Arquivo de dezembro, 2014

Que venha 2015!

Posted in Comportamento, Conscientização with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on dezembro 20, 2014 by Psiquê

a97d5afb3cb1e1128daed48ca7c27dc0

Eis que faltam alguns dias para 2014 chegar ao fim. Um ano de muitas mudanças, transformações, evoluções, rupturas, amadurecimentos. Agradeço por todas esta fases…por todas as etapas vividas e deposito em 2015  esperanças pela consolidação das boas escolhas e de alteração das más.

Estava lendo um pouco sobre as previsões do meu signo no livro: Seu horóscopo pessoal para 2015, de Joseph Polansky e gostaria de compartilhar com vocês as tendências gerais que o autor apresenta para o meu signo: Virgem. Achei interessante, pois esta visão geral coincide com um ciclo que estou vivendo desde 2013 e que se aprofundou bastante em 2014 de uma busca espiritual intensa.

“Desde que Júpiter entrou em sua Décima Segunda Casa em julho do ano passado, você vive um período espiritual intenso. Você está evoluindo espiritualmente – isto é, internamente. Suas capacidades estão sendo ampliadas. Muitos de seus objetivos, que antes pareciam inalcançáveis, agora parecem viáveis. Seu entendimento acerca da vida e de si mesmo está cada vez maior. Entretanto, isso não é visível no exterior, permanecendo ainda como um segredo. (…) Você entrará em um ciclo anual de prosperidade.

(…) Quando uma espécie de sinal espiritual acontece (você viveu muitos no ano passado, e viverá ainda mas este ano), a experiência é muito feliz. A alma sente-se livre. Toda a visão é modificada. Certos pensamentos opressivos são deixados para trás e jamais retornam para atordoá-lo.”

Gostei muito, e alimento ainda mais a esperança de que dias ainda melhores virão. Porque viver é bom demais e saber viver bem e agradecer pelas oportunidades diárias, melhor ainda.

Tenham um excelente final de dezembro e que venha 2015!

Namastê!

Oral

Posted in Erotismo, Sexo with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on dezembro 13, 2014 by Psiquê

298856125242124335_ZqsidIYc_c

Li na revista GQ Brasil de outubro passado (edição 43), um texto bem interessante de Mariliz Pereira Jorge, que compartilho aqui com vocês.

“Sexo oral é como beijo na boca, tem que encaixar. Com uma diferença: se a gente não gosta do beijo de cara é difícil que a situação se reverta, porque ninguém dirá algo como “feche mais a boca”, “não enfie a língua na minha garganta”, “pare de babar”. O beijo é o curriculum vitae do amor na prática. [ e como…] É a primeira aprovação para aqueles três meses iniciais. A gente não desiste de uma relação no início por várias razões, por causa do beijo rescindimos o contrato.

Mas dificilmente alguém pula fora porque o sexo oral é ruim ou só dá para o gasto. Infelizmente nem sempre quem ajoelha reza com louvor. Nem é falta de fé, é falta de jeito. Bate uma insegurança enorme de todos os lados. Talvez você não tenha certeza até hoje onde raios fica o ponto G, duvide mesmo de sua existência. A mulherada passa pelas mesmas incertezas. Ainda mais quando está com um parceiro novo.

Uma coisa fique bem clara: tem mulher que sente medo de pinto. Algumas têm nojo. E há várias que não sabem exatamente o que fazer com ele. O mundo está um pouco diferente – ainda bem – e a gente conquistou aos poucos o direito de transar com quantas pessoas quisermos. Mas, ao longo da vida, as mulheres ainda têm menos parceiros sexuais do que os homens. Isso significa menos experiência, menos rebolado na hora de cair com a boca na botija. Merecemos um crédito se a coisa sair meio desajeitada no começo. E contamos com a sua ajuda.

Minhas amigas falam em coro que só existem duas coisas piores do que um homem que não sinaliza se está gostando do boquete: quando vocês empurram a nossa cabeça em direção ao pinto e quando insistem para que a nossa boca dê um jeito naquele ser inanimado e murcho.

Sim, tem mulher que não gosta. Mas forçar a barra só vai deixá-la constrangida para o que realmente interessa. Sim, não é justo que você passe um tempão lá se lambuzando e ela, nada. Mas se a história vale a pena, só o tempo, carinho e confiança para que a parceira fique à vontade e descubra as sete maravilhas de chupar um pinto. E quando sobra vontade nem a falta de técnica atrapalha.

Dito isso, outro potencializador de sexo frustrado é você querer transar sem vontade e insistir que a mulher o deixe no ponto com um boquete. Ela pode até tomar a iniciativa, mas a decisão para isso deve ficar com ela. Mesmo as garotas que gostam da brincadeira – e pode ter certeza que muitas gostam – desanimam com aquela imagem tímida e chocha à sua frente. Mulheres se excitam com um homem pelado, acham o pinto bonito, desde que esteja duro, brilhante e bem disposto.

Quando se conhece alguém tudo é novidade. Do mesmo jeito que a gente não sabe se você gosta mais de transar de manhã ou à noite, é quase impossível saber como você prefere o sexo oral. Existe uma infinidade de possibilidades. Pego com força ou de levinho, ou nem ponho a mão? Lambo, chupo ou faço sucção? Aperto seus testículos ou só faço um agrado? Mais rápido ou devagar?

A gente vai no instinto, e ele pode nos levar ao caminho errado. Você fica frustrado e sua parceira se acha incapaz. O índice de acertos será infinitamente maior se você fizer apenas uma coisa: falar. Diga do que gosta, o que prefere, diga que está gostoso, que está incrível. É estimulante saber que todo mundo está se divertindo.

E calma lá com a euforia. Não vale explodir de felicidade na boca alheia sem aviso ou acordo prévio. Algumas – certíssimas – se preocupam com DSTs, outras vão ficar constrangidas sem saber se cospem ou engolem. O combinado não é caro, e vale pra tudo na vida.