguntava como exatamente isso estava acontecendo. Eu podia chutar algumas hipóteses baseadas no que eu sei sobre o corpo, mas preferi falar com alguém que realmente entendesse e estudasse esse tipo de ciência.

Stephen Cope é terapeuta e diretor do Institute for Extraordinary Living no Kripalu Center for Yoga and Health em Massachusetts. Lá, ele comanda um programa intitulado “O Yoga e o Cérebro”, cujas pesquisas estudam o efeito do yoga no cérebro com ressonância magnética e outras técnicas. Cope explica que o yoga traz mudanças significativas no sistema nervoso simpático do corpo – aquele responsável por estimular ações, como de “luta ou fuga”, em resposta às situações de estresse. Todavia, como as nossas vidas hoje em dia incluem e-mails de trabalho às dez horas da noite e conversas altas no telefone da mesa ao lado, em resposta, muitas vezes, nosso corpo permanece ‘on’ quando, na verdade, não deveria permanecer. O Yoga ajuda o corpo a diminuir essa resposta ao estresse, reduzindo os níveis do hormônio cortisol, que não é somente o combustível para as nossas reações ao estresse, mas que também pode causar estragos no corpo quando está em estresse crônico. Assim, a redução do nível desse hormônio no organismo é considerada uma coisa boa.

O Yoga também aumenta os níveis de substâncias que nos fazem sentir bem, como o GABA (Ácido gama-aminobutírico), a serotonina e a dopamina, que são responsáveis por nos sentirmos relaxados e satisfeitos. Todos esses três neurotransmissores são os principais utilizados em medicamentos que controlam o humor, como antidepressivos (por exemplo, ISRSs) e ansiolíticos (anti-ansiedade). O fato do yoga estar associado ao aumento dos níveis dessas cobiçadas substâncias químicas no organismo não é nada desprezível.

Ainda há outro bônus, diz Sarah Dolgonos, doutora em medicina, que dá aulas na Yoga Society of New York’s Ananda Ashram. Ela aponta que além de suprimir a resposta ao estresse, o yoga estimula o sistema nervoso parassimpático, que nos acalma e restaura o equilíbrio depois que uma situação de estresse chegou ao fim. Quando este sistema nervoso é ativado, “o sangue é direcionado em direção a glândulas endócrinas, órgãos digestivos e circulação linfática, enquanto a frequência cardíaca e a pressão arterial são reduzidas”, diz Dolgonos. Ainda, com o sistema nervoso parassimpático em funcionamento, “o nosso corpo pode extrair melhor os nutrientes dos alimentos que comemos, e mais efetivamente eliminar toxinas, já que a circulação é aumentada. Com a ativação parassimpática, o corpo entra em um estado de restauração e cura”.

Também há um consenso que o yoga melhora o sistema imunológico, diz Dolgonos. Esse benefício provavelmente é causado devido a redução do cortisol, mencionado anteriormente: o excesso desse hormônio pode diminuir a eficácia do sistema imunológico “imobilizando algumas células brancas”. A redução do cortisol na circulação “remove a barreira para um eficaz funcionamento da função imunológica”, sendo assim, o yoga ajuda na prevenção de doenças, já que melhora a imunidade.

b5a9d0b4138e6249e9e343780d267581

Vamos então nos aprofundar ainda mais nos efeitos dessa prática no organismo (paciência comigo, isso é realmente interessante). Pesquisadores descobriam que o yoga melhora a saúde, em parte, reduzindo um grande adversário do corpo: a inflamação. A inflamação crônica, mesmo em baixo grau, é responsável por uma série de problemas de saúde, de doenças cardíacas a diabetes e depressão.

Paula R. Pullen, PhD, instrutora de pesquisa da Faculdade de Medicina Marehouse, estuda os efeitos do yoga sobre a inflamação observando o que acontece nos corpos dos pacientes com insuficiência cardíaca que se matriculam em aulas de yoga. Ela mostrou que depois de serem distribuídos aleatoriamente entre yoga ou cuidados médicos padrão, os pacientes que praticavam a atividade tiveram uma melhora significativa nos níveis de biomarcadores, como a proteína C-reativa (PCR) e a interleucina-6 (IL-6). Se seus olhos ficaram paralisados, essas descobertas são bastante notáveis, já que mostram que o yoga pode realmente afetar as mais minúsculas moléculas, aquelas que são amplamente conhecidas por prever riscos de doenças graves. Pullen realça que a redução dos níveis de inflamação no corpo é extremamente importante do ponto de vista preventivo. E o yoga pode ajudar com isso. “O yoga equilibra o organismo, o sistema hormonal e a resposta ao estresse. As pessoas tendem a pensar que o yoga está apenas relacionado com a flexibilidade, quando na verdade, no sentido fisiológico se trata mais sobre reequilibrar e curar o corpo”.

Apesar de existir a milhares de anos, a ciência Ocidental está apenas começando a entender como funcionam os efeitos exercidos pelo yoga. Sendo assim, será certamente interessante acompanhar essas pesquisas, uma vez que continuará revelando o que o yoga é capaz de fazer com o corpo e com o cérebro. Fique atento para a parte II sobre os efeitos do yoga!

Tradução: Paula Coutinho | paula.emidioc@gmail.com
Fonte: Penetrating Postures: The Science of Yoga

Os benefícios da prática do Yoga

Posted in Comportamento, Saúde with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on outubro 24, 2013 by Psiquê

25f1d31b03e04e3f1a8066bb36451f44

A primeira vez que me recomendaram a prática do Yoga, não coloquei muita fé. Achei que ia achar entediante, que não teria paciência para aguentar as aulas, mas confesso que estou cada dia mais apaixonada pela prática que introduzi em minha vida há 6 meses.

Os benefícios que busco são muito mais mentais do que físicos, com isso estou menos preocupada em conseguir executar uma posição com perfeição, do que me encontrar e relaxar minha mente durante a 1h30 de aula semanal.

Minha amada amiga Ana, hoje se preparando para virar instrutora de Yoga, resumiu muito bem os benefícios da prática:  “… o ganho é toda vez que se pratica, toda vez que se aprende a parar na vida e se olha pra dentro! As posições são meros instrumentos para se olhar para dentro…para trabalhar o que está dentro da gente…principiante ou não…o beneficio é o mesmo!!!!”

Dito e feito! Saio das aulas mais leve e ansiosa para chegar a aula seguinte.

Para quem não conhece nada da prática, o blog Barra de Cereal, resumiu bem o assunto:

O que é yoga?

A palavra Yoga origina-se da língua sânscrita e significa basicamente unir, integrar, comungar. Surgiu há milhares de anos na Índia e, atualmente, entre os mais de 10 diferentes métodos, o mais conhecido é o Hatha Yoga, que é uma prática de treinamento físico, mental e emocional combinados, unidos, integrados.

10 benefícios do yoga:

  1. Ajuda a conquistar e manter uma boa saúde.
  2. Alivia doenças respiratórias, dores nas costas, auxilia na perda de peso, desordens do aparelho digestivo, melhora o sistema cardiovascular, o funcionamento das glândulas endócrinas e pode ser utilizada como terapia de apoio para inúmeras enfermidades. Também beneficia o sistema nervoso e o cérebro.
  3. Alivia ou elimina gradativamente problemas físicos originários de causas psíquicas (doenças psicossomáticas).
  4. Possibilita sensível melhora da condição estética e definição corporal. Podemos trabalhar o corpo sem desenvolver hipertrofia (aumento de volume de massa muscular).
  5. Aprimoramento do intelecto, concentração e memória.
  6. Melhora e reforça a auto-estima, a auto-imagem e a força de vontade.
  7. Melhora a forma de nos relacionarmos conosco, com os outros e com o mundo.
  8. Proporciona alívio de estresse.
  9. Possibilita entrarmos em contato com a real expressão de nosso potencial latente.
  10. Proporciona auto-conhecimento e paz interior.

Os benefícios do yoga são consequência de toda uma transformação física e mental, do funcionamento adequado dos órgãos, conquistados através dos movimentos feitos em aula e de hábitos saudáveis adquiridos com a prática relativos à alimentação, comportamento, sono e outros cuidados. O yoga proporciona mais energia e ao mesmo tempo, relaxamento.

Qual o diferencial do yoga em comparação com outras atividades?
A preocupação não somente com o trabalho físico, mas com os trabalhos mental e emocional também.

Quais os motivos para fazer yoga?

A prática regular proporciona equilíbrio físico e mental, força, resistência, flexibilidade, relaxa e acalma mente e corpo, melhora o funcionamento de todos os sistemas como: imunológico, digestivo, reprodutor, excretor e etc.

Quais são os resultados do yoga?
Num primeiro momento, os alunos percebem claramente a desaceleração dos batimentos cardíacos, o relaxamento do corpo e uma melhor execução das respirações. Com o tempo, sempre respeitando os limites do próprio corpo, a flexibilidade e o equilíbrio vão aparecendo, assim como a força e a resistência musculares.

O corpo fica mais bonito com o yoga?
Para o yoga, todos os corpos são lindos, a vaidade não é algo com o qual realmente devemos nos apegar. O que acontece com a prática é o corpo melhorar muito, e é uma mudança de dentro pra fora. Um corpo saudável é resultado de muitas escolhas saudáveis, hábitos alimentares, pensamentos, rotinas…

É verdade que o yoga faz bem para o corpo e para a alma? Por quê?
Sim, porque trabalha nos planos consciente e inconsciente. Vamos absorvendo a cada prática, qualidades das posturas que vão sendo integradas a nossa personalidade, modificando nossos padrões de comportamento e, consequentemente, tudo ao nosso redor.

Quem quiser saber mais do tema, outros portais já falaram sobre o assunto:

Equilíbrio: os benefícios físicos e espirituais da yoga

Ioga benefícios para o corpo e a alma

Benefícios da Yoga

Prática e benefícios da Yoga

O que é ioga e quais são seus benefícios?

Yoga

Posted in Comportamento, Estética e Beleza, Saúde with tags , , , , , , , , , , , , , , , , on maio 24, 2013 by Psiquê

bc9e540030fc8ab5faaa4a04573800d9

Iniciei há quase 1 mês a prática de Yoga e posso dizer que, apesar de ainda iniciante e não conhecedora dos detalhes que a prática envolve, estou amaaannndo!

Logo a seguir, comecei a procurar informações sobre a prática e descobri que existem várias modalidades. Não entrarei em detalhes neste post, mas a que estou frequentando chama-se Yoga Integral. Em uma dessas leituras me deparei com um texto sobre ansiedade que caiu como uma luva em muitas das minhas reflexões.

O texto de autoria de Pedro Kupfer, foi publicado no site Yoga.pro.br

“Um tempo atrás vi alguém usando uma camiseta com esta inscricão: whatever the answer, the question is the same: do Yoga (“seja qual for a pergunta, a resposta é a mesma: faça Yoga”). Às vezes, tenho a sensação de que essa afirmação determina minhas ações mais além do que admito para meus amigos não-praticantes de Yoga, por aquele receio (que deve ser familiar para muitos leitores), de ser taxado de radical ou obcecado com a prática.

Quando soube que um dos temas da presente edição seria como lidar com a ansiedade, pensei que esta era uma boa oportunidade para colocar no papel alguns truques que sempre foram usados no Yoga para manter sob controle essa velha e, para muitos, incómoda presença. Assim, depois de ter escolhido o assunto desta coluna, lembrei que a ansiedade é mais uma manifestação daquele problema básico, que é ver a si mesmo como alguém incompleto. Ou seja, volto à questão da frase daquela camiseta: “seja qual for a pergunta, a resposta é a mesma: faça Yoga”.

É um fato que, conforme transcorre essa jornada que é a vida, percebemos que alguns companheiros de viagem persistentes, com os quais precisamos conviver e negociar soluções. Um desses companheiros de jornada é justamente a ansiedade. Há outros, como a raiva, a tristeza, o medo ou o remorso. Digo que estes sentimentos são nossos companheiros de jornada, pois eles, intermitentemente, se manifestam, contra a nossa vontade de mantê-los longe. Às vezes, fico ansioso porque suponho que a prática de Yoga deveria curar a minha ansiedade, mas ela não passa. Embora seja aliviada, às vezes fica como que à espreita, latente, e me surpreende quando menos o espero.

Em relação ao Yoga, posso ficar ansioso porque tenho uma expectativa sobre algo que quero que aconteça, associada ainda com a tendência a antecipar o resultado da prática. Esse tipo de expectativas, sejam associadas com resultados como a melhoria do estado geral de saúde e bem-estar, o combate ao estresse ou até mesmo a busca dos estados de iluminação, podem se tornar importantes fontes de frustração.

Agitação, bloqueio e equilíbro: rajas, tamas e sattva.

Ansiedade é sofrer por antecipação ou preocupar-se desnecessariamente com coisas que ainda não aconteceram [abro colchetes: essa é uma frase que minha professora de Yoga usa, já na hora de induzir o relaxamento]. Nesse sentido, poderíamos dizer que a ansiedade é o oposto da depressão. Desde a visão védica, uma emoção ou um pensamento que nos leve à agitação ou à ansiedade são considerados rajásicos, enquanto que pensamentos paralisantes como aqueles que conduzem ao estado de depressão são considerados tamásicos. Respectivamente, as palavras rajas e tamas significam em sânscrito ação e imobilidade.

Se a ansiedade é a dificuldade para lidar com o excesso de aprêmios no cotidiano, a depressão é a falta mais absoluta de horizontes, estímulos ou inspiração para agir. Se você for ansioso, fique feliz, pois a presença da ansiedade indica que você está longe da depressão, já que estas duas situações, ansiedade e depressão, estão em extremos opostos dentro da ordem psíquica.

Assim, se quisermos ficar distantes desses dois extremos, devemos encontrar o caminho do meio entre um e o outro. Isso é chamado sattva. Esse termo quer dizer harmonia, equilíbrio e paz. Assim, devemos considerar que existe esse caminho do meio, o equilíbrio entre deixar-se arrastar pelos estímulos, ou tornarse absolutamente indiferente a eles. Assim, a ansiedade parece estar vinculada com algumas situações pontuais, como as seguintes:

1) a vontade de que o tempo pare, ou ande mais depressa, 2) a vontade de que as pessoas ajam de forma diferente, 3) a vontade de que as coisas aconteçam de maneira distinta e, 4) a impotência sentida ao perceber que não se está no controle.

Três passos para dizer adeus à ansiedade.

O primeiro passo para se livrar da ansiedade é assumir-se como alguém que tem ansiedade. De nada adianta ficar de costas para esse sentimento. Ignorá-lo equivale a varrer o problema para baixo do tapete, ou fingir que ele não existe. O segundo passo é deixar de considerar a ansiedade um problema! O terceiro e último passo é começar a olhar para si mesmo como alguém cuja tranquilidade e felicidade não dependem do resultado das ações e que, portanto, de nada adianta se preocupar antecipadamente com elas, assim como de nada serve se lamuriar quando os frutos delas ficam aquém dos nossos desejos.

O deus Krishna diz para o príncipe Arjuna, naquele diálogo imortal que é a Bhagavad Gita, que os problemas que tanto sofrimento lhe produzem são, em verdade, insignificantes. Porém, a situação de Arjuna é grave, por onde olharmos para ela: ele se vê na contingência de guerrerar contra a própria família. A enigmática e contundente resposta de Krishna ao desespero do príncipe é: “Estás te lamentando por quem não deves lamentar-te, embora tuas palavras sejam sábias. O homem realmente sábio não tem lágrimas, nem para os vivos, nem para os mortos” (II:11). O grande professor Hermógenes já disse o mesmo, com outras palavras: “Não se preocupe com ninharias. Tudo é ninharia!”

Seja qual for o caso, cabe lembrarmos que há coisas que, inevitavelmente, estão fora da nossa alçada, que não poderemos mudar, transformar ou melhorar, por maior que seja o esforço que façamos. Como diz aquele ditado português, aquilo que não tem remédio, remediado está. Por outro lado, algumas ações que realizamos no intuito de transformar ou melhorar alguma situação, nem sempre produzem os resultados esperados. Como diz aquele outro ditado, não adianta chorar sobre o leite derramado. Se o resultado ficou aquém das expectativas, pois relaxamos, respiramos fundo, viramos a página e começamos de novo.

Veja a ansiedade como uma aliada, não como um obstáculo.

Então, se tivesse que colocar a maneira de lidar com a ansiedade na forma de uma receita de bolo diria que, canalizada positivamente, a ansiedade pode ser uma importante força de realização, colocada à serviço do seu próprio crescimento pessoal. Podemos fazer com que ela trabalhe em nosso próprio benefício. Lembre que você não é a ansiedade, nem os pensamentos que a produzem, nem as emoções que a seguem. Lembre que você é tranquilidade e paz, independentemente de estar vivendo situações de instabilidade ou incerteza.

Talvez, o principal antídoto contra a ansiedade, afora os três passos acima mencionados, seja ver a si mesmo como alguém pleno e realizado, cuja felicidade não depende da execução de quaisquer ações ou da presença de quaisquer situações ou pessoas para ser feliz. Você não pode se tornar feliz ou pleno, pois você já é plenitude e felicidade! Se Krishna disse diálogo citado acima que o “sábio não tem lágrimas, nem para os vivos, nem para os mortos”, foi para lembrar a seu amigo e aluno que existe uma ordem, e que todos nós somos parte dela.

Não somos “uma porção” de plenitude, pois concluir isso é ilógico e incorreto. Somos a própria plenitude, àquela à qual nada pode ser acrescido, e da qual nada pode ser tirado. Quando olhamos dessa forma para nós mesmos, desaparece aquela pressão, aquela insegurança, aquela vontade de que o tempo voe ou pare, aquela vontade de controlar situações ou pessoas. Assim, aceitamos com gratidão o que recebemos e temos para viver a cada dia.

O autor destas linhas, por exemplo, sempre deixa a tarefa de escrever esta coluna para o último dia do prazo combinado com as editoras. Mas, ao invés de ficar me preocupando com o tema a ser abordado, ou com o fato de perceber que os dias vão passando e o texto não está pronto, simplesmente vou surfar e/ou faço meu trabalho, enquanto espero que a inspiração venha.

Às vezes, ela aparece num relâmpago e o texto fica pronto em meia hora. Outras vezes, fico até tarde na noite do último dia para terminar no prazo. Mas, em nenhum momento me estresso com isso. Hoje mesmo surfei por três horas antes de assumir que estava na hora de começar (e terminar!) este texto. E, agora, concluo calmamente, esperando que você, amigo leitor, o desfrute, da mesma forma que eu desfrutei ao escrevê-lo. Namaste!”