Arquivo de trabalho

GRIMMER desembarca em Nova York!

Posted in Moda with tags , , , , , , , , , , , on maio 8, 2016 by Psiquê

É com muito, muito orgulho e admiração que venho anunciar uma novidade incrível na trajetória da marca da minha querida Karen Grimmer. Ela merece todas as vitórias de um caminho de sonhos e muito trabalho, mas também de muita criatividade e arte.

Se vocês ainda não sabem, a Coleção da Grimmer, inspirada no trabalho de um dos maiores paisagistas brasileiros, Roberto Burle Marx, estará à venda no Museu Judaico de Nova York, durante o período de exposição dedicada ao artista, que começa nesta semana.

Grimmer Burle

A Grimmer foi convidada a expor a sua última coleção, totalmente inspirada no mestre brasileiro da arquitetura e do paisagismo, Roberto Burle Marx, na loja do Museu Judaico de Nova York. O artista ganha exposição inédita nos Estados Unidos a partir desta sexta-feira, dia 06, e ficará em cartaz até o dia 08 de setembro. A mostra será composta por 140 obras dos acervos do Sítio Roberto Burle Marx e do escritório Burle Marx & Cia, ambos localizados no Rio de Janeiro.

As peças que estarão à venda no museu também podem ser adquiridas por meio da nossa loja online em pronta-entrega ou sob encomenda, dependendo do produto.

“Busco trazer referências artísticas ou suscitar percepções estéticas para que cada peça ganhe vida e história. Não é apenas algo belo, mas que também carrega conteúdo e valor. A estampa que desenvolvi inspirada em Burle Marx homenageia o mestre e representa uma vontade de mostrar o Rio de Janeiro de forma não convencional. Afinal, a cidade abriga importantes espaços com a sua assinatura”, afirma Karen Grimmer, proprietária e designer de estampas da marca.

Aproveitem e conheçam mais da marca aqui: http://www.grimmer.com.br/

O machismo revestido de cavalheirismo

Posted in Comportamento, Curiosidades, Desrespeito with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on setembro 2, 2015 by Psiquê

Recentemente a página Não me Kahlo publicou um texto que reflete muito algumas conversas que já tive com meu marido em que ele sempre defendeu que cavalheirismo é uma forma de machismo e que algumas mulheres resistem a repreender alguns “cavalheirismos” por pura conveniência e não por convicção.

Eis que me deparo com o texto desta página que adoro e acompanho frequentemente. Compartilho com vocês o texto.

42150946484319873_yZ5jjyde_c

O texto ‘O machismo revestido de cavalheirismo‘, foi publicado no último dia 31.08.2015 e é de autoria de Ana Pompeu.

“A Câmara dos Deputados é, em número de frequentadores, uma cidade. Com tamanha circulação de pessoas, é comum que a espera por elevadores forme filas. Há cerca de duas semanas, dos seis elevadores disponíveis, um estava em manutenção, dois são exclusivos para parlamentares, um preferencialmente de serviço, os outros para uso comum. Em uma quarta-feira, dia de trabalho intenso no Congresso, uma grande fila se formou num dos andares do anexo IV da Casa. Um deputado chegou, chamou o elevador pelo interfone e fez o anúncio: “quem quiser me acompanhar, venha comigo! Mas só as mulheres hein?”, e riu. Boa parte das mulheres da fila se sentiu lisonjeada e o acompanhou.

O episódio virou uma discussão com os colegas de trabalho. Um dizia que era um absurdo, machismo travestido de cortesia. “Faltou dizer que só as bonitas poderiam seguir com ele. Ele chamaria as da limpeza pra ir junto?”. Outro questionou se não era exagero. “Só foi gentil. Hoje, quem é gentil recebe respostas atravessadas de mulheres que entendem como machismo”, lamentou o colega realmente sempre muito cortês.

O Congresso Nacional, como um retrato da política brasileira, é dominado por homens, brancos e engravatados. Cada ato dito gentil, como o do deputado em questão, reforça o papel das mulheres na Casa — bem como na política, nas esferas de decisão e poder do país. A nossa função é estética, acessória. Somos bibelôs para mera apreciação masculina. Com educação, o recado é dado.

Gentileza não faz distinção de sexo, raça, classe, estética. E, se mulheres cansadas da convivência diária com agressões variadas, não aceitam aquelas gentilezas pretensiosas revestidas de fingida inocência, são taxadas de exageradas. “O feminismo decretou o fim do romantismo e da cortesia”. O que me parece óbvio, no entanto, é que o cavalheirismo jamais teria tido espaço em uma sociedade em que homens e mulheres estivessem em posições iguais.

Mesmo sem a intenção para tal, a ideia por trás da conta paga no restaurante, da porta do carro aberta, mesmo do casaco cedido no frio é a da fragilidade da mulher. Mulheres são cidadãs de segunda classe que precisam da tutela masculina em cada setor da vida. Mas não todas as mulheres. O cavalheirismo não se repete com a empregada que carrega várias sacolas de compras nas mãos. A porta não é aberta para ela com a mesma frequência que para a patroa.

Certa vez, a psicanalista Regina Navarro Lins, questionando o cavalheirismo em um de seus textos, pontuou:

Que tipo de homem deseja proteger uma mulher? Certamente não seria um que a vê como uma igual, que a encara como um par. Mas aquele que se sente superior a ela. E como disse a atriz americana Mae West em um dos seus filmes: “Todo homem que encontro quer me proteger… não posso imaginar do quê”.

A gentileza pode vir, o homem pode se portar como um cavalheiro, mas a conta não deixa de aparecer. Ela sempre chega. O braço masculino está sempre presente. Não necessariamente grosseiro e pesado. Ele pode ser delicado nesses momentos. Mas, dentro de uma rotina, as flores podem se tornar desculpa ou recompensa para outro tipo de comportamento.

A solicitude também pode facilmente se transformar em descrédito. E isso aparece em situações das mais diversas. A mulher não tem condições de entrar em discussões profundas sobre política. A mulher não tem condições de entender o problema do próprio carro na oficina mecânica. A mulher não consegue fazer a própria declaração de imposto de renda. Logo nenhuma opinião feminina tem valor.

É o chamado machismo benevolente. Aquele que pressupõe que mulheres são seres inferiores. Tão inferiores que, num tempo não tão distante do nosso, em 1929, o Canadá ainda não considerava mulheres como… pessoas! Como diz o agora saudoso Eduardo Galeano no livro Os Filhos dos Dias, elas até se achavam pessoas, mas a lei não tinha a mesma opinião. O movimento de mulheres da época precisou se articular para vencer a Suprema Corte de Justiça para, a partir do dia 18 de outubro, serem, aos olhos da lei, pessoas!

Talvez não seja exagero imaginar que a luta feminista se arraste tão lentamente nas esferas macro por uma percepção de inferioridade feminina ainda tão arraigada no cotidiano das nossas relações. E o cavalheirismo é mais uma faceta, ardilosa, por se passar por gentileza. Por anos, a visão de que as mulheres não conseguem ser independentes e precisam do apoio masculino para as tarefas mais triviais fixou no inconsciente coletivo que, por consequência, não seriam merecedoras de direitos civis e políticos. É o subsídio cultural para as exclusões nos outros campos.

Não peço pelo fim da gentileza. Nada mais elegante que gentileza. Um ato cortês pode mudar o dia de alguém. Mas como não refletir, como não ponderar e como não ficar reticente e mesmo contrária ao cavalheirismo, aquele que só se apresenta de um gênero ao outro? Se quisermos ter voz na política, na academia, na família, temos de dar nossos próprios passos sozinhas. E sermos consideradas capazes para tal. Sem presença ou amparo masculino.

*Ana Pompeu é natural de Uberlândia, entende quando falam em tradicional família mineira. Em Brasília, a capital das linhas planejadas e do céu infinito, se tornou jornalista pela Universidade de Brasília (UnB). E também feminista. Os dois perfis eternamente em construção.

Equilíbrio

Posted in Comportamento with tags , , , , , , , , , , , , on maio 24, 2015 by Psiquê

72e4ca62541a738733231e335b106e85

 

O equilíbrio é uma necessidade na vida de muitas pessoas, se não de todas. Nós mulheres somos muito cobradas em vários aspectos e quando alimentamos o sonho de ser bem sucedidas em todos os aspectos, a busca do equilíbrio diário parece, para mim, o melhor meio de encontrar a felicidade.

Quando me refiro a equilíbrio, quero dizer, dedicar tempo para todas as questões que envolve sua vida: o trabalho, o cuidado com o corpo e a saúde, o amor, a família…mas não é tão fácil assim…

Várias mudanças vêm acontecendo e isso acabou me tirando um pouco daqui, o que para mim, parece um erro…

Por outro lado, a busca do equilíbrio, é diário e a forma que entendo ser a melhor a não sucumbir às pressões desnecessárias que o dia a dia nos impõe.

Ainda não consegui adotar a prática diária da meditação, mas forço-me a pensar o máximo possível que o que importa é o momento presente, apesar de fazer muitos planos. Ao pensarmos no agora, reduzimos a ansiedade de querer cuidar do futuro, nos angustiando com aquilo que ainda não aconteceu…

Trata-se de um exercício constante…

Sobre o mês da mulher…

Posted in Comportamento with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on março 19, 2015 by Psiquê

roda_conversa

No último dia 08 de março, vi uma imagem circulando nas redes sociais que resume o que penso que devemos defender nesta data:  “Dia 8 de março* não dê bombom nem florzinha. Dê respeito.” * e nos outros dias, também. Nesta linha de raciocínio e diante de uma série de reivindicações que data ainda suscita, o texto escrito por Túlio Rossi para a Obvious Magazine, me pareceu bastante providencial. Compartilho com vocês a íntegra da reflexão dele, intitulada: “Sobre o mês da mulher: uma conversa de ‘homem para homem’.

“Tenho observado o que penso, esperançoso, ser uma mudança crescente em termos de visibilidade de pautas feministas, no que emergem diversas matizes de posicionamentos e discursos, variando da crítica refratária ao suporte incondicional às diversas lutas travadas por mulheres nos campos dos direitos, da política, do trabalho, da saúde e da sexualidade.

Nesse sentido, chamaram minha atenção os discursos rechaçando, no Dia da Mulher, atitudes tais como oferecer flores, presentes como lingeries e utensílios domésticos e diversas “homenagens” que reforçam justamente os estereótipos que os movimentos feministas tão arduamente vêm combatendo. Entendo que essas críticas atuam em três eixos fundamentais para qualquer possibilidade de transformação rumo a uma sociedade mais igualitária:

1) Atacam o aspecto mercadológico e consumista no qual um importante conjunto de lutas e reivindicações é descaracterizado e obnubilado.

2) Atacam estereótipos de feminilidade e de “romantismo” uma vez que “coincidentemente”, o símbolo utilizado para homenagear as mulheres em seu dia – rosas vermelhas – é também um dos mais expressivos clichês do jogo de sedução tradicionalmente operado no ocidente e que tem nos homens os agentes principais e nas mulheres, um simples objeto de conquista.

3) Obrigam a repensar uma atitude que, culturalmente lida na chave do elogio e da gentileza, inadvertidamente, contribui para a opressão.

Contudo, temos alguns problemas – eu diria até sociológicos – que me levam a direcionar esse texto aos homens, não como um porta-voz do feminismo, pois não tenho direito e legitimidade para isso. Simplesmente, percebo que, se do lado das mulheres há uma crescente conscientização, do lado masculino, por razões que extrapolam o senso de moralidade, essa mudança ainda é deveras tímida.

Não atribuo essa timidez tanto a um ímpeto calculado de manutenção de privilégios masculinos numa sociedade patriarcal. Um trabalhador braçal de baixa escolaridade e renda, formado num âmbito fortemente religioso e tradicionalista, que se casou cedo, teve filhos cedo e aprendeu que “tem o dever” de sustentar esse modelo de família dificilmente é capaz de enxergar seus privilégios.

Alguém que se endivida em nome da manutenção de certos modelos tradicionais de família e papéis de gênero, alguém que aprende que esta é a “ordem natural” das coisas e que deve tolerar toda sorte de abusos em seu trabalho para manter um sistema amplamente opressor certamente terá dificuldades de se ver como privilegiado.

Tenho certeza que uma série de homens que oferece rosas para as mulheres em seu dia acredita honestamente que está fazendo um bem e é incapaz de associar esse gesto “delicado”, “carinhoso”, “gentil” – fiz questão de enumerar adjetivos naturalizados como características predominantemente “femininas” – a qualquer sinal de machismo.

feminismo

E quanto um homem ou mulher não precisa ler, estudar, ouvir e refletir para se conscientizar do machismo que opera, diversas vezes, involuntariamente? E quantos efetivamente farão isso em uma sociedade já bem estruturada sobre várias desigualdades que se interpenetram, nas quais aquelas de gênero me parecem mais perversas por serem presumidas como “biológicas”, dificultando para muitos a compreensão de sua construção social e histórica?

Não quero, com isso, parecer condescendente ao machismo; muito pelo contrário. Desejo chamar a atenção principalmente dos homens para a necessidade não apenas de reconhecer que gozamos de privilégios em uma sociedade desigual, mas também de marcar que as questões relacionadas a gênero não devem ser assumidas de acordo com o que toda uma geração aprendeu no Xou da Xuxa como uma eterna disputa de “menino contra menina”.

Proponho aqui um exercício tipicamente sociológico de autocrítica. Jamais um homem poderá sentir na pele os desconfortos, medos e inseguranças que uma mulher sofre em uma sociedade machista – da preocupação em tomar um taxi a escolher o que vestir, por onde andar e aonde ir no sentido de se precaver ao máximo de sofrer uma violência sexual, por exemplo. Mas isso não o impede necessariamente de conscientizar-se criticamente de seus gestos e mudá-los.

Penso que é possível aos homens cultivarem mais empatia e, nesse sentido, às vezes tentarem se imaginar no lugar das mulheres com quem interagem. Se o sujeito não tem imaginação suficiente para isso, que tal, simplesmente, escutar? Que tal se dar alguns minutos para ler alguns depoimentos de mulheres em diversos movimentos difundidos na internet como o “Chega de Fiu fiu”?

Que tal se perguntar antes de oferecer uma rosa vermelha – que, vinda de um homem para uma mulher, frequentemente implica um convite ao sexo – se é realmente aquilo que aquela mulher deseja ou ainda: como ela vai se sentir com esse “elogio”? Que mensagens de expectativas implícitas de reciprocidade estão presentes nesse gesto tão simples?

É óbvio que uma rosa não precisa ser e nem é necessariamente um convite ao sexo. Mas dada essa associação tão forte que se constituiu historicamente, a que será que tantas mulheres não se sentem “obrigadas” – nesse sentido a língua portuguesa é fascinante com essa expressão tão peculiar de gratidão que, explicitamente, instaura uma condição de obrigação – ou cobradas a partir de determinados gestos masculinos apenas por serem mulheres?

O exercício da autocrítica é difícil; obriga-nos a sair do que acreditamos ser uma zona de conforto. Mas essa zona muitas vezes é mais um hábito e vício do que um lugar de conforto em si. A desigualdade de gêneros também cria demandas e expectativas por vezes opressoras para muitos homens; das formas que aprendem a lidar com suas emoções a diversas cobranças resumidas no imperativo: “seja homem”.

Quantos jovens não arriscam e perdem suas vidas “sendo homens” em competições de bebedeiras, dirigindo perigosamente ou mantendo relações sexuais sem proteção? E quantos na recusa disso são preteridos e até “feminilizados” de forma pejorativa? Aqui se reforça mais ainda uma significação preconceituosa do feminino ao tornar “mulherzinha” uma ofensa e uma forma de desqualificar alguém, contribuindo para o isolamento social de homens que não correspondem a esse estereótipo de masculinidade, por vezes abusivo com as mulheres.

Tenho minhas dúvidas se a manutenção dessa posição é sempre tão confortável… mas a sua naturalização torna, para muitos, assustadora e desconcertante a simples insinuação de sair dela. Sei que pode soar absurdo, mas muitos de nós homens não tem a menor ideia de que seja possível ser de outro jeito.

O ponto aqui é que lidamos com um problema social e, como tal, fazemos parte do problema, estamos dentro do problema e, justamente por isso, temos a imensa dificuldade de “olhar pra dentro”. Ninguém “olha pra dentro” realmente, diretamente. Esse nível de percepção não é possível literalmente falando. Por isso exige tanta reflexão e esforço mental, pois é sempre uma abstração influenciada por interpretações – nem sempre precisas – de sinais internos e externos.

Na melhor das hipóteses, essa percepção é mediada por algum outro instrumento que produz uma “imagem” do que está dentro. Eu não posso olhar para o meu organismo “de dentro”. Em um exame diagnóstico de imagem, não é para dentro de meu corpo que olho, é para um monitor, é para uma fotografia. Todos fora de mim.

É necessário superar a polarização entre gêneros que lê todo o problema na chave de um antagonismo homem-mulher que assume muitas vezes aspectos de brigas de torcida organizada. É necessário combater, criticar e transformar todo um sistema muito mais complexo, cheio de desigualdades que se cruzam e mudam de lugar constantemente. Pior ainda: este sistema só pode ser transformado de dentro. O desafio é semelhante a trocar o pneu de um carro em movimento.

Nesse sentido, é de suma importância que os homens prestem mais atenção às imagens que as mulheres, em seu ponto de vista específico, conseguem mediar não somente de nós mesmos, mas da nossa sociedade pautada por desigualdades – raciais, sociais, econômicas, de gênero, culturais, etc. – e que é, por meio de todos nós, difusamente opressora e oprimida.

E é de suma importância que os homens cultivem sua sensibilidade, não no sentido estereotipado de gênero como sinônimo de “cultivar seu lado mulher”. Tenho ojeriza dessa expressão. Sensibilidade não tem nada a ver com “ser mulher” assim como brutalidade não tem a ver com “ser homem”. Cultivar a sensibilidade é buscar ampliar a percepção, tanto de si quanto do(a) outro(a); daquilo que não se pode ver, mas se pode sentir e, percebendo isso, buscar interpretar o que se sente.

Cultivar a sensibilidade é estimular o tato, perceber as vezes em que há necessidade de uma aproximação mais suave e cuidadosa. Da mesma forma como aprendemos a “manusear” os pedais de um carro no ato de dirigir e como o emprego da força ou da suavidade nesse ato variará conforme uma série de elementos: do modelo do carro às condições da via, do peso que ele carrega ou do seu tempo de uso. Trata-se de algo que não somente é aprendido mas é constantemente ajustado conforme a situação.

E no fim das contas, o que me deixa às vezes perplexo é que tantas questões de relações entre gêneros são tratadas de forma tão complicada, mas muitas vezes são de puro bom senso e ética. E não é preciso se tornar porta-bandeira do feminismo pra agir eticamente e com bom senso. Ensinar os homens a não estuprar, ao invés de querer ensinar as mulheres a se vestirem para não serem estupradas, por exemplo, é puro e evidente bom senso. Particularmente, não gosto de ser visto na chave de um animal imprevisível que pode se tornar feroz e agressivo conforme um centímetro a mais ou a menos de pele que enxerga.

Ser empático com uma mulher não é um ato de concessão ou benevolência; é um ato de respeito a outro ser humano. Você, homem, não tem obrigação de ser gentil com uma mulher por que “é homem”, “mais forte” e etc. Você tem obrigação de ser gentil com uma mulher – e com homens, trans, travestis, etc. – porque vocês são gente. E o que se tem no meio das pernas não muda nada disso.

Parte considerável dos “privilégios” de homens no patriarcado não constitui privilégios em si, não são direitos de forma alguma legitimados, mas caracterizam abusos. Abusos que se tornaram naturalizados e que muitos creem como direitos, de forma bem parecida com o que acontece em muitos aspectos da corrupção em nosso país – tanto no campo da política quanto na vida cotidiana. Muitos se acham com direitos que não têm e nunca tiveram.

Assim, já é tempo de parar de atacar os direitos humanos reivindicados por mulheres, homossexuais e tantos outros grupos e assumir que nunca tivemos qualquer direito de desumanizá-los como fazemos sistematicamente.

 

O papel das mulheres e do feminismo

Posted in Comportamento with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on março 17, 2015 by Psiquê

Hoje conheci o blog Não me Khalo, que achei o máximo. Parabéns meninas pelo projeto e iniciativa.

Algumas ideias pendem para um feminismo mais radical e militante, o que OBVIAMENTE não está errado, mas que pode gerar controvérsias e um incômodo nos mais conservadores…

Nós mulheres – algumas inseridas em uma criação machista – temos o dever de sempre e cotidianamente reafirmar a luta por igualdade de gêneros e pela denúncia em relação aos absurdos a que somos submetidas diariamente, seja através de uma piadinha, cantada não desejada ou apropriada, assédio sexual, moral, etc. Seja através do boicote a uma promoção no trabalho, a um posto ou curso no trabalho, etc.

Gostaria de compartilhar um vídeo que descobri através de um fragmento compartilhado no blog, mas que divido com vocês aqui na íntegra. Ouçam um pouco do que a minha querida filósofa e professora de filosofia Márcia Tiburi tem a dizer:

Fiquem bem. Uma ótima semana a todos.

Puro preconceito

Posted in Comportamento, Curiosidades, Profissão, Sexo with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on janeiro 27, 2015 by Psiquê

678727_35Talvez minhas ideias neste post causem mal estar, mas há algo que preciso compartilhar aqui e considero nada mais do que puro preconceito, enraigado em uma sociedade extremamente machista, preconceituosa e (muitas vezes, hipócrita).

No Saia Justa Verão da semana passada, os meninos lançaram o tema prostituição, enquanto negócio, na pauta de discussão. Na ocasião, Léo Jaime relatou uma experiência pela qual passou em Amsterdam, em que passava pelo Red Light District, uma área onde a prostituição é comum (e legalizada): uma das profissionais saiu de uma casa de prostituição e seu marido/namorado/parceiro a esperava na porta, vindo do trabalho, com uniforme da companhia de luz. Ao vê-la, deu um selinho e seguiu de mãos dadas para casa. Na sequência, ele indaga aos demais apresentadores se eles lidariam bem com a possibilidade de sua esposa trabalhar como prostituta.

Certa vez, também conversando com uma psicóloga que gosto muito falei sobre este tema e ela destacou as dificuldades pelas quais passam as pessoas que trabalham se prostituindo e quando querem assumir um relacionamento estável ou ter filhos, sofrem preconceito de seus parceiros ou da sociedade.

Foi então que comecei a pensar que tudo isso só existe porque vivemos em uma sociedade absurdamente machista e preconceituosa, na qual os homens se gabam por pagar pelo sexo, mas consideram inferiores as mulheres (ou homens) que vendem o serviço.

Se a prostituição fosse realmente encarada como um profissão, na qual a pessoa vende um serviço e fora do trabalho vive como outra pessoa que exerça uma profissão qualquer, não haveria sentido algum em olhar torto, fazer piadinha, tratar mal  ou condenar aqueles que fazem desta uma profissão. Mas estamos muito distantes de uma sociedade que consiga deixar o preconceito de lado e respeitar o outro se a sua prática ou suas escolhas forem de encontro ao que se pensa ser certo ou moral.

Na minha opinião esta discussão demonstra o mais puro preconceito e machismo (no caso da experiência brasileira). Mas isso é só uma opinião…que não podia deixar de compartilhar com vocês.

Fiquem bem e respeitem o outro, sempre, independente das escolhas dele.

Hoje eu quero agradecer…

Posted in Comportamento with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on setembro 9, 2014 by Psiquê

870db71a9d9996b31455e8c886be3bc3

Pode até parecer clichê, mas hoje eu só quero agradecer…

Há alguns dias de celebrar mais um ano de vida, eu me sinto verdadeiramente agraciada pela vida que tenho. Não digo que não tenho problemas, ou momentos em que não vejo o brilho das coisas…

Muitas vezes estou cansada, querendo desistir, descansar,  mudar o rumo, mas a verdade é que me sinto uma vitoriosa por cada dia vivido. Sinto-me mais forte todas as vezes que acordo quando ainda está escuro para cuidar da minha saúde e sigo em direção ao meu treino matinal, meu pilates, meu trabalho, minhas leituras, meu yoga…

Sinto-me agraciada todas as vezes em que acendo um incenso e permito que as energias fluam, desfrutando da possibilidade de sentar no sofá, fazer meu dejejum com alimentos saudáveis, que me fazem bem…

A possibilidade de viver bem esta vida e ser grata por cada dia que recebemos é uma dádiva. Para completar meus dias, eu ainda gostaria de completar ainda mais duas metas: conseguir antes dos meus treinos ou antes de deitar, meditar por alguns minutos diários – desafio que ainda não consegui cumprir, seja porque acordo muito cedo, ou porque à noite ainda não me organizei – e conseguir encaixar mais alguns dias de yoga na minha semana, pois sinto necessidade de mais tempo de prática.

Eu não consigo entender como alguém pode não conseguir enxergar as maravilhas que temos a cada dia de vida:

  • Podem ser as forças da natureza, seja pela chuva, pela linda luz da lua ou o sol maravilhoso. No último domingo, depois de meses, diante de um lindo dia de sol e não muito quente, fui à praia e confesso que foi uma experiência maravilhosa. Curtir o sol ainda que fraquinho, o vento e o som do mar;
  • Conseguir vencer diariamente do desafio da preguiça e me exercitar para diminuir o estresse, dar ao meu corpo físico e mental uma oportunidade de relaxar e liberar toxinas;
  • Alimentar-me com cuidado e amor, sabendo que tudo o que ingiro traz consequências positivas ou negativas ao meu organismo;
  • Ser atenta aos limites do meu corpo, ao cansaço, às dores físicas e às suas necessidades de descanso, massagem, repouso, carinho, sono, etc. 
  • Agradecer, agradecer, agradecer por todas as experiências pelas quais passo e passei e que me tornam esta pessoa que sou hoje;
  • Ser grata a todas as pessoas que conheci ao longo da vida e que dividiram comigo um pouco de suas percepções e experiências, fazendo com que eu pudesse enxergar todas estas maravilhas…
  • Por todas as minhas escolhas rumo a uma vida mais saudável: boa alimentação, yoga, treino funcional, pilates, livros, cinema, família, terapia, amor, o Espartilho, gratidão…

Obrigada! Obrigada! Obrigada!

Namastê!

09b6c83f55263805e62869c408e2a2bc