Arquivo de sensualidade

“Que seja em segredo”

Posted in Comportamento, Cultura e Arte, Curiosidades with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on março 24, 2015 by Psiquê

capa-de-que-seja-em-segredo-1426772743325_300x420 Não precisa dizer que estou na fila para comprar… Uma matéria divulgada pelo História Ilustrada e publicada originalmente no Portal Uol, por Guilherme Solari, fala sobre o relançamento de uma obra publicada nos anos 1990 pela editora Dantes, que agora a editora L&PM está lançando, “Que Seja em Segredo“. A obra reúne poemas eróticos de autoria de freiras ou inspirados nelas e “escritos na devassidão dos conventos brasileiros e portugueses dos séculos 17 e 18“, como descreve a própria editora. Trata-se de um relançamento da obra, que já saiu pela editora Dantes nos anos 1990 e havia esgotado. Os escritos são de uma época em que a vocação religiosa não era o principal motivo para jovens serem enviadas aos conventos. Naquele tempo, qualquer mulher considerada “difícil” podia acabar enclausurada. Portanto, esse era muitas vezes o destino das moças excessivamente sexuais, rebeldes, homossexuais, bastardas, das amantes indesejadas e das que perdiam a virgindade antes de se casar ou até mesmo por estupro. Às vezes, até garotas que não eram consideradas problemáticas podiam acabar passando o resto da vida em um convento, graças ao status que as famílias conseguiam por ter uma filha freira. Mas essa clausura não era tão hermética quanto se imagina. Alguns homens iam encontrar as freiras nas missas ou nos próprios conventos, atraídos justamente pela “proibição” representada por elas e pelas fantasias eróticas que isso despertava. Nascia assim a figura do “freirático”, ou “aquele que frequenta freiras”. Esse sujeito podia ter com as religiosas relações que iam desde platonismo inocente até encontros tórridos que não deviam nada a “Cinquenta Tons de Cinza” (não gostei desta obra, mas respeito a comparação do autor do artigo, nota minha, Psiquê), como no relato abaixo.

As religiosas do convento de Santa Ana de Vila de Viana tinham nas proximidades várias casinhas aonde iam, fora de clausura, com pretexto de estarem ocupadas a cozinhar, e recebiam ali homens que entravam e saíam de noite, denunciou em 1.700 o rei, em Lisboa. Nas celas os catres rangiam, os corpos alvos das freiras suavam sob o calor dos nobres, estudantes, desembargadores, provinciais, infantes. Os gemidos eram abafados com beijos 

Ana Miranda, em trecho do texto de introdução de “Que Seja em Segredo”

“Poemas luxuriosos, românticos, por vezes sarcásticos, escritos para e por freiras, em plena Inquisição, documentam tal costume dessa época em que a interdição sexual teve a função de afrodisíaco. Como consequência, celas e conventos eram ambientes de grande licenciosidade”, define a escritora Ana Miranda, vencedora do prêmio Jabuti em 1990 por “Boca do Inferno” e responsável pela pesquisa e o excelente texto de introdução da obra, que não apenas contextualiza o leitor, como também faz uma belíssima reflexão sobre desejo e sensualidade. Entre os freirático notáveis citados em “Que Seja em Segredo” estão o rei de Portugal dom João 5º e o poeta Gregório de Matos. O primeiro era um entusiasta tão inveterado das religiosas que chegou a mandar construir uma passagem secreta entre sua casa na cidade de Odivelas e o convento local, para que pudesse “frequentar as freiras” com maior discrição e receber leituras de poemas com freiras sentadas em seu colo. Já Gregório de Matos deixou depoimentos de suas aventuras com as “cortesãs enclausuradas” no Brasil. Incluindo o curioso relato de quando a cama de uma freira com quem estava literalmente pegou fogo. Decerto resultado de uma vela caída, mas o poeta, conhecido como um escritor “maldito”, atribuiu as chamas ao “amor que queimava os corpos através dos espíritos”.

As freiras, no começo, não respondiam às cartas, e apenas os mais persistentes prosseguiam até receber uma resposta, um bilhete recortado com tesoura, salpicado com água de córdova ou outro perfume caro, dizendo que não podia amar, que era muito feia, coisas assim. Mais uma carta de lá, outra de cá, uma cena de ciúmes, de rivalidade, e estava consumada a aproximação. ‘Já que tem de ser, que seja em segredo’, escrevia finalmente a freira ao pretendente

Ana Miranda, em trecho do texto de introdução de “Que Seja em Segredo”

Veja abaixo alguns poemas eróticos contidos na obra. Trecho de Antonio Lobo de Carvalho Puta dum corno, dos diabos freira, Eu me ausento, por mais não aturar-te; Tu cá ficas, cá podes esfregar-te Com quem melhor te apague essa coceira; Poeta anônimo Quando eu estive em vossa cela Deitado na vossa cama Chupando nas vossas tetas Então foi que me lembrei Linhas brancas, linhas pretas Trecho de poema de Frei Antonio das Chagas Vem a ser que a freirinha Se enamorou de doutra freira Mais que mancebo, cá fora Quis, lá dentro, ter manceba

Plenitude

Posted in Comportamento, Poesia Erótica with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on setembro 10, 2014 by Psiquê

6dacedb18a161906d1bf72486a91f45d

 

A sensualidade está no todo, no corpo, no gesto, no ar, no gosto, na atitude…

E algo no seu jeito consegue me fazer sentir a plenitude

O que me nutre não pode ser consolidado em palavras, mas está além do entendimento

É sensorial, é sentimental, é espiritual e é imenso, transcende a lógica e a essência das palavras…

Simplesmente você me faz me sentir maior, completa…

Você, Espartilho, me faz inteira… e me faz chegar a cada um que ao se identificar me segue, me acompanha, me nutre e me completa. É como se fosse uma extensão dos meus membros, do meu corpo, do meu ser…

Porque o que trago dentro de mim, exige a expansão, a transcendência, a partilha

Só me sinto completa quando partilho com você o meu eu, minha essência, meu interior, meu coração…

Ao compartilhar, ganho o universo, a completude e a plenitude.

Boa noite, queridos!

 

Ah, a sensualidade…

Posted in Comportamento, Erotismo, Poesia Erótica with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on agosto 26, 2014 by Psiquê

 a750077723b338d82b518f951df3f315

A sensualidade não tem uma fórmula, uma receita, uma técnica, um segredo…

Ela é…

Às vezes me perguntam como faço a escolha das fotos, das palavras, das ideias que divido aqui com vocês e eu simplesmente não consigo transmitir uma fórmula, pois envolve o gosto, a estética, aquilo que acho belo, que me toca, que me faz “falar” através das palavras e das imagens que escolho.

O que sempre repito é que muitas vezes a imagem vem antes do texto, ela que me inspira, que me move, que concretiza aquilo que estou pensando ou sentido.

Outras vezes, começo pelo texto, mas busco na imagem a concretização daquilo que quero compartilhar. É neste sentido que hoje venho dividir com vocês um pouquinho do que estas imagens me transmitem ou espelham aquilo que quero transmitir…

Quero falar hoje sobre a sensualidade….

Ela não está necessariamente na pose, na fórmula, no perfume….

…ela simplesmente é, seja pela olhar do admirador ou espectador, seja pela atração que o contemplador já sente. O cabelo pode estar despenteado, a camisola caindo, pode não haver roupa, pode ser uma roupinha velha e desengonçada, pode ser um batom nude ou vermelho, uma nuca de fora ou cabelo solto, uma lingerie sexy…

…não importa…

Pode ser tudo, ou pode ser nada, às vezes até o perfume em uma peça usada pode provocar aquela imagens de sensualidade que o outro evoca em você…

Enfim, tem a ver com química, com pele, com olhar, com energia, sei lá…

Sei que me impressiona e me alimenta.

Boa noite meus amores. Obrigada por virem aqui!

Azul é a cor mais quente

Posted in Cultura e Arte, Relacionamento, Romance, Sexo with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on janeiro 8, 2014 by Psiquê

20130526163715439973u

Eu não tenho como transmitir em palavras o que é o filme Azul é a cor mais quente…o filme tem enquadramentos que evocam sensações impressionantes: os closes no rosto, nos olhos, na boca, o cabelo ‘desgrenhado’, tudo tem um toque sensual no filme…

Trata-se de uma linda história de amor, não importa se é um amor homo ( neste caso específico lésbico) ou hétero, pois ele envolve a plateia acima de qualquer preconceito. A despeito de todas as críticas terem me alertado de que algumas pessoas abandonam a sala de cinema no meio do filme diante das cenas de sexo entre Adèle e Emma, em plena terça-feira, a sala de cinema ficou lotada até 0h53 (horário de término do filme, depois de 2h59 de exibição).

Essa análise no site Adorocinema resume bem a atmosfera de descobertas, sensações e sentimentos que o filme evoca ao contar a história de uma adolescente chamada Adèle que lida com descobertas e conflitos sobre si mesma e seus sentimentos. O título original da obra seria A vida de Adèle , mas a versão brasileira veio com influência do título da versão americana e na história em quadrinhos que a inspirou.

Uma jornada de descoberta  (autoria de Lucas Salgado)

“A passagem da adolescência para o dia a dia adulto é um momento difícil de viver e ainda mais difícil de explicar. Por isso, são poucos os filmes que realmente se arriscam em traçar este caminho. E este é o caso de Azul é a Cor Mais Quente. Esqueça tudo o que leu sobre o filme. Não se trata de uma obra sobre duas mulheres que “se pegam” o tempo todo. Trata-se, sim, de uma produção ímpar sobre descoberta da juventude. O amor e o sexo estão ali, é claro, mas como pano de fundo para algo bem mais complexo.

Adèle (Adèle Exarchopoulos) é uma garota de 15 anos que divide sua rotina entre completar o ensino médio e dar aulas de francês para crianças. Determinado dia, ela conhece Emma (Léa Seydoux), uma artista plástica de cabelos azuis. As duas começam a se conhecer e dão início a um relacionamento intenso.

O filme tem em sua longa duração um dos seus pontos positivos. Suas quase três horas ajudam o espectador a conhecer detalhadamente sua protagonista. Quando Adèle conhece Emma, nós já temos uma boa ideia da fase de vida em que se encontra a primeira. Sem saber o que quer, ela faz aquilo que se espera de uma garota de 15 anos. Conversa com as amigas, flerta com garotos etc. Até o dia em que conhece o novo.

Ao mesmo tempo em que a protagonista vai se descobrindo, ela vai conhecendo o mundo. E ainda assim, no sentido geral, parece um pouco perdida. O fato do diretor Abdellatif Kechiche dar à sua personagem o nome de sua protagonista ainda colabora para dar ao longa um ar quase documental. Obviamente, Exarchopoulos não é a Adèle do filme, mas se entrega de forma tão impressionante que o resultado é fenomenal.

Conhecido pelos trabalhos em O Segredo do Grão e Vênus Negra, Kechiche realiza mais um trabalho incrível, adotando novamente a naturalidade como sua marca. Nenhuma das atrizes usou maquiagem para os papéis, o que reforça suas belezas e ainda dá ao longa um ar muito particular, fugindo da plasticidade do cinema hollywoodiano. Outra opção formidável do cineasta foi rodar o filme em 2.35:1. Usado classicamente em faroestes como Era uma Vez no Oeste ou épicos como Lawrence da Arábia, o formato se tornou cada vez mais comum nos últimos tempos com a propagação do widescreen. Ainda assim, é usado na maioria das vezes para reforçar cenários ou efeitos visuais. Em Azul é a Cor Mais Quente, não tem nada disso. O diretor usa uma razão de aspecto alta para contar uma história muito intimista. O resultado é perfeito e vemos Adèle, por mais que esteja sempre em destaque, também presente em um ambiente amplo, aberto a novas situações ou novos personagens. E isso também vale para Emma.

A diferença de classes, tema recorrente na cinematografia do diretor franco-tunisiano, está presente aqui, e também de forma bem natural. Enquanto Léa é um fruto de uma família de intelectuais e sonha em ser uma artista, Adèle possui pais mais simples, que não dispensam uma boa macarronada e são objetivos na hora de pensar no futuro. Kechiche levanta vários temas, mas não perde tempo transformando qualquer um deles em um impedimento para a relação.

A trama é inspirada livremente nos quadrinhos homônimos de Julie Maroh. O diretor faz questão de ressaltar a independência com relação à HQ, mas é inegável a influência, principalmente na fotografia de Sofian El Fani. O azul não está só no título brasileiro ou nos cabelos de Emma. A cor está presente durante toda a produção, seja nos figurinos (principalmente de Adèle), seja nos próprios ambientes, que parecem debaixo de um filtro azul.

La Vie d’Adèle (no original) é construído através das atuações de Adèle Exarchopoulos e Léa Seydoux. Elas brilham tanto que foram consideradas coautoras pelo júri de Cannes e acabaram levando a Palma de Ouro ao lado do diretor, o que não foi nenhum exagero. Elas se entregam de corpo e alma ao longa e protagonizam no mínimo três cenas memoráveis: a tão falada cena de sexo; a cena em que brigam; e a sequência num café.

A comunhão entre as duas atrizes é tão impressionante que em alguns momentos o espectador as verá sim como um ser único. Por causa disso, não há a possibilidade de alguém não se envolver com a relação ou sofrer com os momentos em que discutem.

Não se trata de um filme militante sobre um relacionamento homoafetivo. E por causa disso acaba marcando ainda mais o espectador. O relacionamento de Adèle e Emma é construído de forma muito delicada e inteligente. Um filme que mostra a força do amor, seja para construir, seja para destruir. Que mostra as maravilhas, as incertezas e as dificuldades de uma juventude que não sabe o que quer, mas que ao mesmo tempo quer tudo.

O título original destaca que este é o capítulo 1 e 2 da saga de Adèle. É torcer para que diretor e atriz queiram continuar com a história. Pois ao final dos 177 minutos de Azul é a Cor Mais Quente, a sensação que fica é a de quero mais”

Imperdível!!!! Recomendo muito!

Estou até agora encantada com o que Kechiche conseguiu com esta obra.

Obs: A quadrinhista Julie Maroh, autora do HQ que teria inspirado a obra, fez sérias críticas a Kechiche em relação às falhas na interpretação das cenas de sexo, veja aqui. Lésbica assumida, Maroh reclama da falta de uma consultoria lésbica, mas ela própria admite ter se recusado a se envolver na adaptação cinematográfica da sua obra, dando assim mais liberdade para Kechiche imprimir sua visão. Mesmo assim, lamenta a idealização do sexo homossexual por um prisma masculino.

Intimée

Posted in Curiosidades, Lingerie with tags , , , , , , , , , , , , , , on janeiro 20, 2013 by Psiquê

698916_52

Ontem eu estava visitando uma livraria, degustando livros e revistas quando me deparei com uma revista que nunca tinha visto antes, intitulada Intimée. A princípio achei muito interessante, não pude ler a fundo, mas gostei da matéria Burlesque que comecei a ler e que resultou na minha ‘corrida para casa’ para assistir ao filme em cartaz na Sky. Neste rápido contato com a revista, achei um pouco exagerada a quantidade de fotos não profissionais de lingeries e a quantidade de anúncios. Nada que não pode ser aperfeiçoado e melhorado com o tempo…

Claro que pensei logo nos posts que esta rápida leitura poderia gerar e na forte ligação do nosso Espartilho com essa temática. Resolvi, então, linkar a revista.

A ideia, entretanto, é bem legal, não apenas pela temática que interessa e muito a nós mulheres e aos amantes inteligentes e sensíveis, como também ao mercado de lingerie que cresce em Nova Friburgo, no Brasil e no Mundo. Há muito tempo, temas como espartilho, chá de lingerie, encontros sensuais, que explorem sensualidade e autoestima e os vários assuntos correlatos interessam ao nosso público. Partilho aqui mais essa dica para vocês queridos leitores do nosso Espartilho.

O Espartilho, minha paixão!

Posted in Curiosidades with tags , , , , , , , , , on agosto 21, 2011 by Psiquê

Angelina Jolie

Escrever e manter o Espartilho, é  algo que faço com inexplicável prazer. A escolha das imagens, dos temas, da estética aqui presente, é algo que me satisfaz, me deixa mais leve, mais bela, mais feliz. Acho que o blog reflete o meu senso estético e o meu gosto pela expressão que ele pode revelar.

Tive uma semana pesada (estudo, trabalho, provas, pepinos a resolver) e este final de semana foi um período de descanso que me permiti ter, portanto, não pensei em estudos, obrigações, tarefas impostas pelos meus deveres cotidianos. Confesso estar em uma fase em que o silêncio me conforta, me tranquiliza, me satisfaz e a ele que tenho buscado. Diante desta fase, não vim aqui escrever sobre nenhum tema específico apenas registrar o meu amor pelo que faço e deixo aqui registrado.

Tivemos na última sexta, o total de 914 acessos e eu espero que esse número aumente ainda mais e que cada visitante encontre aqui um pouco de si, um pouco do belo, do admirável. Vocês são parte desta conquista. Grande beijo!

Pin Up

Posted in Curiosidades, Erotismo with tags , , , , , , , , , on fevereiro 24, 2010 by Psiquê

Pin up toons

Como sensualidade e Espartilho combinam perfeitamente, resolvi partilhar com vocês uma paixão de minha amiga Mariana, que tem tudo a ver com a sensualidade que permeia o Espartilho e que me atraiu bastante.

Uma pin-up é uma modelo cujas imagens sensuais produzidas em grande escala exercem um forte atrativo na cultura pop. Destinadas à exibição informal, as pin-ups constituem-se num tipo leve de erotismo. As mulheres consideradas pin-ups são geralmente modelos e atrizes.

Pin-up também pode se referir a desenhos, pinturas e outras ilustrações feitas por imitação a estas fotos. O termo foi documentado pela primeira vez em inglês em 1941; contudo, seu uso pode ser rastreado pelo menos até a década de 1890. As imagens “pin up” podiam ser recortadas de revistas, jornais, cartões postais, cromo-litografias e assim por diante. Tais fotos apareciam freqüentemente em calendários, os quais eram produzidos para serem pendurados (em inglês, pin up) de alguma forma. Posteriormente, posters de “pin-up girls” começaram a ser produzidos em massa. Muitas “pin ups” eram fotografias de celebridades consideradas sex symbols.

Tudo isso porque estamos às voltas de pensar um tema para nos representar nesse período em que nos aproximamos da Idade da Loba, ou seja, em que nos tornaremos balzaquianas (30 anos).