Arquivo para março, 2012

O lugar de cada um

Posted in Comportamento with tags , , , , , , on março 30, 2012 by Psiquê

Esta semana me deparei com uma frase bastante interessante: “Care about what other people think and you will always be their prisioner. ” Lao Tzu. Evidentemente que todos nós em algum momento, nos preocupamos com o que os outros pensam de nós, em sermos bem aceitos, em parecer belos e bem apresentáveis, etc.  Mas ser escravo da opinião dos outros é uma prisão que não trará felicidade a ninguém. Afinal, é impossível agradar a todos.

A autoconfiança é algo que se constrói com o tempo e com a maturidade, exercitá-la e buscá-la é sempre fundamental, mas é um exercício contínuo. Acredito que todos podem ser e estar o melhor possível, desde que respeitem seu estilo, seu corpo, seus limites, sua realidade.

Vejo muitas pessoas se comportarem como se fossem obrigadas a seguir estilos que aparecem nas revistas, na TV, nas ruas, sem se preocupar em adequar aquele estilo ao seu tipo de corpo, aos seus gostos, etc.  Isso é fundamental não apenas para se sentir bem e segura, como para viver da melhor maneira sem ferimentos e tentativas de se enquadrar em padrões que não nos pertencem.

Pensem nisso, acreditem em si mesmos!

Anúncios

Marilyn Monroe

Posted in Curiosidades with tags , , , on março 24, 2012 by Psiquê

Imagem

Chegou à minha casa essa semana minha mais nova aquisição, o livro, Os últimos anos de Marilyn Monroe – a verdadeira e chocante história, de Keith Badman. Estou empolgadíssima com a leitura e espero sinceramente que Badman consiga me prender até o final.

Maturidade e expectativas

Posted in Comportamento, Curiosidades with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on março 22, 2012 by Psiquê

Imagem

Estou eu aqui, num sábado à noite, curtindo o musical Burlesque, e tentando concretizar em palavras as expectativas que carregamos…esta atmosfera sensual, musical, batalhadora, me atrai bastante. Dança, corpos, músicas, luta por ser alguém ou chegar a um lugar, segurança, esperança, são palavras que me atraem bastante.

Às vezes me pego pensando no quanto eu queria na minha pré-adolescência, chegar à maioridade, à maturidade, mudar minha aparência física, minhas escolhas, meu lugar. Hoje, penso que devemos sempre aconselhar nossos adolescentes a se aceitarem, se amarem e não deixarem ninguém os diminuir, pois a vida é uma só, os momentos passam e cada experiência é fundamental para nos transformarmos no que seremos na vida adulta.

Algumas experiências atuais me fazem refletir sobre o quanto adultos ainda se comportam como adolescentes, envoltos em inseguranças bobas, desespero por uma auto-imagem  mais bonita, ou por resultados imediatos, adotando comportamentos anti-éticos, desesperados, inconsequentes e exagerados pura e simplesmente movidos pela ansiedade de ser alguém ou ser notado por alguém.

Essa realidade sempre me incomodou porque eu realmente penso que as pessoas devem lutar por construir seu lugar ao sol e com isso ser reconhecido por seus valores, conquistas e realizações. Aqueles que insistem em brilhar com o brilho alheio, andando na sombra do trabalho ou do sucesso alheio, que fazem de tudo para se dar bem, mesmo que prejudicando  o outro, me fazem mal. Quero distância de pessoas assim, mas nem sempre é possível. Eu definitivamente acredito que tenha lugar para todos aqueles que trabalham duro para vencer na vida com dedicação e honestidade, mas às vezes me deparo com situações patéticas e injustas.

Será que a minha visão é errada? Ainda acho e tenho esperança que não!

Essa é a vida!

Posted in Comportamento with tags , , , , , , , , on março 18, 2012 by Psiquê

Depois de um período ausente por falta de tempo e por motivo de viagem, volto a escrever para os meus amados leitores do Espartilho!

Esta semana andei refletindo sobre vida, carreira, expectativas, escolhas, decisões. Algumas vezes me pego refletindo sobre minhas expectativas em relação à vida e ao futuro. Nesses momentos , apesar de sempre manter uma tendência positiva em relação ao futuro, me pergunto se as minhas escolhas até aqui são realmente as certas…

…se todas as experiências vividas, são realmente necessárias e se minha atitude diante dessas inúmeras experiências são as que deveriam ser…

…muitas destas perguntas, nunca terão respostas…outras terão respostas nem sempre esperadas…

O mais importante disso tudo e ter certeza de que todas as experiências pelas quais passamos, seja por nossa própria vontade ou não, são oportunidades de aprendizado. O que tento fazer é me permitir experimentar as oportunidades, desde que elas não me firam…

De alguma maneira gostar das escolhas que faz e se sentir bem com elas, é uma forma muito interessante de se permitir evoluir. Entender que nem sempre essas escolhas nos permitiram estar satisfeitas o tempo todo, pode ser a saída para o amadurecimento.

Abra-se as oportunidades e às escolhas que te façam feliz, mesmo que nem sempre possa controlar seu resultado.