Arquivo para homossexual

Safo tem obra relançada

Posted in Cultura e Arte with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on agosto 9, 2017 by Psiquê

Safo-e-Erinna-em-um-jardim-em-Mytilene-1864

Um belíssimo resgate à obra de Safo de Lesbos, foi o presente que a Revista Cult trouxe nesta semana. E o Espartilho, resolveu, homenagear este relançamento.

Seus versos foram imitados por poetas gregos e romanos. Pela potência de sua lírica amorosa, foi chamada de décima musa, ao lado das tradicionais nove filhas da Memória. Subverteu a ordem patriarcal da sociedade grega, tornando-se modelo para poetas homens de toda a Grécia.

Apesar dessa dimensão, quase nada se sabe sobre quem foi Safo. Provavelmente nasceu no século 7 a.C em Mitilene, capital da Ilha de Lesbos, próxima à costa da Ásia Menor. A palavra lésbica, anacrônica para se referir à Safo, tem raízes na ilha em que a poeta nasceu. Mantinha uma escola só para mulheres, na qual as professoras eram amantes das alunas, à maneira da tradicional pederastia masculina ateniense.

Compunha seus versos celebrando o amor homoerótico entre mulheres, no contexto ritualístico e performático dessa escola. Foi exilada, por questões políticas, por volta de 650 a.C. na Sicília. Desconhece-se a causa de sua morte.

A dificuldade de delinear quem foi Safo de Lesbos ocorre tanto pela distância histórica quanto pela sua dupla condição de mulher e lésbica, afirma Guilherme Gontijo Flores, tradutor, poeta, professor de Letras Clássicas da UFPR e responsável pela tradução dos Fragmentos completos de Safo, publicado neste mês pela Editora 34.

“Por ser mulher, a sociedade grega patriarcal dava menos valor à sua biografia, havia muito menos interesse em sua história do que em sua poesia. Esse fascínio é tardio, e quando começa a surgir, tem um segundo empecilho, o lesbianismo”, afirma Gontijo Flores. Hipóteses de que a poeta teria se suicidado pelo amor de um homem ou de que teria sido uma cortesã são, segundo ele, tentativas de apagar esse dado de sua biografia.

A partir do século 19, no entanto, foi justamente a sua sexualidade que passou a provocar interesse no público. Segundo Gontijo Flores, esse lugar “fora do eixo” de Safo abre espaço para o questionamento dos valores do cânone literário ocidental, além de ser “fundamental para discussões de gênero”, uma vez que ela foi a fundadora do canto amoroso homossexual no ocidente.

Safo compunha poesia para ser cantada ao som da lira. Por conta dessa tradição oral, suas composições só começaram a ser estabelecidas em texto por volta do século 3 a.C. Dos nove livros que registravam sua produção poética, compilados pelos eruditos da Biblioteca de Alexandria, restaram apenas um poema completo, ‘Hino a Afrodite, e cerca de duzentos fragmentos.

A nova tradução, que Gontijo Flores começou a preparar há dois anos apenas como “experiência afetiva”, sem pretensão de publicar, reúne todos esses fragmentos conhecidos, inclusive um encontrado em 2004 e dois recém-descobertos em 2014.

Mulher, homossexual, a poeta grega vai contra toda tradição literária ocidental. Para Gontijo Flores, a obra de Safo faz o leitor perceber que outra história da literatura era (e ainda é) possível. Uma que não seja centrada na narrativa heterossexual masculina. “Se eu abro o cânone a partir de Safo há uma chance política tanto para repensar o presente e suas possibilidades como para fazer uma revisão histórica profunda.”

Paulo Henrique Pompermaier

Publicado originalmente na Revista Cult

sendbinary2

 

Anúncios

Preconceito e intolerância!

Posted in Comportamento with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , on agosto 24, 2015 by Psiquê
Marc Lagrange

Marc Lagrange

Em tempos de muita intolerância e violência tenho me deparado com episódios bastante repetitivos e surpreendentes de preconceito contra mulheres. Infelizmente, dos “machistas” e “reacionários”, não esperamos muita coisa, mas ultimamente tenho testemunhado pessoas que admiro e respeito por sua coragem de assumir uma vida homossexual e defender os direitos dos gays, fazerem piadas e comentários misóginos. Não sei se a nossa sociedade tem se dado conta de que, nas entrelinhas e até explicitamente, tem propagado a misoginia de maneira epidêmica.

Esses episódios vão desde comentários machistas em relação a mulheres que ocupam cargos decisórios, de chefia ou liderança que são inferiorizadas por serem mulheres; por gays que comentam pejorativamente que tem medo de mulheres homossexuais; piadinhas machistas querendo sensualizar palavras, atitudes e decisões tomadas por mulheres, no sentido de acusar um comportamento mais incisivo e sério como “falta de feminilidade, sensualidade, sexualidade”.

Será que nossa sociedade não enxerga a propagação absurda deste movimento? Claro que, considerando a sociedade extremamente machista em que vivemos, onde muitas mulheres são as primeiras a difundir e reforçar comportamentos machistas, toda essa misoginia demonstrada em piadinhas, charges, textos grosseiros e vergonhosamente escritos por pessoas inescrupulosas no intuito de desmoralizar as mulheres, pelo simples fato de serem mulheres, é inadmissível. Precisamos acordar para essa realidade e combater ferrenhamente tamanha falta de limites.

O que mais me choca é que muitos grupos de minorias, que também sofrem preconceitos e marginalização não se colocam no lugar do outro de maneira empática, solidarizando-se pela luta por igualdade. Como você pode lutar por igualdade de uma causa que é sua, compactuando com o preconceito quando é o outro quem o sofre?

Desculpem, mas eu não entendo e não posso me calar.

Respeito é bom e todo mundo merece.

Registro aqui também meu repúdio a uma crônica publicada recentemente por um pseudo jornalista em uma pseudo revista que expôs ideias extremamente misóginas, machistas e preconceituosas contra uma mulher que hoje ocupa a presidência da república do Brasil. Não importa se concordamos ou não com suas decisões, misoginia NÃO.

Não ao racismo, não à homofobia, não à misoginia, não ao preconceito, não à hipocrisia.

O Espartilho quer te conhecer

Posted in Comportamento, Pesquisa with tags , , , , , , , , , , on abril 23, 2009 by Psiquê

Depois de quase um ano e meio de vida o Espartilho resolveu concretizar o sonho de conhecer um pouquinho mais de vocês. Por isso, instituiu a enquete Você é para que você responda um pouquinho sobre si mesmo.

Volte sempre ao Espartilho, pois suas visitas são fundamentais para a existência desse nosso blog. Afinal, o Espartilho também é seu.