Arquivo para novembro, 2013

Termogênicos naturais

Posted in Estética e Beleza, Saúde with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on novembro 30, 2013 by Psiquê

4b6b8385bfec47f2835dee51aedc54af

Eu sou adepta de formas naturais de emagrecimento: alimentação balanceada, exercícios físicos, ingestão de bastante água, tratamentos estéticos como drenagem linfática, etc. Mas recentemente fui questionada sobre quais são os alimentos que funcionam naturalmente como termogênicos sem que se ameace a saúde e o bom funcionamento do organismo.

Dois portais apresentaram uma lista de termogênicos, digamos, mais naturais. A revista Corpo a Corpo na matéria 5kg em 1 mês e o Guia de Dieta com a matéria ‘Conheça sete alimentos termogênicos que te ajudam a emagrecer’.

Alimentos termogênicos exigem que o metabolismo trabalhe em um ritmo acelerado, facilitando a queima das gorduras indesejadas. A Corpo a Corpo fez uma lista desses alimentos que te ajudarão a ativar o metabolismo e abandonar a canga no próximo verão

Os alimentos termogênicos despendem mais energia do corpo para serem digeridos. Por isso, estimulam o metabolismo a trabalhar em ritmo acelerado e aumentam a temperatura corporal, facilitando a queima de gordura”, explica Daniela Hueb, nutróloga (SP). veja abaixo uma  lista recheada de termogênicos que te ajudarão no combate aos indesejáveis pneuzinhos. Confira!

Principais Alimentos Termogênicos:

  1. Pimenta Vermelha: ela é a rainha entre os termogênicos. Com apenas 3 gramas desse legume por dia, haverá um aumento de até 20% das funções metabólicas. E como é rica em capsaicina, aumenta a quebra de gordura e do tecido adiposo. Pode ser consumida em pratos quentes e em saladas. uma das substâncias presentes no fruto, a capsaicina, tem ação termogênica comprovada e é considerada um dos melhores auxiliares no controle de peso. Também contribui para a retirada de gorduras das artérias. No entanto, tome cuidado: o ingrediente é contraindicado para quem sofre de gastrite ou hemorroida.
  2. Chá Verde: do mesmo modo que a pimenta vermelha, promove a aceleração do metabolismo e a queima de gordura para transformá-la em energia. 5 xícaras por dia são o suficiente para conhecer os seus resultados, mas cuidado para não ingeri-las à noite, caso sofra de insônia, porque são ricas em cafeína.
  3. Canela: além de aumentar consideravelmente o metabolismo, a canela tem cálcio mineral, que também ajuda no emagrecimento. Além da ação estimulante, age como facilitadora da digestão e combate a flatulência. “Também auxilia o tratamento de problemas de pele”, acrescenta Daniela Hueb. Pode ser consumida em pó ou em forma de chá, no caso da canela em pau.
  4. Gengibre: o gasto calórico com essa raiz pode aumentar em até 10% com apenas 2 fatias pequenas, que podem ser acrescentadas a cozidos ou bebidas como chá. O gengibre rambém melhora a digestão.
  5. Chá de Hibisco: durante a digestão, ele aumenta a temperatura do corpo e também, do metabolismo. Sendo assim, é preciso beber 1 litro de chá feito com 1 colher de sopa dessa flor.
  6. Café: contém cafeína, estimulante e termogênico natural, que te auxilia a se manter em estado de alerta. Mas nada de exagerar na dose, ou você pode sofrer com problemas do estômago, insônia e ansiedade. O ideal é consumir até 3 xícaras por dia.
  7. Cacau: possui propriedades estimulantes e antioxidantes devido ao seu teor de cafeína e polifenóis. A combinação dessas substâncias faz bem ao coração, à circulação sanguínea e contém atividade antialérgica, antiviral e anti-inflamatória.
  8. Mate: um estudo desenvolvido por pesquisadores do curso de nutrição da Universidade do Vale do Itajaí (Univali) apontou que o consumo de erva-mate ajuda na perda de peso, no aumento da taxa de HDL (bom colesterol) e na diminuição da taxa de glicemia.
  9. Linhaça: no quesito controle de peso, oferece dois grandes auxílios: acelera a queima calórica e regulariza o intestino. E não para por aí: ela também proporciona o aumento da defesa orgânica e reduz o ritmo de envelhecimento celular, prevenindo várias doenças.
  10. Óleo de coco: estimula o metabolismo, atua na redução do colesterol ruim e melhora a função intestinal. “Esse tipo de gordura potencializa a absorção de nutrientes”, afirma Daniela Hueb. Uma boa opção é alternar seu uso com o do azeite de oliva, pois seu sabor é mais suave.

CONTRA INDICAÇÕES: Apesar de seus benefícios, os termogênicos devem ser evitados por quem sofre de hipertireoidismo porque esse grupo já tem o metabolismo elevado, o que levaria à queima de massa muscular ao invés de gordura.

Gestantes, hipertensos, cardiopatas, crianças e pessoas com alergias e úlceras não devem consumi-los em excesso, visto que podem causar nelas hipoglicemia, nervosismo, taquicardia, insônia e aumento de pressão arterial.

Fica a dica, mas é sempre fundamental, procurar um médico ou nutricionista para que este avalie cada caso separadamente e recomende o melhor meio de estimular a queima calórica.

Anúncios

Metas e persistência

Posted in Comportamento with tags , , , , , , , , , , on novembro 29, 2013 by Psiquê

f7428b2851b3ca8922fc8b5f509d0cd9

 

Hoje estava refletindo sobre metas, expectativas e persistência, associado ao nível de frustrações que nos deixamos sentir e o quanto ela interfere na nossa trajetória. Há uma máxima muito interessante que não pode ser levada exatamente ao pé da letra, mas é válida para nos guiar e evitar perdas de tempo com choramingos desnecessários: “sem expectativas não há frustrações”.

É evidente que as expectativas nos movem, sempre. Mas devemos nos mover em direção a um objetivo, conscientes de que tudo pode acontecer, sucesso, fracasso, um pouco dos dois. Porém a certeza do aprendizado em todas as atitudes nos move a dar valor ao caminho e não ao ponto de chegada. Assim ganhamos muito mais. Hoje eu só tenho a agradecer, por minha vida não ser fácil, por ralar muito todos os dias, por chorar, sorrir, gritar e até me frustrar um pouco, mas aprender!!!!

Aprender sempre. Tenham um excelente final de semana e busquem a eficiência e o bom desempenho em tudo, sem expectativas excessivas, pois assim, o ganho – em satisfação e felicidade – é sempre certo!

10 Maneiras de ser mais feliz no trabalho

Posted in Comportamento with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on novembro 26, 2013 by Psiquê

O portal Nibo trouxe um post sobre as 10 Maneiras de Ser Mais Feliz no Trabalho. O blog 99jobs também compartilhou e eu também resolvi colocar aqui no nosso Espartilho. Leia na íntegra e fique à vontade em comentar:

f57e5d90a3ae44b62bc6b624779c7a75

Felicidade é uma busca constante do ser humano. Ser feliz depende em grande parte de como você lida com outros e com as suas próprias emoções. A maior parte de nosso dia, passamos no trabalho, por isso é extremamente importante para nos sentirmos de “bem com a vida” que isso comece nos momentos mais simples, mas que exigem produtividade. Nessa lista de regras básicas juntamos 10 maneiras para ser feliz no trabalho.

1. Não se compare com os outros!!!

Todo mundo tem uma história de vida diferente, sendo diferente, não existe comparação. A trajetória da sua carreira é exclusivamente sua! Estipular comparações é uma perda de tempo enorme, além de desgastante para a cabeça.

2. Não dê importância demais a coisas fora do seu controle!!!

É claro que é importante que você esteja informado sobre a economia, seu mercado de atuação, etc. Mas não deixe que situações fora do seu controle te corroam por dentro. O seu foco deve se manter nas coisas que você tem domínio: seus pensamentos e suas atitudes.

3. Conheça seus limites!!!

Embora seu trabalho possa parecer a principal fonte de sobrevivência, não é a coisa mais importante do mundo. É necessário que mantenha sua integridade e privacidade. Nunca deixe que seu trabalho te jogue para baixo.

4. Não se comprometa com mais do que pode cumprir!!!

Compreenda e reconheça o que você pode fazer em um determinado prazo de tempo. Se algo parecer muito complexo, expresse isso a sua equipe com clareza e reorganize os prazos e tarefas de maneira adequada.

5. Comunique-se com clareza!!!

A maior parte do estresse em qualquer trabalho de equipe é resultado de má comunicação. E-mails mal interpretados, projetos mal explicados, expectativas mal alinhadas (entre outros) são causadores de mal estar. Tome medidas simples para ter certeza de uma boa comunicação.

6. Seja educado!!!

Parece simplista, mas não é. No dia a dia, agradeça as pessoas que fazem parte do seu cotidiano e torne a convivência mais agradável.

7. Pare de reclamar e ache soluções!!!

Ser a pessoa que está sempre reclamando é uma forma de propagar energia negativa. Isole o problema que você está observando e gere uma solução eficiente ou envolva sua equipe para encontrar uma solução em grupo.

8. Seja responsável pelo seu próprio bem!!!

Ninguém é mais interessado no seu bem-estar que você próprio. Faça algo ame todos os dias, seja tomar um café no meio da tarde ou criar um ambiente de trabalho confortável.

9. Procure por feedback!!!

Você é responsável pela sua carreira. Caso deseje ser cada vez mais um bom profissional, saiba suas qualidades, mas principalmente em que precisa melhorar mais. Peça feedback não apenas aos seus superiores, porém de colegas e clientes. Muitos profissionais procuram se aconselhar com mentores da mesma empresa, buscando inspiração naqueles que já percorreram um árduo caminho.

10. Seja flexível!!!

Com os outros e com você mesmo. Reajuste-se e readapte-se às novas funções, pessoas e projetos. Empresas passam por fases e reestruturações. Aprenda a tirar o máximo de cada situação, repensando no seu próprio desempenho conforme as mudanças ao seu redor.

Fonte: nibo.com.br

Gratidão

Posted in Comportamento with tags , , , , , , , , , , , , , , , on novembro 25, 2013 by Psiquê

c877e1eb00d2ab67a079063d17530181

Todos os dias recebo mensagens diárias motivadoras. Eu costumo, ler, guardar um ou dois dias e depois descartar. Mas hoje, a mensagem me chamou tanto atenção que resolvi, adotar o ensinamento como uma espécie de mantra: “quando sua mente está ocupada agradecendo, não tem tempo de se preocupar ou reclamar. Ao praticar a gratidão com consistência, seus pensamentos negativos vão enfraquecendo cada vez mais.”

Tenho sentido gratidão por minha vida, minha trajetória até aqui, minhas conquistas. Sei que ainda tenho muito a conquistar, uma longa trajetória a percorrer, muitos sonhos a realizar, mas é fundamental reconhecer o que já se alcançou até aqui. Reconhecer e valorizar as pequenas vitórias é fundamental para viver uma vida plena e feliz. 

Os problemas ficam mais leves e em lugar de ficar alimentando tristezas, falsas esperanças e mágoas, comemoramos as conquistas cotidianas.

Namastê. Tenha uma linda e abençoada semana!

Histórias íntimas…

Posted in Cultura e Arte, Erotismo with tags , , , , , , , , , , , , , , , on novembro 24, 2013 by Psiquê

97bd55918b249881a12de3f1a467cbe6

Estou chegando ao fim da leitura do meu presente de aniversário deste ano, a obra da Mary del Priore, Histórias e Conversas de Mulher, que fala de vários temas que envolvem o universo feminino ao longo da história do nosso país. Neste momento estou lendo um trecho que fala dos padrões de beleza das mulheres da nossa terra, quando da chegada dos portugueses: morenas, de cabelos longos, robustas e com o hábito de se lavar e se pentear várias vezes ao dia…

Estou ansiosa por começar duas outras obras que comprei há mais tempo, escritos pela mesma autora: Histórias íntimas, sexualidade e erotismo na história do Brasil, revelando como o erotismo mudou através do tempo e a permanência do controle sobre o prazer sexual. E o livro A Carne e o Sangue, que versa sobre detalhes íntimos do triangulo amoroso formado pelo Imperador D. Pedro I, a imperatriz Leopoldina e Domitila, a marquesa de Santos.

Quem tiver mais dicas de leituras como estas, fiquem à vontade em sugerir.

Também estão na fila de espera, algumas obras de Phillipa Gregory que mistura fatos históricos com ficção, porém com uma fórmula bem atraente a leitura. O único que já li e assisti foi história da Outra Bolena, cujo obra inspirou o filme A Outra estrelado por Natalie Portman e Scarlett Johansson.

Sexo e relacionamento

Posted in Erotismo, Relacionamento, Sexo with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on novembro 23, 2013 by Psiquê

Li o texto do Fábio Rodrigues no blog Papo de Homem, intitulado Sexo não é tão essencial para um relacionamento e achei bem interessante a forma como ao tema é abordado.

O que mais gostei foi a parte do texto que fala sobre o sexo sem sexo: “É possível comer uma mulher sem tocá-la. Transar é só o jeito mais grosseiro e desesperado de exercer penetração, alcance e acolhida. Tem outros jeitos para se fazer a mesma coisa. E ela vai mostrar todos os sintomas de estar sendo comida: vai ter brilho no olho, ficar soltinha, se sentir segura, feliz, satisfeita, se deixar conduzir, enfim, o pacote completo. E o homem, da mesma forma, vai se sentir realizado, estável, confiante.”

33c49d4a5632dcb249e5ac86b47e43c3

 

Leia na íntegra o texto abaixo:

Estamos habituados a pensar e sentir que um relacionamento é bom quando tem paixão, sexo, intensidade, e que não é bom quando não tem essas coisas.

Claro, não é um problema existir paixão, sexo e intensidade. É excelente. O problema é acreditar que isso seja a melhor base para o relacionamento, o melhor critério de qualidade, que sem isso algo esteja errado.

Não há como sustentar o jogo sexual por muito tempo (e nem é preciso). Se apostarmos nisso e o tomarmos como referencial, quando ele flutuar – e ele vai flutuar – vamos dizer que a relação entrou em crise, perdeu qualidade. Ora, quem disse que esfriar é algo negativo?

Diante da ausência desse calor, normalmente ficamos aflitos e 1) tentamos recuperar a intensidade, “apimentar a relação” (o que obviamente não dura), 2) acabamos a relação e procuramos outra que tenha “química” (para repetirmos o problema mais tarde), 3) tentamos estabelecer outra base para a relação, que não tenha sexo e paixão como eixo principal.

“O antídoto para a apatia não é “manter o fogo”, prolongar a paixão inicial, “apimentar a relação”. Focar no próprio relacionamento, usar a criatividade, explorar fantasias, viajar junto; tudo isso funciona, claro, mas não dá para manter tal frescor por muito tempo. O antídoto para apatia em um casal encontra-se na vida dele e na vida dela, não tanto no próprio casal. Está mais no “Eu” e menos no “Nós”.

Se ele se movimenta de modo positivo, se tem brilho nos olhos, se enriquece a vida dos outros, se anda no mundo com uma visão ampla. Se ela está sempre em desenvolvimento, cada vez mais inteligente, radiante e livre, se dança pelo mundo, se também tem brilho nos olhos e sentido na vida. É isso o que livra o casal da apatia: a energia que eles movimentam por si só, sem o apoio do outro. É essa a energia que eles trazem para a relação, que se multiplica quando vira “Nós”.”

Gustavo Gitti

A verdadeira base do sexo

Não é necessariamente um problema haver pouco sexo entre um casal. O problema é não haver essa energia dinâmica que dá vida pra relação – e que por um tempo brotou por meio do jogo da paixão e do sexo.

Há um nível sutil de sofrimento no esforço pra sustentar esse jogo rolando, mesmo enquanto o relacionamento é tido como bom, com sexo de qualidade e tudo mais. O fogo exige uma manutenção constante. Na verdade, já sofremos só de imaginar a paixão flutuando, e vamos sofrer muito mais quando ela oscilar de fato – tudo na exata medida em que alimentamos esperança e expectativa de que a experiência que temos no relacionamento se sustente.

Acredito que as coisas tendem a funcionar melhor pra um casal (e o sexo pode ter melhor qualidade) quando o homem assume o papel daquele que busca, que alcança, e a mulher assume o papel daquela que tem que ser buscada, alcançada, percorrida, dominada, segurada, penetrada. A qualidade do jogo, então, depende da maestria que os dois têm em brincar, cada um no seu papel. No nosso caso, do quanto conseguimos ser bons caçadores, buscadores, do quanto conseguimos oferecer acolhimento, firmeza, chão e penetração.

Porque quem está fugindo não quer ser pego, e quem quer pegar na verdade não quer pegar – o que se quer é que o jogo e o movimento sejam mantidos. É daí quem vem o tesão, o brilho, a vivacidade – do jogo, do movimento, da dança. Penso que esta seja a verdadeira base do sexo, e que ela pode ser ativada e alimentada mesmo sem atividade sexual.

Resolver o jogo implica em monotonia e falta de movimento; manter o jogo supõe seguir o movimento. Eu diria ainda mais: esse movimento supõe algum nível de liberdade, que por sua vez supõe algum nível de insegurança e medo. Ou seja, a própria coisa que desejamos banir das relações é o que cria a tensão que as mantém. A liberdade, o medo e a insegurança são a eletricidade que gera o magnetismo.

“Todo amor luta para enterrar as fontes de sua precariedade e incerteza, mas, se obtém êxito, logo começa a enfraquecer – e definhar.”
–Zygmunt Bauman

Sexo sem sexo

É possível comer uma mulher sem tocá-la. Transar é só o jeito mais grosseiro e desesperado de exercer penetração, alcance e acolhida. Tem outros jeitos para se fazer a mesma coisa. E ela vai mostrar todos os sintomas de estar sendo comida: vai ter brilho no olho, ficar soltinha, se sentir segura, feliz, satisfeita, se deixar conduzir, enfim, o pacote completo. E o homem, da mesma forma, vai se sentir realizado, estável, confiante.

Com uma carinha de felicidade como essa, a penetração pode ser a última das importâncias

Quando o casal percebe essas coisas, uma nova base já está estabelecida. E esta base já é bem menos flutuante e estreita do que a primeira. Aí há chances de que a intensidade reapareça de outras formas, sem depender tanto do sexo em si. Eventualmente até mesmo sem precisar de uma relação amorosa.

É possível (ainda que bem raro) que os dois entendam essa dinâmica toda e trabalhem lado a lado pra diminuir o potencial que têm pra sofrer quando a sustentação desse e de qualquer outro jogo flutuar.

Agora, curiosamente, esse processo parece fazer com que a pessoa se torne mais brilhante e atrativa, inclusive sexualmente.

Relacionamentos amorosos também não são tão essenciais assim

É um problema colocar os relacionamentos no centro da nossa vida, como se todas as possibilidades de movimento que temos dependessem desse eixo, exclusivamente.

Não quero, com isso, dizer que os relacionamentos não mereçam nossa atenção, que eles não sejam valorosos e possam nos ajudar a construir vidas boas e saudáveis. Mas o ponto é que eles podem fazer isso, só podem, como muitas outras coisas podem.

Penso que uma maneira mais verdadeira pra dar ânimo no relacionamento, pra fazê-lo ter um sentido natural, fluido, é nós mesmos encontrarmos um sentido em nossas vidas. Isso pode ser feito de forma independente um do outro. Independentes, mas ainda assim juntos, apoiando-se mutuamente.

De onde vem o tesão?

Particularmente eu entendo que uma das coisas (talvez a principal) que torna a pessoa desejável é a medida que ela nos é inalcançável.

Em “Sin City”, Marv vê em uma prostituta, a sua deusa inalcançável

Por um lado, nós desejamos a pessoa porque há uma dimensão nela que não entendemos bem, que nos escapa – um nível de liberdade e mistério que até mesmo nos assusta um pouco. Essa dimensão é o que nos atrai, nos incita e nos move em sua direção. É como se houvesse uma vontade de entender e dominar aquilo, de resolver a questão, de subjugar, descobrir, atravessar e desnudar o outro.

Por outro lado, para a pessoa que tem sua medida de inalcançabilidade surge também excitação quando ela tem a perspectiva de ser alcançada, descoberta, desnudada. A excitação sexual viria do “cair das máscaras”, de descobrir e alcançar ou de ser descoberto e atravessado, mesmo que apenas de forma momentânea e condescendente. As duas coisas acontecem juntas.

Isso parece explicar o motivo porque existe excitação sexual com coisas como tapa na cara, fantasias de  dominação e submissão, bondage etc. Já viram casos no quais a mulher é fodona na vida, chefe, autoritária, brava, e na cama gosta de ser submissa? Então, o tesão vem de ser alcançada, descoberta, desprovida de sua encenação, de afrouxar a tensão criada pela encenação dos papéis cotidianos.

Tais posições, de quem busca e de quem é buscado, são assumidas pelos dois ao mesmo tempo e em alguma medida, bem como podem ser encenados com maior predominância por um ou por outro de forma alternada, ou ainda ser encenado por uma das pessoas pela vida inteira. E os dois podem estar conscientes disso ou não.

Eis porque é comum surgir esse problema de falta de tesão no casamento. Os dois se conhecem demais. Sabem tudo um do outro. Já sabem e adivinham cada movimento, cada pensamento. As dimensões de inalcançabilidade ficam mínimas, quase inexistentes. Aí não há incitação, desafio, vontade de dominar, assegurar, descobrir, abarcar, atravessar.

A solução pra isso então seria fazer ressurgir algum nível de tensão no relacionamento. Se temos tesão pela vida, se nos movemos mais livremente, se nossa presença ativa a dimensão de espanto e incerteza que já existe o tempo todo, criamos causas e condições para que o jogo se estabeleça mais facilmente e de modo mais lúdico. Essa dinâmica então é percebida pelo parceiro ou parceira, mesmo que indiretamente, e eis que a dança pode começar.

Feliz 6 anos!

Posted in Curiosidades with tags , , , , , , , , , , , , on novembro 22, 2013 by Psiquê

Feliz 6 anos

 

Este post é para registrar a alegria de celebrar 6 anos de vida do Espartilho, um blog que reúne desabafos, depoimentos, dicas, dúvidas, ideias…onde a escolha dos temas e das ilustrações é feita com profundo carinho, amor e prazer. Onde procuro compartilhar com você momentos que servem de reflexão e identificação pelos quais a maioria de nós passa em algum momento.

Obrigada a todos que ao longo desses 6 anos seguiram, visitaram, comentaram e expiaram.

 

Venham sempre aqui! E divulguem este espaço.

Minha alegria é ainda maior ao constatar que ao longo desses 6 anos recebemos, até hoje mais de 1.020.000!!!