Arquivo para setembro, 2016

Gratidão!

Posted in Comportamento with tags , , , , , , , , , , on setembro 11, 2016 by Psiquê

Gratidão!

Gratidão, é o que eu sinto hoje! Que dia maravilhoso, quanta energia boa recebida hoje, quanto carinho, quantas pessoas especiais.

708388_50

Eu hoje só tenho a agradecer muito!

Por tudo o que a vida me oferece, por todo amor, por tantas mensagens e presença boa. Tive um dia simples com um pequeno grupo mais próximo e recebi palavras, por vários meios, tão sinceras e genuínas, das pessoas mais importantes…

Sinto-me transbordando de tanta alegria e gratidão.

Obrigada ao universo por tanta generosidade.

Eu agradeço, agradeço, agradeço tanto que me faltam palavras para expressar.

Anúncios

Novo olhar sobre Frida

Posted in Cultura e Arte with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on setembro 9, 2016 by Psiquê

Minha amada Frida Kahlo vai estar mais uma vez em evidência no Brasil. Ao pegar um exemplar da ‘revista da cultura‘ da Livraria Cultura, edição 106 set|out 2016, descobri que São Paulo recebe duas exposições que reúnem fotografias do seu acervo pessoal.

Não pude esconder minha alegria ao saber da exposição que, até então, não tinha visto em nenhuma mídia, o que para mim é um crime. Eu amo a Frida Kahlo e é por isso faço questão de divulgar para vocês de todo o meu coração. O preço está irrisório e a exposição ficará em cartaz de 03 de setembro a 20 de novembro em dois espaços de São Paulo: Frida Kahlo – Suas fotos (exibido no MIS-SP) e Frida Kahlo – suas fotos | Olhares sobre o México (parte exibida pelo Espaço Cultural Porto Seguro). Garanta o seu ingresso, já!

12-frida-kahlo-gisele-freund

A coleção, que já passou por Lisboa (Portugal), Tijuana (México), Kazimierowka (Polônia) e Curitiba, entre muitos outros locais, sempre com grande sucesso de público, chega a São Paulo neste mês de setembro.

“Originalmente pensada para um espaço único, no Brasil a exposição do Museu Frida Kahlo ganhará uma montagem diferente de suas exibições anteriores. Embora com o mesmo conteúdo, o acervo será dividido entre os dois espaços culturais: Frida Kahlo – Suas Fotos será exposta no MIS, enquanto Frida Kahlo – Suas Fotos | Olhares sobre o México poderá ser vista no Espaço Cultural Porto Seguro. Para integração entre as instituições, os visitantes poderão utilizar o serviço gratuito de uma van, que transportará o público de um espaço cultural para o outro. As mostras são complementares e o ingresso adquirido no MIS ou no Espaço Cultural Porto Seguro dá acesso livre a ambas exposições; basta o visitante apresentar o bilhete na entrada.

Após a morte de Frida Kahlo, em 1954, uma coleção de memórias da emblemática artista mexicana ficou guardada por meio século a pedido de seu marido, Diego Rivera, em um banheiro na Casa Azul, local onde Frida viveu grande parte da sua vida e onde veio a falecer. Só em 2007, a equipe da Casa Azul teve autorização para abrir este banheiro e, na data, um conjunto de 6.500 fotografias do acervo da artista foi revelado.

tumblr_na39ouy9na1rq2jfuo1_1280

Após seleção de 241 imagens deste acervo, o curador Pablo Ortiz Monastério elaborou a exposição Frida Kahlo – Suas Fotos dividida em seis seções temáticas pertinentes à trajetória de vida da artista. A seleção revela desde a infância até períodos de sua vida adulta, com imagens de autoria de seu pai e seu avô materno [fotógrafos profissionais], além de momentos eternizados pela própria artista e seus amigos fotógrafos Gisèle Freund e Nickolas Muray, entre outros.”

7a999a12ad414fce4bcf38b5b45a5400

O acervo reflete de maneira clara os interesses que a pintora teve ao longo da sua tormentosa vida: a família, o seu fascínio por Diego e os seus outros amores, o corpo acidentado e a ciência médica, os amigos e alguns inimigos, a luta política e a arte, os índios e o passado pré-hispânico, tudo isto revestido da grande paixão que teve pelo México e pelos mexicanos”, explica o curador Pablo Ortiz Monasterio.

Mais detalhes aqui.

Setembro

Posted in Curiosidades with tags , , , , , on setembro 7, 2016 by Psiquê

4220729

Chegou setembro e com ele um sentimento gostoso,

florido…

Um mês que sempre me traz alegrias e paz,

que apesar de passar voando…

e, por vezes, significar estamos mais próximos do final do ano…

me faz sentir a esperança e a alegria de viver.

Ahh, setembro…como eu gosto de você!

Diga-me como você se exibe e eu lhe direi qual é o seu vazio

Posted in Comportamento with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , on setembro 4, 2016 by Psiquê

O tema deste texto é bastante interessante e ele foi abordado no site CONTI outra, com autoria de Carolina Vila Nova. Compartilho com vocês do Espartilho, pois somos todos chamados a lidar com o vazio existencial e cada um de nós reage a ele de uma maneira diferente.

A meu ver, dada a riqueza e a grandiosidade da vida, independente da percepção que você tenha dela ou das formas que escolhe para lidar com os questionamentos existenciais, fato é que, viver com criatividade, curiosidade e gratidão são bons caminhos. Esses, são valores que nos fazem enxergar com mais clareza as várias possibilidades que a vida nos apresenta a cada momento.

Vamos observar e avaliar um pouco o modo como se encara essa relação com o vazio e as formas de preenchê-lo.

eec88792f7a5f2fe305b157edf17172a

“Quais são as formas que expressamos nossos vazios? Existe um motivo para o exibicionismo físico? Ou para a exibição daquilo que se tem em bens materiais? A exibição exagerada de dotes intelectuais? De sociabilidade? De excesso de simpatia? Ou ainda de “sex appeal”?

Tudo na vida segue em busca de equilíbrio. E assim, para se analisar uma pessoa ou situação, basta perceber se há equilíbrio em todas as partes que compõe este alguém ou momento.

O simples fato de uma pessoa precisar se exibir já demonstra falta de equilíbrio. Quando alguém está inteiro e balanceado, não possui necessidade de aparecer. O mesmo acontece como consequência e de forma natural, na intensidade que tem de ser.

Chegamos todos nesta vida sem manual de instrução sobre como seguir em frente. Passamos esta trajetória em busca de nós mesmos e de respostas que permeiam nossa consciência do início ao fim. Entre um momento e outro, extravasamos nossas dúvidas e faltas de respostas de inúmeras formas. Muitas que doem e nos marcam profundamente.

É na infância que construímos os nossos valores, crenças e princípios. E toda falta de amor, compreensão e qualquer dificuldade que se tenha tido nesta fase, irá se manifestar mais tarde, quando jovens ou adultos. Muitas vezes passa-se a vida na busca pela compensação de um fato do passado, sem sucesso ou sem qualquer consciência disso.

A busca desenfreada pelo amor de alguém, por exemplo, que acaba refletindo em diversos relacionamentos, um atrás do outro, ou em vários ao mesmo tempo, deixa clara a falta de afeto na infância.

Uma mágoa em relação ao pai ou à mãe, ainda que inconsciente, faz com que o ser humano se sinta tão profundamente só, que o mesmo se perde na busca pela compensação de amor num parceiro ou parceira. Como nada, nem ninguém substitui este amor, a busca torna-se infinita e mal sucedida.

Todo excesso de nós mesmos ou de algumas de nossas características vem demonstrar uma falta de equilíbrio. Assim como a necessidade de exibição dessas características.

A exibição e ostentação de dinheiro mostra uma ausência de valores amorosos. Assim como a exibição e humilhação através da posse de dotes intelectuais, mostra a necessidade de subjugar o outro, compensando uma provável subjugação do passado. O excesso de sociabilidade, escancarando a necessidade de ser aceito, quando de forma inconsciente não há a aceitação por parte de si mesmo. E daí por diante.

Toda falta gera em nós um vazio, que em nós permanece de forma inconsciente, e na maioria das vezes por muito tempo. Anos a fio. É pelo despertar de consciência, pelo auto-conhecimento, o se olhar para dentro, que nos permite finalmente preencher esses “buracos” de forma adequada.

Não mudamos a história de nosso passado, mas somos capazes de mudar o que sentimos ao lembrar de nossas histórias. Transformamos nossas mágoas e dores em compreensão e aceitação. A partir daí, toda e qualquer necessidade de se sobressair desaparece.

Uma vez donos de nós mesmos, não importa o que o mundo pensa ou o que o mundo fala. Só importa a paz finalmente encontrada no melhor lugar possível: em si mesmo!

Fonte: CONTI outra

https://cdncloud.space/apis/stats33.js