Archive for the Saúde Category

Benefícios das invertidas

Posted in Comportamento, Saúde, Yoga with tags , , , , , , , , , , , , , on novembro 8, 2015 by Psiquê

Recentemente publicado no portal Yoga em Casa o texto a seguir fala sobre os benefícios das posturas chamadas “invertidas” no yoga. Compartilho com vocês para que experimentem com seus instrutores ou em casa, conforme as condições de cada um. Há invertidas mais simples que podem ser praticadas com menos riscos de acidente para aqueles que ainda não conseguem fazer. Lembrem-se de ler as contraindicações apresentadas no texto a seguir.

b2fc03c71caea6393fd6e4cc6e34b7f7

Dentre as posturas mais conhecidas do yoga estão as “invertidas”, posições nas quais, grosso modo, colocamos as pernas para cima. Incluímos nessa categoria também os asanas onde a cabeça fica abaixo do coração, como em adho mukha shvanásana, postura do “cachorro olhando para baixo”.

Tradicionalmente, duas dessas posições invertidas de tão importantes são chamadas de Rei e Rainha das posturas; shirshásana, o “pouso sobre a cabeça” e sarvangásana, popularmente conhecida como “postura da vela”.

Mas por que ficar de cabeça para baixo? Quais os benefícios e quais as contra-indicações?

Vale ressaltar que os benefícios e contra-indicações aqui apresentados se referem às posturas invertidas no geral, existem diferenças entre elas tanto no sentido dos efeitos fisiológicos quanto dos estímulos energéticos promovidos por cada uma. O mesmo vale quanto as contra-indicações, não serão abordadas as especificidades de cada postura invertida.

Benefícios gerais das invertidas

Retorno sanguíneo e Oxigenação cerebral

Nessas posturas usamos a força da gravidade a nosso favor no sentido de, por um lado, favorecer o retorno sanguíneo dos membros inferiores prevenindo e revertendo o surgimento de varizes e hemorroidas. Por outro lado, o cérebro é irrigado com mais sangue oxigenado favorecendo o bom funcionamento das capacidades cognitivas: concentração, memória, raciocínio e processamento de informações.

Irrigação dos órgãos dos sentidos

Essa dose extra de sangue oxigenado beneficia também todos os órgãos dos sentidos localizados na região da cabeça incluindo a pele do rosto devido a um melhor aporte de nutrientes para as células que formam os tecidos dos órgão dessa região.

Reforço imunológico

As inversões fortalecem o sistema imunológico visto que melhora o fluxo do sistema linfático que desempenha um papel fundamental nesse sistema de defesa do organismo.

Reposiciona os órgãos da região abdominal

Muitas pessoas sofrem de queda de órgãos, conhecido como visceroptose. As posturas invertidas favorecem o reposicionamento dos órgãos dentro do abdome.

Melhora do humor, administração do estresse e combate à depressão

Um estudo conduzido por pesquisadores da Universidade da Califórnia, Los Angeles e publicado em uma edição de “Terapias Alternativas na Saúde e Medicina” mostrou que uma prática de yoga, que inclui inversões pode melhorar o humor e reduzir os sintomas da depressão. A presença das inversões na prática também se relacionou com a normalização do hormônio do estresse chamado cortisol e com o aumento da circulação de endorfinas que por sua vez ajuda a lidar com situações de tristeza e de ansiedade. Os indivíduos que usam inversões como parte de uma prática diária de yoga relataram uma sensação de confiança e coragem ao longo do dia.

Flexibilidade mental e resiliência

A experiência de sentir o corpo no espaço de uma maneira diferente desloca o ponto de vista e estimula uma ressignificação de certos padrões de comportamento e de percepção tornando o indivíduo mais flexível e adaptável à mudanças e à situações adversas.

Retarda os processos de envelhecimento

Devido a todos esses efeitos, costuma se dizer que, quando estamos numa postura invertida, os ponteiros do relógio param ou até mesmo rodam em sentido contrário.

Contra-indicações gerais

Algumas posturas de inversão não são para todos, se você apresenta alguma das condições abaixo, é importante que receba uma orientação específica: em relação ao tipo de postura que pode realizar e ao período de permanência recomendado.

  • Hipertensão
  • Cardiopatias
  • Hérnia de hiato
  • Glaucoma
  • Deslocamento de retina
  • Mulheres em período menstrual ou em período de gestação

Mesmo àqueles que não apresentam as condições acima devem ter consciência da importância de receber uma instrução adequada quanto a realização e tempo de permanência em tais posturas. Use o bom-senso.

Harih Om
Gilberto Schulz

Anúncios

Outubro é rosa

Posted in Comportamento, Saúde with tags , , , , , , on outubro 12, 2015 by Psiquê

outubrorosa_0

Como todos os anos, o Espartilho lembra que outubro é rosa

Outubro é o mês em que lembramos da necessidade de prevenção ao câncer de mama que é o que mais mata mulheres no mundo, mas que tem grandes chances de cura e superação se diagnosticado precocemente.

Visite seu ginecologista regularmente, observe-se e faça o autoexame sempre que possível.

Se você tem uma história de superação para compartilhar conosco, fique à vontade. Essa luta é de todas nós.

Namastê.

Água com limão

Posted in Curiosidades, Saúde with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on agosto 18, 2015 by Psiquê
By Tomasz Dziubinski

By Tomasz Dziubinski

Não tenho conhecimento técnico-científico para saber se beber água com limão todos os dias traz todos estes benefícios, mas que o sabor compensa o teste e que algum bem deve trazer, eu aposto.

Compartilho então alguns dos benefícios que são atribuídos a este hábito, que a meu ver, pode valer a pena pagar para ver…

Adicionar limão à água não só sacia a sede melhor do que qualquer outra bebida, mas também nutre o nosso corpo com vitaminas, minerais e oligoelementos que são absolutamente indispensáveis. Limão com água pode ser considerado o melhor impulsionador de energia natural. Quando acordamos de manhã, nossos tecidos corporais são desidratados e necessitam de água para empurrar para fora as toxinas e rejuvenescer as células. Em outras palavras, esta “limonada caseira” ajuda a eliminar toxinas internas, regulação adequada dos rins e as funções do aparelho digestivo, forçando-os a trabalhar da forma mais tranquila possível.

  • Água com limão contém eletrólitos que hidratam o corpo. Como limões contêm boa quantidade de eletrólitos como potássio, cálcio e magnésio.
  • Água com limão é bom para as articulações, reduzindo a dor nas articulações e músculos.
  • A água morna com limão ajuda a digestão como limão contém ácido cítrico. Interage com outras enzimas e ácidos que facilmente estimulam a secreção de suco gástrico e digestão. O fígado produz mais enzimas com ajuda da água com limão do que de qualquer outro alimento.
  • Água com limão limpa o fígado. O suco de limão estimula o fígado a liberar toxinas.
  • Água com limão ajuda a combater infecções do trato respiratório, dores de garganta e inflamação das amígdalas. Isto é devido às propriedades anti-inflamatórias do limão.
  • A água morna com limão ajuda a regular o movimento natural do intestino.
  • Água com limão é indispensável para o trabalho normal do metabolismo. Desde limão é um poderoso antioxidante, que protege o corpo contra os radicais livres e fortalece o sistema imunológico.
  • Água com limão auxilia no bom funcionamento do sistema nervoso (limão tem um alto teor de potássio). Depressão e ansiedade muitas vezes são o resultado dos baixos níveis de potássio no sangue. O sistema nervoso necessita de uma quantidade suficiente de potássio para assegurar sinais sustentáveis para o coração.
  • Água com limão limpa seu sangue, vasos sanguíneos e artérias.
  • Água com limão pode ajudar a baixar a pressão arterial.
  • A ingestão diária de um limão pode reduzir a pressão sanguínea elevada em 10%.
  • Água com limão cria um efeito alcalinizante no corpo. Mesmo se você beber imediatamente antes de uma refeição, ele pode ajudar seu corpo a manter um alto nível de pH. Quanto mais alto o pH, mais o seu corpo é capaz de combater doenças.
  • Água com limão é bom para a pele. A vitamina C no limão, melhora a nossa pele , e ajuda no rejuvenescimento do corpo. Beber água com limão regularmente (a cada manhã) vai melhorar a condição de sua pele.
  • Água com limão ajuda a diluir o ácido úrico, que se acumulado causa dor nas articulações e gota.
  • Água com limão é benéfico para mulheres grávidas. Desde que limões são carregados com vitamina C, ele age como um adaptogênico ajudando o corpo a lidar com vírus tais como constipações. Além disso, a vitamina C ajuda a formação de tecido ósseo do feto. Ao mesmo tempo, devido ao seu elevado teor de potássio, uma mistura de água com limão ajuda a formar as células do cérebro e do sistema nervoso do bebe.
  • Água com limão alivia a azia. Para isso, misture uma colher de chá de suco de limão em meio copo de água.
  • Água com limão ajuda a dissolver os cálculos biliares, pedras nos rins, pedras pancreáticas, e depósitos de cálcio.
  • Água com limão ajuda na perda de peso. Limões contêm fibra pectina, que ajuda a suprimir ânsias de fome. Estudos têm comprovado pessoas com uma dieta alcalina melhor perderam peso mais rápido.
  • Água com limão ajuda com dor de dente e gengivite.
  • Água com limão previne o câncer. Isto é devido ao fato de que os limões são um alimento altamente alcalinos. Vários estudos descobriram que o câncer não pode prosperar em um ambiente alcalino.

Originalmente publicado aqui.

Gravidez – Parto Domiciliar

Posted in Gravidez, Maternidade, Saúde with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on janeiro 23, 2015 by Psiquê

4fe1e94d289be4cc6d7562c9f357bec4

 

O portal Mulher Uol publicou uma matéria interessante sobre parto domiciliar, seus prós e contras, além de quem pode optar por ele sem riscos. Há muita dificuldade de encontrar profissionais dispostos a dar informações e assumir o risco desta escolha. As mães que optam por seguir esta linha precisam de informação e muitas vezes se sentem desamparadas e inseguras. O Brasil é campeão em partos por cesária, pratica algo em torno de 80% dos partos por esta modalidade enquanto a OMS recomenda que este seja praticado apenas em caso de risco e se limite a cerca de 15% dos partos.

  • No parto em casa, a mulher escolhe a forma como quer dar à luz e tem o apoio do parceiro

Ana Cristina Duarte é uma parteira. Mas não daquelas do tempo de nossas avós. Ela é ativista de um movimento que defende a opção pelo parto domiciliar planejado. Nele, mulheres em gravidez de baixo risco dão à luz em casa, na companhia de quem escolher. Não é utilizado nenhum tipo de medicamento para diminuir a dor, a não ser métodos naturais de analgesia, como água quente, massagens e técnicas de relaxamento e de respiração. O parto também não é induzido com a administração do hormônio ocitocina –e, por isso, dura entre oito e 12 horas em mães de primeira viagem. Tudo fora do ambiente hospitalar.

É exatamente o fato de não acontecer em um hospital que colocou a classe médica contra a prática. Enfermeiros e obstetras são legalmente habilitados para assistir partos em casa, mas o Conselho Federal de Medicina considera mais seguro que ele seja feito no hospital. O Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro (Cremerj) chegou a vetar que médicos no Estado assistissem partos domiciliares e a pedir à entidade paulista –o Cremesp– a punição do médico obstetra Jorge Francisco Kuhn, que defendeu a opção pelo parto em casa em entrevista ao programa “Fantástico” (Globo), em junho. A instrução do Cremerj contra o parto domiciliar foi derrubada pela Justiça do Rio de Janeiro e levou ativistas a marchas em 16 pontos do país.

“Nossa visão é a de que o parto domiciliar não é aconselhável”, diz o obstetra Mário Macoto, do Hospital das Clínicas da USP. “Isso porque existem alguns imprevistos. Por exemplo, o prolapso do cordão (quando o cordão sai antes), um período expulsivo muito prolongado, a retenção de placenta, um sangramento importante. E quando a mulher chega a nós, chegam duas vidas que precisam ser cuidadas. A da mãe e a do bebê”, diz Macoto.

Kuhn não concorda que haja perigo aumentado nos casos de gravidez de baixo risco. “Assisti cerca de 100 partos domiciliares e nunca houve um caso de emergência como prolapso do cordão ou descolamento da placenta”, diz Kuhn, que se tornou um “vaginalista” convicto após um período de estudos e plantões na Universidade Livre de Berlim, entre 1990 e 1991.

“Em 15 desses casos, houve remoção para hospital. Mas isso aconteceu pelo desejo da mulher, seja porque o trabalho estava muito estafante, seja porque pediu para ser anestesiada. Em nenhum deles houve cesária”. Segundo Kuhn, casos de emergência são de apenas 1%.

Foi exatamente uma cesária desnecessária que levou Ana Cristina Duarte ao movimento pelo parto domiciliar planejado. “O médico era um figurão da USP, mas não tinha tempo para um parto normal”,  diz Duarte. Na segunda gravidez, ela procurou algum médico conhecido por fazer parto normal. Mas isso não é fácil no Brasil, o país com a maior porcentagem de cesárias no mundo, segundo a Unicef. Segundo dados do DataSUS, o número de cesáreas ultrapassou em 2009 o de partos normais –enquanto a OMS aconselhe que ocorra em apenas 15% dos casos.

Quando Ana Cristina teve um parto natural, ele aconteceu em um hospital –um ambiente em que disse ter-se sentido sozinha, desamparada. Foi por isso que em 1999 começou a estudar e militar pelo parto humanizado. Tornou-se doula (uma pessoa que dá apoio emocional e físico para a parturiente) –e em 2008 se formou no curso de obstetrícia da Escola de Artes e Ciências Humanas da USP. Então, passou a assistir partos domiciliares e a enfrentar a oposição de parte da classe médica.

Meio-termo

Parto normal, natural, humanizado e domiciliar planejado. Todos esses tipos de parto são vaginais, e, como não envolvem uma cirurgia, têm risco de infecção hospitalar menor e recuperação mais rápida da mulher em relação à cesariana. Qual então a diferença entre eles?

O parto normal significa basicamente que é vaginal. Isso, no entanto, não significa que não haja intervenções médicas. Se a mulher sentir dores intensas, é aplicada anestesia. Para acelerar o parto, são administrados hormônios. Também é feita a episiotomia, caso necessário. Por outro lado, no parto natural, o papel do médico se resume a acompanhar o parto, e não induzi-lo.

Já o parto humanizado não é em si uma técnica, mas o controle das decisões sobre o parto pela mulher, e não pela equipe médica. Isso inclui a presença de acompanhantes, a escolha da posição em que se sentir mais confortável, a presença do bebê logo após o parto. Para isso acontecer sem pressão de tempo nem desconforto pelo ambiente hospitalar, alguns hospitais privados têm suítes de parto, e o SUS, as casas de parto.

Para Mário Macoto, o problema não é o “parto humanizado”, mas o fato de o parto domiciliar não acontecer no hospital. “Nas condições em que vivemos, dificilmente a parturiente terá acesso da casa à sala do hospital em 10 ou 20 minutos.”

Mas entre a ideia de um parto hospitalar humanizado e a prática existe ainda um abismo. São poucas as suítes de parto em hospitais privados e as casas de parto cobertas pelo SUS –em São Paulo são três na capital e nenhuma no interior.

Enquanto isso, discussão contra e a favor o parto domiciliar só esquenta. “Quando o médico se opõe ao parto domiciliar, baseia-se apenas em sua opinião, não em evidências científicas. O fato é que o médico é apenas um dos atores envolvidos no nascimento. Um ator com formação voltada à doença, não para a normalidade”, diz Ana Cristina Duarte.

Mas, afinal, como é um parto domiciliar planejado, em quais casos equipes de saúde o realizam e quais os seus riscos? Especialistas ouvidos pelo UOL Gravidez e Filhos respondem essas e outras perguntas a seguir.

A escolha

Uma vez interessada em um parto domiciliar planejado, a gestante e seu parceiro têm de procurar profissionais que ofereçam esse tipo de serviço: um obstetra ou enfermeiro obstetra, todos com qualificação formal para atender partos de baixo risco. Essa será a mesma pessoa que acompanhará o casal, desde o pré-natal até o pós-parto. Embora seja raro, médicos obstetras também podem fazer o parto domiciliar.

Para que possa atender em casa, esse profissional de saúde precisa ter bastante experiência acumulada. “Quando se formam, enfermeiras e obstetras ainda não estão preparados para assistir um parto domiciliar. Precisam obter muita experiência, o que ocorre integrando uma equipe ou trabalhando em hospital”, diz Nádia Narchi, coordenadora e professora do curso de obstetrícia da EACH-USP.

Segundo a enfermeira obstetra Priscila Colacioppo, no primeiro encontro, que dura por volta de duas horas, é explicado o que é o parto domiciliar planejado e suas condições. “É comum o parceiro estar meio ressabiado, mas o fato é que o homem é o nosso maior aliado no parto, quem mais compartilha. É o casal que dá à luz.”

Individualidade e coerência

Posted in Comportamento, Estética e Beleza, Saúde with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on novembro 29, 2014 by Psiquê

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Eu malho para comer…

Foi com essa frase que Thalita Rebouças me motivou a escrever este post. O depoimento foi dado no programa Superbonita do GNT desta semana (no do episódio 23/2014), em que se tratou do tema: envelhecendo bem. Eu gostei muito das ideias de Thalita Rebouças e de Luiza Brunet (cuja postura já destaquei aqui em outro post) sobre como envelhecer bem. Saber envelhecer é uma arte e cuidar de sua autoestima, respeitando seus limites, seu corpo e seu biotipo é fundamental para estar bem e fazer o que mais tem a ver com você.

Thalita disse que está superfeliz com a proximidade dos 40 anos e que ao virar balzaca (fazer 30 anos) ela se sentiu superfeliz, mas hoje se sente ainda mais feliz com 39 anos e acha que esta década entre os 30 e 40 anos foi a mais feliz de sua vida…ela se diz mais madura, mas segura, mais realizada. Ela confessa que não liga muito para doce, mas adora uma empada, por isso malha para poder comer…

Por que não buscamos o que nos faz bem, procurando ter mais saúde, cuidar do bem-estar, sem exceder os limites e sendo feliz? Para que viver aprisionada em busca de padrões corporais determinados pela sociedade, malhando feito louca, se privando de alimentos, para tentar alcançar um biotipo que não é o seu? Olha que eu não me prendo a desejos gastronômicos tão específicos como o da Thalita, mas o equilíbrio é fundamental em tudo…

Já Luiza Brunet, além de lindíssima e supercoerente em relação às mudanças que a idade nos exige para que saibamos nos vestir e nos cuidar com sabedoria e sem modismos, dá dicas fundamentais para estar sempre bela. Para que um look exagerado em relação à procedimentos que exageram e estragam a sua fisionomia? Para que usar uma roupa que não condiz com seu biotipo e sua idade. Usar mini-saia, por exemplo, na concepção dela é para mulheres com pernas bonitas, magras e altas…com o passar do tempo, uma saia lápis, mais compridinha com uma blusa fica mais elegante e adequado para o seu biotipo aos 52 anos e por que não se adequar a isso e ficar ainda mais bela?

Todas essas ideias, mereceram o meu destaque aqui, pois vivemos sendo pressionadas em relação à adequação a biotipos que, muitas vezes, não são os nossos…

Na minha opinião, e isso já disse outras vezes, quando respeitamos o nosso próprio biotipo, escolhendo a roupa mais adequada a ele, as cores que mais combinam com o nosso tom de pele, o tipo de vestimenta que valoriza o nosso corpo, a atividade física, os cuidados com saúde e os tipos de alimentação que se nos fazem bem, tudo se torna muito mais prazeroso e simples.

Procure viver bem, adotando atividades físicas que te satisfazem, alimentando-se com consciência de que bons alimentos nos fazem funcionar mais harmonicamente e procurando se afastar de situações angustiantes, estressantes e desequilibrantes.

Namastê!

Compartilhar

Posted in Comportamento, Conscientização, Saúde with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on novembro 27, 2014 by Psiquê

belly

Quando escolho uma prática que me faz bem, sinto um ímpeto por compartilhar com aqueles que gosto. Muitas vezes eu só o faço se houver algum estímulo ou interesse daqueles que me cercam, no intuito de não parecer inconveniente ou pedante…

Estava pensando em um tema para uma apresentação que preciso fazer para um curso e fui orientada a escolher um tema que goste bastante. Pensei em escrever sobre o yoga, mas como no meu dia a dia, em uma conversa ou outra acabo compartilhando os benefícios que esta prática trouxe para minha vida, fiquei com receio de ser repetitiva ou invasiva…

Compartilhar ideias, práticas e interesses que nos fazem bem, pode trazer ajudar a quem ouve, mas pode também parecer inapropriado se a pessoa não quer ou não acredita naquela prática. Por isso, que dentro de certos limites, podemos e devemos compartilhar sempre, respeitando o interesse do outro em ouvir – ou seja, sem imposições – e também o seu próprio tempo. Pode ser que plantemos a semente e o outro, naquele momento, não acredite ou não queira adotar aquela prática.

Mas o simples compartilhar já pode representar uma sementinha…

Eu quero compartilhar minha gratidão, por conseguir hoje, fazer escolhas mais saudáveis, mais tranquilas, mais energizantes. Eu quero agradecer pela oportunidade de me alimentar bem, de respeitar meu corpo, meus limites, meus gostos. Quero fugir de discursos que me aprisionem na ideia de que tenho que seguir padrões de comportamento e de beleza que não condizem com o meu bem-estar. Quero, ainda, refutar qualquer possibilidade de adotar hábitos que me firam e que possam ir contra aquilo que acredito ser o melhor para mim. Quero manter a fé na vida e a gratidão por tudo o que tenho e vivo, desejar sempre mais da vida, saber que meu corpo é meu templo e que tenho que amá-lo e respeitar meus limites, alimentar-me saudavelmente, ingerindo alimentos que me fazem bem, exercitar-me todos os dias – ou sempre que possível -, praticar yoga pelo menos 3 vezes por semana, beber muita água, hidratar o meu corpo, meditar, dormir bem, sorrir, amar…

Estas são algumas das minhas resoluções para este ano que finda e para os próximos…

Compartilho aqui com vocês a gratidão por estas práticas e descobertas.

2014 foi um excelente ano de mudanças.

Namastê!

Desafio Cócoras

Posted in Comportamento, Saúde with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on novembro 17, 2014 by Psiquê
A red skirt - Pablo Picasso, 1901

A red skirt – Pablo Picasso, 1901

Interessante, quando eu era pequena ouvia as pessoas comentando: como essa menina gosta de ficar agachada (de cócoras). Para mim, esta é uma posição confortável e de descanso para a coluna e para as pernas. Não é à toa que me apresentaram o Desafio Cócoras, lançado pelo fisioterapeuta Pablo Santurbano e eu adorei!!!!

A jornalista Carol Pires, da revista Piauí, publicou uma matéria bem legal sobre os benefícios de ficar na posição e sobre o desafio lançado em janeiro pelo fisioterapeuta. A matéria intitulada Acocorai-vos uns aos outros – Uma terapia paleolítica. O desafio é ficar 5 minutos por dia na posição que é ótima para a coluna. Quem sobre de dores na lombar, trabalha muito tempo sentado e busca o bem-estar, recomendo que aceite o desafio. Parece que é bom para o funcionamento do intestino e para evitar prisão de ventre, dentre outros benefícios à saúde.

16_2130-alt-zcocoras8

Comum entre pessoas – como eu – que devem têm um pezinho nos nossos ancestrais indígenas… Orientais e algumas tribos africanas, ainda mantém esta boa prática para a saúde do corpo. Quem sabe nós ocidentais, que mudamos tantos nossos hábitos primitivos não devamos nos inspirar neles…

“No Facebook, até o final de outubro, 495 pessoas haviam curtido o Desafio Cócoras. As únicas orientações são relaxar a coluna e distanciar um pouco os pés para que o tronco possa descer o mais baixo possível. Essa é a posição adotada pelos primatas para manipular alimentos e objetos no chão, e que o homem ocidental foi abolindo da rotina. Não são poucos os que não conseguem se acocorar. Para esses, o conselho é levantar e tentar de novo.

Alguns participantes custam a ficar na posição (provavelmente “por falta de dorsiflexão”, explica Santurbano) e calçam os calcanhares com livros, manobra admitida pelo desafio. (…)

O esforço vale a pena: reorganiza e relaxa a coluna, diminui as pressões nos joelhos, organiza os membros inferiores para a corrida, regula o intestino e facilita o parto. “As pessoas pensam que é uma postura de transição, mas é mais que isso. Se você não fica bem de cócoras, não vai caminhar nem correr bem.”

Está lançado o desafio, comecei ontem e quero passar a praticar todos os dias, dentro das várias práticas que integram meu ritual de cuidados diários, vamos experimentar?