Arquivo para ventre

Desejo…

Posted in Poesia Erótica with tags , , , , , , , , , , on outubro 13, 2012 by Psiquê

Igor Amelkovich

“Ela sabia o que era desejo – embora não soubesse que sabia.
Era assim: ficava faminta mas não de fome, era um gosto meio doloroso que subia do baixo-ventre e arrepiava o bico dos seios e os braços vazios sem abraço.
Tornava-se toda dramática e viver doía.”

Clarice Lispector

Opinião de um homem sobre o corpo feminino

Posted in Comportamento, Estética e Beleza with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on agosto 12, 2011 by Psiquê

Via Nu Photos

Hoje, visitando o blog O Adorador de Mulheres, deparei-me com um texto intitulado Opinião de um homem sobre o corpo feminino, que confesso me surpreendeu ser de autoria do Paulo Coelho. O texto revela alguns dos vários conflitos pelos quais nós, mulheres, passamos em diversos momentos da nossa vida em relação ao corpo e tenta apresentar a opinião dos homens sobre esses dilemas.

Embora acredite que devamos manter nossos cuidados em relação ao corpo, algumas dicas sobre relaxar e não levar a questão da beleza para uma via obsessiva são válidas. Reproduzo o texto abaixo para partilhar com vocês, embora não concorde com todas as afirmações dele, algumas carregadas de clichês quanto ao comportamento feminino ou, quem sabe, machistas. Porém, em geral, o texto traz uma visão bem bacana.

Opinião de um homem sobre o corpo feminino

Não importa o quanto pesa. É fascinante tocar, abraçar e acariciar o corpo de uma mulher. Saber seu peso não nos proporciona nenhuma emoção. 

Não temos a menor idéia de qual seja seu manequim. Nossa avaliação é visual, isso quer dizer, se tem forma de guitarra… está bem. Não nos importa quanto medem em centímetros – é uma questão de proporções, não de medidas. 

As proporções ideais do corpo de uma mulher são: curvilíneas, cheinhas, femininas

Essa classe de corpo que, sem dúvida, se nota numa fração de segundo. As magrinhas que desfilam nas passarelas, seguem a tendência desenhada por estilistas que, diga-se de passagem, são todos gays e odeiam as mulheres e com elas competem. Suas modas são retas e sem formas e agridem o corpo que eles odeiam porque não podem tê-los. 



Não há beleza mais irresistível na mulher do que a feminilidade e a doçura. A elegância e o bom trato, são equivalentes a mil viagras. 

A maquiagem foi inventada para que as mulheres a usem. Usem! Para andar de cara lavada, basta a nossa. Os cabelos, quanto mais tratados, melhor. 



As saias foram inventadas para mostrar suas magníficas pernas… Porque razão as cobrem com calças longas? Para que as confundam conosco? Uma onda é uma onda, as cadeiras são cadeiras e pronto. Se a natureza lhes deu estas formas curvilíneas, foi por alguma razão e eu reitero: nós gostamos assim. Ocultar essas formas, é como ter o melhor sofá embalado no sótão. 



É essa a lei da natureza… que todo aquele que se casa com uma modelo magra, anoréxica, bulêmica e nervosa logo procura uma amante cheinha, simpática, tranqüila e cheia de saúde. Entendam de uma vez! Tratem de agradar a nós e não a vocês. porque, nunca terão uma referência objetiva, do quanto são lindas, dita por uma mulher.

Nenhuma mulher vai reconhecer jamais, diante de um homem, com sinceridade, que outra mulher é linda.

As jovens são lindas… mas as de 40 para cima, são verdadeiros pratos fortes. Por tantas delas somos capazes de atravessar o atlântico a nado.

O corpo muda… cresce. Não podem pensar, sem ficarem psicóticas que podem entrar no mesmo vestido que usavam aos 18. Entretanto uma mulher de 45, na qual entre na roupa que usou aos 18 anos, ou tem problemas de desenvolvimento ou está se auto-destruindo. 



Nós gostamos das mulheres que sabem conduzir sua vida com equilíbrio e sabem controlar sua natural tendência a culpas. Ou seja, aquela que quando tem que comer, come com vontade (a dieta virá em setembro, não antes; quando tem que fazer dieta, faz dieta com vontade (sem sabotagem e sem sofrer); quando tem que ter intimidade com o parceiro, tem com vontade; quando tem que comprar algo que goste, compra; quando tem que economizar, economiza. 


Algumas linhas no rosto, algumas cicatrizes no ventre, algumas marcas de estrias não lhes tira a beleza. São feridas de guerra, testemunhas de que fizeram algo em suas vidas, não tiveram anos ‘em formol’ nem em spa… viveram!

O corpo da mulher é a prova de que Deus existe.

É o sagrado recinto da gestação de todos os homens, onde foram alimentados, ninados e nós, sem querer, as enchemos de estrias, de cesárias e demais coisas que tiveram que acontecer para estarmos vivos. 


Cuidem-no! Cuidem-se! Amem-se! 



A beleza é tudo isto. 
 
(Texto de autoria de Paulo Coelho)

Já espero

Posted in Poesia Erótica with tags , , , , , , , , , , , , , , , , on julho 22, 2009 by Psiquê
Klaus Kraiger - Beatrice

Klaus Kraiger - Beatrice

Certo livro de Jaspers despenca da estante fria, acerta o ventre do meu corpo ao chão morno… Há chamas em minhas mucosas; nos seios, fogo. Incendeiam-me as inspirações transcendentais Salvem, atirem as concepções do mundo à pia! Traga-me, bombeiro, o além do mito/ideologia; Apague toda dor, agonia e mea culpa depois… Atire água na morte, o avesso atalho da fantasia. Faça-me prenha com uma genital Philosophie, transparentemente. À luz: Karlquer um, nós Dois.

Helga Holtz

Afrodite

Posted in Poesia Erótica with tags , , , , , , , , , on junho 10, 2008 by Psiquê

Via Amante das Imagens

Afrodite

Formosa.
Esses peitos pequenos, cheios.
Esse ventre, o seu redondo espraiado!
O vinco da cinta, o gracioso umbigo, o escorrido
das ancas, o púbis discreto ligeiramente alteado,
as coxas esbeltas, um joelho único suave e agudo,
o coto de um braço, o tronco robusto, a linha
cariciosa do ombro…
Afrodite, não chorei quando te descobri?
Aquele museu plácido, tantas memórias da Grécia
e de Roma!
Tantas figuras graves, de gestos nobres e de
frontes tranquilas, abstractas…
Mas aquela sala vasta, cheia, não era uma necró-
pole.
Era uma assembleia de amáveis espíritos, divaga-
dores, ente si trocando serenas, eternas e nunca
desprezadas razões formais.

Afrodite, Afrodite, tão humana e sem tempo…
O descanso desse teu gesto!
A perna que encobre a outra, que aperta o corpo.
A doce oferta desse pomo tentador: peito e ventre.
E um fumo, uma impressão tão subtil e tão pro-
vocante de pudor, de volúpia, de reserva, de
abandono…
Já passaram sobre ti dois mil anos?

Estranha obra de um homem!
Que doçura espalhas e que grandeza…
És o equilíbrio e a harmonia e não és senão corpo.
Não és mística, não exacerbas, não angústias.
Geras o sonho do amor.

Praxíteles.
Como pudeste criar Afrodite?
E não a macerar, delapidar, arruinar, na ânsia de
a vencer, gozar!
Tinha de assim ser.
Eternizaste-a!
A beleza, o desejo, a promessa, a doce carne…

(Autora: Irene Lisboa)

O encanto da Dança do Ventre

Posted in Comportamento, Curiosidades, Estética e Beleza, Saúde with tags , , , , , , , , , , , , , , , , on abril 20, 2008 by Psiquê

Ventre Poético – Cris Passinato

derrama cada verso em meu colo
faz que eu sinta o seu maior valor
o germinar do poema no ventre
sem mais nada calar
cada palavra floresce contente
com prazer do calor do amar
impossível de os sentidos conseguir controlar
vem, meu amor, me faz suar
o cantar do seu poetar.

Apesar de estar há um ano parada – o que lamento diariamente – por vários motivos: restrição financeira, falta de tempo, pouca disponibilidade para dedicar-me aos ensaios, etc; a dança do ventre me fascinou desde o primeiro contato. Esse tema já estava pensado desde o início do blog, mas ontem sem saber sobre o que escrever o Léo sugeriu que o abordasse.

Quando me refiro ao encanto, não estou me reportando ao interesse masculino ou fetiches que os homens podem carregar em relação à dança do ventre. Não tem nada a ver com eles. A dança exerce um verdadeiro encanto sobre a feminilidade. Ela aflora a sensibilidade, auto-estima e feminilidade. Quando estamos movimentando os quadris parece que um misto de hormônios, psicológico e físico desencadeiam juntos um bem-estar e uma satisfação incríveis. Não sei explicar. Só sei que não vejo a hora de voltar. O que preciso deixar de lado é o meu estresse em querer perfeição técnica e voltar a fazer por puro prazer.

Meninas experiemente: vocês entenderão desde o início tudo isso que eu tentem expressar em relação à essa dança.

Em entrevista ao Portal Terra Mulher, Lulu Sabongi – uma diva da dança do ventre no Brasil – resume o encanto que mencionei:

“A dança do ventre mexe com a fantasia e o emocional, estimulando o corpo e acabando com as inibições. Quem acha que tem o corpo feio, vai descobrir uma silhueta linda, num processo natural”, diz a professora de dança do ventre, Lulu Sabongi. A matéria ainda destaca que através da dança a guerreira, que faz tripla jornada de trabalho, pode deixar a feminilidade aflorar e consegue atingir a naturalidade, livrando-se do estresse e colocando as pressões do dia-a-dia bem longe de toda a delicadeza permitida ao universo forte e sensível das mulheres.

Veja alguns dos benecícios da dança do ventre:

  1. Desenvolve a auto-estima;
  2. Estimula a memória, a concentração e a atenção;
  3. Aumenta a confiança no seu potencial individual;
  4. Resgata a feminilidade;
  5. Ativa a circulação, aumenta os reflexos e alivia as tensões;
  6. Aumenta a flexibilidade e alongamento;
  7. Auxilia em problemas menstruais, hormonais e partos, diminuindo cólicas, equilibrando as funções sexuais e facilitando contrações e dilatações;
  8. Trabalha músculos, enrijecendo e tonificando;
  9. Atua diretamente no centro de energia do corpo, que se encontra no ventre, distribuindo a mesma de forma equilibrada.

Para saber mais sobre a dança, clique:

Aischa Hortale

Khan el Khalili

Kahina Belly Dance

Lulu Sabongi

O que mais já se falou a respeito:

Dança do Ventre melhora a auto-estima e o prazer

Dança do Ventre era um ritual privado

Dança do ventre, a dança do momento

Dança do Ventre: saiba como ela pode te auxiliar